A pi­or con­di­ção pri­si­o­nal das Amé­ri­cas

O Dia - - OPINIÃO - Me­ca­nis­mo Es­ta­du­al de Pre­ven­ção e Com­ba­te à Tor­tu­ra *

“Uma das pi­o­res si­tu­a­ções car­ce­rá­ri­as dos paí­ses da Amé­ri­ca”, se­gun­do a Co­mis­são In­te­ra­me­ri­ca­na de Di­rei­tos Hu­ma­nos, se en­con­tra no Com­ple­xo Pri­si­o­nal de Ge­ri­ci­nó, Zo­na Oes­te do Rio de Ja­nei­ro. A de­cla­ra­ção, emi­ti­da no dia 12 de novembro, de­ve so­ar co­mo um aler­ta. Em um país cu­ja his­tó­ria po­lí­ti­ca, so­ci­al e econô­mi­ca es­tá atra­ves­sa­da pe­la bar­bá­rie da tor­tu­ra, a de­nún­cia das con­di­ções de­su­ma­nas nos pre­sí­di­os tem en­con­tra­do bar­rei­ras.

A ques­tão já ob­te­ve re­co­nhe­ci­men­tos ofi­ci­ais pon­tu­ais, ten­do mi­nis­tros de Es­ta­do afir­ma­do que os pre­sí­di­os bra­si­lei­ros são co­mo “mas­mor­ras me­di­e­vais”, bem co­mo mi­nis­tros do STF fir­ma­do en­ten­di­men­to de que o sis­te­ma pe­ni­ten­ciá­rio en­con­tra-se em um “es­ta­do de coi­sas in­cons­ti­tu­ci­o­nal”. Mas na­da até o mo­men­to mu­dou o cur­so des­sa his­tó­ria, ape­sar do es­for­ço de ví­ti­mas, da so­ci­e­da­de ci­vil e de ór­gãos de di­rei­tos hu­ma­nos na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais.

A Ca­deia Pú­bli­ca Jor­ge San­ta­na, al­vo do aler­ta fei­to pe­la Co­mis­são, foi ins­pe­ci­o­na­da pe­lo Me­ca­nis­mo Es­ta­du­al de Pre­ven­ção e Com­ba­te à Tor­tu­ra do Rio de Ja­nei­ro em se­tem­bro de 2018. Em seu tra­ba­lho de âm­bi­to es­ta­du­al, o ór­gão tem se de­pa­ra­do com uma re­a­li­da­de pri­si­o­nal em que 51 mil in­ter­nos vi­vem em lo­cais pre­cá­ri­os, com fun­ci­o­ná­ri­os em nú­me­ro in­su­fi­ci­en­te, sem in­su­mos bá­si­cos pa­ra aten­der à dig­ni­da­de hu­ma­na e com ca­pa­ci­da­de de lo­ta­ção pa­ra, su­pos­ta­men­te, 27 mil va­gas. Uma re­a­li­da­de que se­gue a ten­dên­cia na­ci­o­nal. O Brasil pos­sui atu­al­men­te a ter­cei­ra mai­or po­pu­la­ção pri­si­o­nal do pla­ne­ta, sen­do co­nhe­ci­do pe­las vi­o­la­ções e mas­sa­cres em seus pre­sí­di­os – e fo­ra de­les.

E foi es­se o Brasil que a Co­mis­são In­te­ra­me­ri­ca­na en­con­trou nas ce­las A e B da uni­da­de. Em ape­nas du­as ce­las es­tão cus­to­di­a­dos 382 pre­sos pro­vi­só­ri­os, ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te jo­vens e ne­gros, que de­vi­do a ne­ces­si­da­des mé­di­cas de­man­dam aten­ção es­pe­ci­a­li­za­da de mo­do per­ma­nen­te. Tra­tam-se de pes­so­as ba­le­a­das por ar­mas de gros­so ca­li­bre, mui­tas mu­ti­la­das (mas sem mu­le­tas ou ca­dei­ras de rodas), uti­li­zan­do bol­sas de co­los­to­mia ven­ci­das, com fe­ri­das in­fec­ci­o­na­das ou­tras in­fla­ma­ções. Al­guns pre­sos tem ba­las alo­ja­das na ca­be­ça, apre­sen­tan­do con­fu­são men­tal.

À Co­mis­são In­te­ra­me­ri­ca­na, em novembro, e ao Me­ca­nis­mo, em se­tem­bro, as au­to­ri­da­des dis­se­ram que tais ce­las ser­vi­ri­am co­mo es­pé­ci­es de en­fer­ma­ri­as, on­de os pre­sos te­ri­am aces­so a cui­da­dos mé­di­cos e pro­xi­mi­da­de em re­la­ção à Uni­da­de de Pron­to Aten­di­men­to do com­ple­xo pri­si­o­nal. Con­tu­do, quem ins­pe­ci­o­na a uni­da­de não en­con­tra os mé­di­cos, en­fer­mei­ros ou au­xi­li­a­res de en­fer­ma­gem. Os pre­sos cla­mam por me­di­ca­men­tos e ci­rur­gi­as, mas tam­pou­co há um ser­vi­ço de trans­por­te ou hos­pi­tais des­ta­ca­dos pa­ra o qua­dro de cri­se.

Na au­sên­cia de sa­lu­bri­da­de, de ca­mas, de cu­ra­ti­vos, de ba­nho de sol, de am­bu­la­tó­ri­os e de pro­fis­si­o­nais, fal­ta, so­bre­tu­do, uma prá­ti­ca de saú­de in­te­gra­da à re­a­li­da­de pri­si­o­nal, co­mo pro­põe a Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Aten­ção In­te­gral à Saú­de das Pes­so­as Pri­va­das de Li­ber­da­de no Sis­te­ma Pri­si­o­nal (PNAISP). Além de im­ple­men­tar tal pla­no, exis­tem ou­tras pro­pos­tas pa­ra que Ju­di­ciá­rio, Le­gis­la­ti­vo e Exe­cu­ti­vo atu­em na re­ver­são des­se qua­dro. Uma de­las é ga­ran­tir que pre­sos ba­le­a­dos ou en­fer­mos se­jam apre­sen­ta­dos em au­di­ên­ci­as de cus­tó­dia. Atu­al­men­te, pre­sos ba­le­a­dos são le­va­dos pa­ra hos­pi­tais, de on­de sa­em di­re­ta­men­te pa­ra o sis­te­ma pri­si­o­nal, sem que ha­ja a ava­li­a­ção pre­sen­ci­al por um juiz, con­for­me de­ter­mi­na­ção le­gal.

Ou­tras pro­pos­tas apon­tam pa­ra a ne­ces­si­da­de de di­mi­nuir o uso da pri­são pro­vi­só­ria e pa­ra re­ti­rar da tu­te­la pe­nal a po­lí­ti­ca na­ci­o­nal so­bre dro­gas, on­de as res­pos­tas mais efe­ti­vas se ve­em nos cam­pos da saú­de, da ren­da e do em­pre­go.

O re­la­tó­rio do Me­ca­nis­mo so­bre a Ca­deia Pú­bli­ca Jor­ge San­ta­na re­gis­trou “as pi­o­res con­di­ções de saú­de de pes­so­as pre­sas já tes­te­mu­nha­das por uma de­le­ga­ção do MEPCT/RJ”, num mo­men­to em que o ór­gão pre­pa­ra um re­la­tó­rio so­bre saú­de no sis­te­ma pri­si­o­nal. Ao di­ag­nos­ti­car “uma das pi­o­res si­tu­a­ções car­ce­rá­ri­as dos paí­ses da Amé­ri­ca” a Co­mis­são In­te­ra­me­ri­ca­na so­be o tom de su­as pre­o­cu­pa­ções em re­la­ção ao Brasil.

Que sir­va pa­ra es­ti­mu­lar as au­to­ri­da­des a in­ter­rom­pe­rem a es­pi­ral de vi­o­lên­cia e de vi­o­la­ções de di­rei­tos, as quais se in­ten­si­fi­cam quan­do não há res­pei­to aos di­rei­tos hu­ma­nos den­tro e fo­ra dos mu­ros das pri­sões. É pre­ci­so di­zer, con­tu­do, que três se­ma­nas após a vi­si­ta da Co­mis­são, ne­nhu­ma me­di­da foi anun­ci­a­da.

Ale­xan­dre Camp­bell, Fa­bio Cas­car­do, Gra­zi­e­la Se­re­no, Na­tá­lia Da­ma­zio, Pa­trí­cia Oliveira e Re­na­ta Li­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.