En­ten­da sis­te­ma que go­ver­no quer im­plan­tar na Pre­vi­dên­cia

Sai­ba a di­fe­ren­ça do atu­al re­gi­me pa­ra a mo­da­li­da­de ci­ta­da por in­te­gran­tes da equi­pe do pre­si­den­te Bol­so­na­ro.

O Dia - - FRONT PAGE - MARTHA IMENES [email protected]

ARe­for­ma da Pre­vi­dên­cia, que fi­cou es­ta­ci­o­na­da no Con­gres­so du­ran­te o go­ver­no Te­mer, ago­ra vai sair do pa­pel. En­tre as me­di­das anun­ci­a­das pe­la equi­pe do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, uma de­las não é mui­to co­nhe­ci­da pe­los tra­lha­do­res bra­si­lei­ros: a in­clu­são do sis­te­ma de capitalização que vai fun­ci­o­nar por um pe­río­do jun­to com o mo­de­lo atu­al de re­par­ti­ção. Mas, afi­nal, o que is­so re­pre­sen­ta­rá pa­ra os se­gu­ra­dos da Pre­vi­dên­cia So­ci­al?

De acor­do com in­for­ma­ções do pró­prio go­ver­no, quem nas­cer a par­tir de 2014 e en­trar no mer­ca­do de tra­ba­lho no fu­tu­ro te­rá que fa­zer uma “pou­pan­ça” por con­ta pró­pria pa­ra po­der re­ce­ber uma aposentadoria. Ten­do co­mo ba­se o sis­te­ma chi­le­no, a capitalização é um dos prin­ci­pais pon­tos da pro­pos­ta de Re­for­ma da Pre­vi­dên­cia que o go­ver­no Bol­so­na­ro en­vi­a­rá ao Con­gres­so no mês que vem. Atu­al­men­te, o re­gi­me pre­vi­den­ciá­rio do país é o de re­par­ti­ção.

Se­gun­do o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Guedes, o no­vo mo­de­lo se­rá im­ple­men­ta­do gra­da­ti­va­men­te até que o re­gi­me de capitalização re­pre­sen- te até 70% do sis­te­ma no país, com uma fa­se de tran­si­ção. “O sis­te­ma de capitalização, co­mo es­ta­mos de­se­nhan­do, é mais ro­bus­to, mais di­fí­cil, o cus­to de tran­si­ção é al­to”, ad­mi­tiu Gu­des. E acres­cen­tou: “Es­ta­mos tra­ba­lhan­do pa­ra as fu­tu­ras ge­ra­ções”.

As prin­ci­pais di­fe­ren­ças en­tre as du­as mo­da­li­da­des, por exem­plo, são que na re­par­ti­ção o tra­ba­lha­dor con­tri­bui pa­ra o INSS que é o res­pon­sá­vel por pa­gar as apo­sen­ta­do­ri­as. Já na capitalização, se­rão fei­tos de­pó­si­tos men­sais em uma “pou­pan­ça” in­di­vi­du­al pa­ra que o se­gu­ra­do pos­sa se apo­sen­tar.

Os re­cur­sos ar­re­ca­da­dos, no ca­so da re­par­ti­ção, são ad­mi­nis­tra­dos pe­lo go­ver­no, por meio da Pre­vi­dên­cia So­ci­al. Ca­be ao INSS fa­zer o pa­ga­men­to dos be­ne­fí­ci­os pa­ra os apo­sen­ta­dos. Atu­al­men­te, o tra­ba­lha­dor con­tri­bui com um per­cen­tu­al de 8%, 9% ou 11%, con­for­me o va­lor do sa­lá­rio que ele re­ce­be, li­mi­ta­do en­tre o sa­lá­rio mí­ni­mo (R$998) e o te­to da Pre­vi­dên­cia que se­rá de R$5.838,65, a par­tir des­te mês. Pe­la pro­pos­ta do go­ver­no Bol­so­na­ro, o em­pre­ga­do te­rá que re­co­lher um per­cen­tu­al so­bre o sa­lá­rio e po­de­rá fa­zer con­tri­bui­ções es­pon­tâ­ne­as, além dos re­co­lhi­men­tos ofi­ci­ais.

Há ris­cos pa­ra os tra­ba­lha­do­res en­tre um mo­de­lo e ou­tro? Sim. En­quan­to, na re­par­ti­ção eles têm ga­ran­ti­as de re­ce­ber de um sa­lá­rio mí­ni­mo ao te­to, con­for­me o cál­cu­lo pa­ra se che­gar ao be­ne­fí­cio de­pois de con­si­de­rar as con­tri­bui­ções fei­tas ao lon­go da vi­da, ao pas­sar a va­ler a capitalização, o se­gu­ra­do não sa­be quan­to ga­nha­rá de aposentadoria lá na fren­te. No Chi­le, por exem­plo, tra­ba­lha­do­res ga­nham me­nos de um sa­lá­rio mí­ni­mo.

A pro­pos­ta é ins­pi­ra­da no mo­de­lo chi­le­no - que so­fre­rá al­te­ra­ções na­que­le país. Se­gun­do o exem­plo, ape­nas quem en­trar no mer­ca­do te­ria a op­ção de ade­rir ao no­vo re­gi­me, que se­ria fo­ra do INSS. Sen­do as­sim, o tra­ba­lha­dor te­ria uma con­ta in­di­vi­du­al, ge­ri­da por uma ins­ti­tui­ção pri­va­da que es­co­lher, na qual se­ri­am fei­tos os de­pó­si­tos ao lon­go de sua vi­da la­bo­ra­ti­va.

Pa­ra quem não con­se­guir pou­par, o go­ver­no ga­ran­ti­ria uma ren­da mí­ni­ma, me­nor que o sa­lá­rio mí­ni­mo e mai­or que o Bol­sa Fa­mí­lia.

“Es­ta­mos tra­ba­lhan­do pa­ra as fu­tu­ras ge­ra­ções”. PAU­LO GUEDES, mi­nis­tro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.