Amé­ri­ca La­ti­na é cam­peã da vi­o­lên­cia

O Dia - - MUNDO - > San­ti­a­go, Chi­le

Se­gun­do um es­tu­do di­vul­ga­do on­tem pe­lo Ban­co In­te­ra­me­ri­ca­no de De­sen­vol­vi­men­to (BID), re­a­li­za­do em par­ce­ria com o Ins­ti­tu­to Iga­ra­pé, do Brasil, a Amé­ri­ca La­ti­na é a re­gião mais vi­o­len­ta do mun­do, jun­to ao Ca­ri­be. Ao to­do, fo­ram re­gis­tra­dos que 39% dos ho­mi­cí­di­os do pla­ne­ta acon­te­ce­ram no con­ti­nen­te la­ti­no que ain­da tem uma ta­xa de rou­bo três ve­zes aci­ma da mé­dia e que con­cen­tra 41 das 50 me­tró­po­lis mun­di­al­men­te mais pe­ri­go­sas.

De acor­do com o es­tu­do ‘Cri­me e vi­o­lên­cia, obs­tá­cu­los pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das ci­da­des da Amé­ri­ca La­ti­na e Ca­ri­be’, as ci­da­des de Ca­ra­cas, San Pedro Su­la, San Sal­va­dor e Aca­pul­co são as mais vi­o­len­tas, com ta­xas de ho­mi­cí­dio de 10 a 20 ve­zes su­pe­ri­o­res à mé­dia mun­di­al, aci­ma de 80 pa­ra 100 mil ha­bi­tan­tes. (Na mé­dia, o Brasil tem 30 mor­tes por cem mil ha­bi­tan­tes.) No to­tal, 52% das mor­tes na Amé­ri­ca La­ti­na são ho­mi­cí­di­os.

A aná­li­se fei­ta pe­la ins­ti­tui­ção apon­ta que, en­tre 2004 e 2014, a mai­o­ria dos paí­ses la­ti­nos pas­sou por cres­ci­men­to econô­mi­co, di­mi­nui­ção de ín­di­ce de po­bre­za e os ci­da­dãos “es­tão mais sau­dá­veis e al­can­ça­ram um mai­or ní­vel de es­tu­do”.

Ape­sar de to­do es­for­ço e de­sen­vol­vi­men­to, não há que­da nos ín­di­ces de vi­o­lên­cia que são apon­ta­dos pe­lo BID co­mo uma ‘ano­ma­lia’ do con­ti­nen­te. Em du­as dé­ca­das, mais de 2,5 mi­lhões de ho­mi­cí­di­os acon­te­ce­ram no con­ti­nen­te, 75% co­me­ti­dos com ar­ma de fo­go.

Se­gun­do o es­tu­do, se a si­tu­a­ção não mu­dar, a ta­xa de ho­mi­cí­di­os na re­gião, que, em 2017, era de 22 as­sas­si­na­tos pa­ra ca­da 100 mil pes­so­as, su­bi­rá pa­ra 35 em 2030.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.