Em­pol­gou-se na Black Fri­day e se ar­re­pen­deu?

O Dia - - OPINIÃO - Fer­nan­da Frei­xi­nho Ad­vo­ga­da Cri­mi­na­lis­ta es­pe­ci­a­li­za­da em Di­rei­to Pe­nal Econô­mi­co

AB­lack Fri­day sur­giu nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca, ten­do si­do sua prá­ti­ca ado­ta­da no Brasil em uma da­ta es­pe­cí­fi­ca des­de 2010. Os con­su­mi­do­res che­ga­ram a ter uma re­sis­tên­cia ini­ci­al­men­te che­gan­do ao pon­to atri­buir o ape­li­do de ‘Black Frau­de’. To­da­via, é um fa­to ine­gá­vel que a Black Fri­day tem es­quen­ta­do mui­to o co­mér­cio bra­si­lei­ro, ten­do mo­vi­men­ta­do R$ 2,1 bi­lhões so­men­te no ano pas­sa­do.

Ocor­re que mui­tos lo­jis­tas, de fa­to, ma­ni­pu­lam os pre­ços, in­du­zin­do em er­ro o con­su­mi­dor, ou se­ja, au­men­tam os pre­ços pa­ra de­pois atri­buir um su­pos­to desconto, fa­zen­do até com que al­guns con­su­mi­do­res cha­mem o su­pos­to desconto de “me­ta­de do do­bro”. Com is­so, mui­tos con­su­mi­do­res, sem ter fei­to uma pes­qui­sa pré­via de pre­ços, acabam con­cre­ti­zan­do com­pras, le­va­dos pe­la eu­fo­ria da su­pos­ta ofer­ta im­per­dí­vel e de­pois per­ce­bem que fo­ram en­ga­na­dos.

Con­tu­do, ca­so a com­pra te­nha si­do fei­ta pe­la in­ter­net ou te­le­mar­ke­ting ain­da tem so­lu­ção. O Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor e a lei que re­gu­la o co­mér­cio ele­trô­ni­co no Brasil es­ta­be­le­cem o di­rei­to de de­sis­tên­cia por par­te do con­su­mi­dor.

Nes­se pe­río­do de re­fle­xão, o con­su­mi­dor tem se­te di­as pa­ra de­vol­ver o pro­du­to, sem ne­nhum ônus, e não é ne­ces­sá­rio jus­ti­fi­car a dee vo­lu­ção. Is­so se dá pe­lo fa­to de que nes­sas si­tu­a­ções o con­su­mi­dor não te­ve a opor­tu­ni­da­de de ver e ana­li­sar o pro­du­to pes­so­al­men­te an­tes de com­prar.

En­tre­tan­to, au­men­tar o pre­ço num dia e ofe­re­cer desconto no dia se­guin­te (ou se­guin­tes) pa­ra atin­gir o mes­mo pre­ço, fal­si­fi­can­do, por­tan­to, a exis­tên­cia de uma pro­mo­ção ou li­qui­da­ção cons­ti­tui publicidade en­ga­no­sa que cons­ti­tui cri­me se­gun­do o Có­di­go de De­fe­sa do Con­su­mi­dor.

As­sim, o con­su­mi­dor que se sen­tir en­ga­na­do po­de re­gis­trar uma ocor­rên­cia na De­le­ga­cia de Cri­mes con­tra as re­la­ções de con­su­mo e pos­te­ri­or­men­te se­rá en­ca­mi­nha­do ao Jui­za­do Es­pe­ci­al Cri­mi­nal pa­ra a ten­ta­ti­va de so­lu­ção do con­fli­to, sem pre­juí­zo das me­di­das ca­bí­veis pe­ran­te os ór­gãos ad­mi­nis­tra­ti­vos de con­tro­le.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.