BÁRBARA BORGES FA­LA PE­LA PRI­MEI­RA VEZ SO­BRE O VÍCIO EM ÁL­CO­OL:

‘O AR­TIS­TA NÃO ES­TÁ LI­VRE DE SO­FRI­MEN­TO’

O Dia - - FRONT PAGE -

Atriz con­ta ao co­lu­nis­ta co­mo su­pe­rou o al­co­o­lis­mo e os ris­cos que cor­reu nes­se pe­río­do.

> PRES­TES a com­ple­tar 40 anos no dia 26, Bárbara Borges te­ve a co­ra­gem, mes­mo sem ter a in­ten­ção de le­van­tar qual­quer ban­dei­ra, de ex­por pu­bli­ca­men­te um pro­ble­ma que afli­ge a so­ci­e­da­de: o vício em ál­co­ol. Ela con­tou es­tar há qu­a­tro me­ses li­vre da de­pen­dên­cia. Em sua pri­mei­ra en­tre­vis­ta so­bre o as­sun­to, a atriz nos re­ve­la de­ta­lhes de co­mo en­fren­tou a do­en­ça. Bárbara, no ar em ‘Je­sus’, da Re­cord, ex­pli­ca co­mo foi o seu ‘fun­do do po­ço’ e quais fo­ram as for­mas en­con­tra­das pa­ra iden­ti­fi­car e li­dar com o pro­ble­ma. Mãe de dois me­ni­nos, Mar­tin Bem e Theo Bem, ela re­ve­la ter en­con­tra­do nos fi­lhos e na es­pi­ri­tu­a­li­da­de a sua for­ça pa­ra di­zer não ao ál­co­ol.

O que te mo­ti­vou a fa­zer N um de­poi­men­to nas re­des so­ci­ais so­bre o al­co­o­lis­mo?

● Mi­nha ex­po­si­ção vêm de um mo­vi­men­to mai­or de trans­for­ma­ção que co­me­çou lá atrás, prin­ci­pal­men­te com a ma­ter­ni­da­de. Não foi do na­da. Quem já me se­gue sa­be que gran­de par­te dos meus posts fa­lam de des­per­tar da cons­ci­ên­cia, au­to­co­nhe­ci­men­to, me­di­ta­ção... tu­do o que te­nho apren­di­do e que tem me aju­da­do no meu pro­ces­so de evo­lu­ção. Sei da for­ça das re­des so­ci­ais ho­je em dia, o al­can­ce, o po­der de con­se­guir fa­lar com mais pes­so­as do que ima­gi­na­mos. E eu me ques­ti­o­na­va so­bre o ob­je­ti­vo e pro­pó­si­to des­se uso. Sou atriz e es­tou com uma no­ve­la ‘Je­sus’, na Re­cord, e ado­ro com­par­ti­lhar meu tra­ba­lho. Mas já há al­gum tem­po en­ten­di que eu tam­bém ti­nha um pro­pó­si­to além do meu ofí­cio de atriz: tra­ba­lhar pe­lo des­per­tar da cons­ci­ên­cia co­le­ti­va com­par­ti­lhan­do as mi­nhas ex­pe­ri­ên­ci­as pes­so­ais. E me sin­to for­te o su­fi­ci­en­te pa­ra tra­zer o as­sun­to à to­na e to­car nas pes­so­as que es­te­jam pas­san­do pe­lo o que eu pas­sei. Fa­zer o bem, me faz bem. Es­sa é a mi­nha mo­ti­va­ção.

Va­mos co­me­çar pe­las N eta­pas. Quan­do vo­cê per­ce­beu que o ál­co­ol es­ta­va sen­do da­no­so e um vício pa­ra a sua vi­da?

● Eu, que sem­pre me re­co­nhe­ci co­mo uma bus­ca­do­ra es­pi­ri­tu­al, co­nhe­ci em 2012 um ca­mi­nho de li­ber­ta­ção das mi­nhas do­res emo­ci­o­nais atra­vés da prá­ti­ca da me­di­ta­ção. En­trei em con­ta­to com mui­tos pen­sa­men­tos fer­vi­lhan­do na mi­nha men­te. Me apro­fun­dei e pas­sei a fa­zer te­ra­pia, as­tro­lo­gia, nu­me­ro­lo­gia, usan­do to­das as fer­ra­men­tas pos­sí­veis pa­ra me co­nhe­cer me­lhor. A prin­cí­pio eu es­ta­va ape­nas con­cen­tra­da nas ques­tões psi­co­ló­gi­cas e não ti­nha a cons­ci­ên­cia do uso abu­si­vo de ál­co­ol. Mas a medida que eu fui mer­gu­lhan­do in­ter­na­men­te e en­fren­tan­do meus trau­mas e do­res, a es­pi­ri­tu­a­li­da­de foi am­pli­an­do e me con­du­zin­do pa­ra o meu des­per­tar. An­tes de en­gra­vi­dar do meu pri­mei­ro fi­lho Mar­tin Bem, eu vi­vi o que eu con­si­de­ro o au­ge do meu con­su­mo de ál­co­ol e co­me­cei a fi­car in­co­mo­da­da por­que fi­ca­va fe­liz que­ria be­ber, fi­ca­va

tris­te que­ria be­ber, tu­do era mo­ti­vo pa­ra be­ber e foi en­tão que ti­ve a pri­mei­ra luz de cons­ci­ên­cia da mi­nha de­pen­dên­cia por não con­se­guir pa­rar. Lem­bro de ter fa­la­do pra mim mes­ma “Quan­do eu en­gra­vi­dar, meu fi­lho vai me sal­var, por­que vou pa­rar de be­ber.” En­gra­vi­dei lo­go em se­gui­da e de fa­to fi­quei mais de um ano sem be­ber, le­van­do em con­si­de­ra­ção ges­ta­ção e ama­men­ta­ção.

N E foi di­fí­cil?

● No iní­cio sim. Em al­guns mo­men­tos, eu até usei o re­cur­so de be­ber uma cer­ve­ja sem ál­co­ol. Mas não che­guei a so­frer por­que a ale­gria de ge­rar meu fi­lho foi mui­to mai­or do que dei­xar de be­ber ál­co­ol. E eu ti­nha mui­ta res­pon­sa­bi­li­da­de de me ali­men­tar bem, de es­tar sau­dá­vel, prin­ci­pal­men­te pe­la saú­de do meu fi­lho. Eu ti­ve a mo­ti­va­ção que eu pre­ci­sa­va. Dei meu pri­mei­ro pas­so. A ma­ter­ni­da­de che­gou e abriu ain­da mais o meu por­tal es­pi­ri­tu­al, vi­vi o iní­cio de uma mu­dan­ça avas­sa­la­do­ra. Mar­tin Bem nas­ceu em 2014 e de lá pra cá fui ca­mi­nhan­do pas­so a pas­so.

E en­tre um fi­lho e ou­tro? N Co­mo foi sua re­la­ção com o ál­co­ol en­tre o Mar­tin e o Theo?

● Vol­tei a be­ber en­tre uma ges­ta­ção e ou­tra mas é im­por­tan­te des­ta­car que nas du­as ges­ta­ções não be­bi ál­co­ol. In­clu­si­ve na ama­men­ta­ção. Por mais que ti­ves­se pa­ra­do de be­ber por um tem­po, as con­sequên­ci­as do con­su­mo ex­ces­si­vo de ál­co­ol fi­ca­ram mais for­tes nos úl­ti­mos anos. As am­né­si­as al­coó­li­cas fo­ram fi­can­do ain­da mai­o­res. Eu es­ta­va avan­çan­do no meu des­per­tar es­pi­ri­tu­al e co­me­çou a dar ruim. Eu ti­nha o ál­co­ol co­mo uma vál­vu­la de es­ca­pe, be­bia pa­ra de­ses­tres­sar mas já não fa­zia mais es­se efei­to. Po­ten­ci­a­li­zou as mi­nhas do­res. Era an­gus­ti­an­te no dia se­guin­te. Eu pas­sei a en­con­trar na me­di­ta­ção, no si­lên­cio, um ca­mi­nho pro meu “de­ses­tres­sar” e vi­via es­se cho­que, um du­e­lo. Eu sa­bia que que­ria pa­rar mas ain­da não con­se­guia.

Quan­do vo­cê te­ve sua N cons­ci­ên­cia to­tal?

● Gos­to de es­cre­ver e te­nho ca­der­nos on­de eu es­cre­vo

meus sen­ti­men­tos. Foi em 2017 que mais es­cre­vi so­bre as mi­nhas an­gús­ti­as e ao mes­mo tem­po que mais ti­ve cla­re­za e cons­ci­ên­cia de que aque­le mo­men­to era um di­vi­sor de águas na mi­nha vi­da. Fa­lei com meu ma­ri­do, mi­nha fa­mí­lia.

N Vo­cê ex­ter­na­va is­so?

● Sim, já ex­ter­na­va um incô­mo­do, uma in­sa­tis­fa­ção, sen­sa­ção de de­sen­cai­xe. Mas não sus­ten­ta­va mi­nha con­vic­ção pois o ál­co­ol con­ti­nu­a­va pre­sen­te na mi­nha vi­da so­ci­al e eu não es­ta­va su­fi­ci­en­te­men­te for­te in­ter­na­men­te. N É o gran­de pro­ble­ma de­la. A be­bi­da é o so­ci­al, cer­to?

● Se vo­cê não es­tá for­te o su­fi­ci­en­te sim. Eu me em­po­de­rei tan­to, foi uma lu­ta mas mui­to ne­ces­sá­ria. Eu fa­la­va de li­ber­da­de mas não era li­vre. Não é um co­me­ço nem um fim, é o ago­ra. E es­tá me fa­zen­do bem pen­sar que sou a cri­a­do­ra des­sa no­va jor­na­da que es­tou vi­ven­do. Já ve­jo co­mo eu mu­dei in­ter­na­men­te, co­mo eu já mu­dei com ami­gos e fa­mí­lia, em tu­do. Eu não pos­so di­zer que eu te­nho a fór­mu­la, eu te­nho cons­ci­ên­cia de que is­so acon­te­ce com vá­ri­as pes­so­as. Nós olha­mos pa­ra as pes­so­as e nun­ca ve­mos

as do­res que es­tão es­tão en­fren­tan­do. Tu­do pa­re­ce lin­do e ma­ra­vi­lho­so.

Vo­cê dis­se que es­tá há 4 N me­ses “lim­pa”. Vo­cê che­gou a al­gum fun­do do po­ço an­tes dis­so?

● Eu es­cre­vi que aban­do­nei al­guns há­bi­tos que não são mais com­pa­tí­veis com a mi­nha no­va jor­na­da, en­tre eles o con­su­mo de ál­co­ol. Eu me sin­to li­vre e le­ve e não lim­pa. E sim, cla­ro, vi­vi meu fun­do do po­ço. E a ne­ga­ção foi o que me con­du­ziu até lá. Não que­ria acei­tar en­xer­gar o mal que es­ta­va fa­zen­do co­mi­go mes­ma. Eu era mi­nha ini­mi­ga. A lu­ta era co­mi­go mes­ma. Ten­tei ne­go­ci­a­ções que não da­vam cer­to: “Ah, só vou to­mar três cer­ve­jas” e era sem­pre mais, não cum­pria. Não exis­te ne­go­ci­a­ção! Eu fui for­çan­do, re­sis­tin­do até que me co­lo­quei ca­ra a ca­ra com uma dor mui­to gran­de! Ti­ve a cer­te­za que não se­gui­ria adi­an­te. Ali era o fim. As mo­ti­va­ções que ti­ve nas du­as ve­zes que con­se­gui fi­car sem be­ber fo­ram as ges­ta­ções dos meus fi­lhos e ago­ra mi­nha mo­ti­va­ção é a ges­ta­ção de uma no­va Bárbara! Uma no­va ma­nei­ra de vi­ver a mi­nha vi­da. Mas é im­por­tan­te di­zer que pro­cu­rei e ti­ve aju­da e en­co­ra­jo as pes­so­as que es­tão que­ren­do pa­rar tam­bém a pe­dir aju­da.

N Co­mo sua fa­mí­lia re­a­giu?

● A prin­cí­pio mi­nha fa­mí­lia fi­cou sur­pre­sa com a mi­nha ati­tu­de. Em ge­ral as pes­so­as acham que não é bem as­sim, não é pra tan­to. O en­ten­di­men­to do al­co­o­lis­mo in­fe­liz­men­te é dis­tor­ci­do, mal com­pre­en­di­do e vis­to pre­con­cei­tu­o­sa­men­te e ao mes­mo tem­po na­tu­ra­li­za­do! “Ah, mas vo­cê não be­be to­dos os di­as!” “Vo­cê fi­cou sem be­ber grá­vi­da”. “Ah, vo­cê não é al­co­o­la­tra!” In­fe­liz­men­te não há o conhecimento re­al des­sa do­en­ça que é mais co­mum do que ima­gi­na­mos e atin­ge as pes­so­as em di­fe­ren­tes ní­veis. N Co­mo foi par­ti­ci­par do ‘Dan­cing Bra­sil’?

● Foi óti­mo, ma­ra­vi­lho­so. Li­ber­ta­dor. Eu ti­nha aca­ba­do de vol­tar a tra­ba­lhar de­pois do nas­ci­men­to do Theo Bem. Gra­vei a no­ve­la Be­la­ven­tu­ra na Re­cord e já ti­nha si­do óti­mo mas a par­ti­ci­pa­ção no Dan­cing Bra­sil res­ga­tou mi­nha pai­xão pe­la dan­ça e flo­res­ci ar­tis­ti­ca­men­te. Foi um pro­ces­so in­ten­so e a dan­ça me fez bem. In­clu­si­ve foi óti­mo por­que meu fo­co fi­cou to­do na dan­ça e me aju­dou na di­mi­nui­ção do ál­co­ol, di­mi­nuiu a von­ta­de de be­ber.

Vo­cê che­gou a to­mar al­gum N re­mé­dio?

● Não. A me­di­ta­ção foi uma

fer­ra­men­ta que me aju­dou mui­to, me aju­da.

N Vi­ve­mos num mun­do de apa­rên­ci­as e vo­cê nun­ca apa­ren­tou na­da. As pes­so­as não es­cu­ta­vam fa­lar de vo­cê bê­ba­da nas fes­tas ou de al­gum ve­xa­me, cer­to?

● Ve­jo que es­se é o pon­to mais im­por­tan­te: o mun­do de apa­rên­ci­as não é re­al e o al­co­o­lis­mo não tem uma ima­gem pa­dro­ni­za­da. Exis­tem mui­tos graus do al­co­o­lis­mo e eu vi­vi o meu, eu en­ten­di on­de bas­ta­va pra mim. Pos­so con­si­de­rar sor­te a mi­nha não ter ti­do mi­nha ima­gem ex­pos­ta nu­ma si­tu­a­ção des­sas por­que ao in­vés de olha­rem pra pes­soa que pas­sa por is­so com cui­da­do, ven­do que pre­ci­sa de aju­da, a pes­soa é ain­da mais ex­pos­ta, ri­di­cu­la­ri­za­da e tra­ta­da com pre­con­cei­to. Pos­so di­zer que ti­ve sor­te de a úni­ca vez da mi­nha vi­da em que vi­vi uma si­tu­a­ção de ris­co e vul­ne­ra­bi­li­da­de por cau­sa do ál­co­ol, num show do Rock in Rio em 2015, ter ti­do a aju­da de um ho­mem que eu não co­nhe­cia. So­men­te dois anos de­pois é que ele me man­dou uma men­sa­gem e pu­de agra­de­cê-lo. Is­so me mar­cou. Es­tou pres­tes a com­ple­tar 40 anos e é mais do que na­tu­ral nes­sa eta­pa da vi­da fa­zer­mos um ba­lan­ço do que vi­ve­mos, fa­zer ajus­tes do que já não se en­cai­xa, do que pre­ci­sa ser aban­do­na­do pra se­guir adi­an­te.

Co­mo foi a re­a­ção N das pes­so­as após a sua de­cla­ra­ção? ● Re­ce­bi mui­tas men­sa­gens de apoio e prin­ci­pal­men­te de agra­de­ci­men­to, o que mais fez meu co­ra­ção ba­ter e in­di­ca que fiz o que re­al­men­te faz sen­ti­do pra mim! Mas é im­por­tan­te dei­xar mui­to cla­ro que es­tá tu­do bem co­mi­go.

O que ho­je vo­cê evi­ta N fa­zer? Si­tu­a­ções co­mo um bar­zi­nho num fim de se­ma­na? ● Não evi­to lu­ga­res por cau­sa de ál­co­ol. Evi­to lu­ga­res on­de não me sin­to bem.

Vo­cê es­tá for­te a pon­to N de ir a bar­zi­nho? ● Sim! In­clu­si­ve, tem na mi­nha ca­sa, meu ma­ri­do be­be. Saí pra chopp de fim de ano com mi­nhas ami­gas de in­fân­cia. O ál­co­ol con­ti­nua na mi­nha vi­da so­ci­al mas já não tem pro­ble­ma por­que eu não te­nho mais von­ta­de de be­ber ál­co­ol e be­bo su­co de fru­tas. Aliás es­tou in­ves­tin­do em ex­pe­ri­men­tar su­cos de fru­tas va­ri­a­das.

Pra fi­na­li­zar, vo­cê não quis N le­van­tar ne­nhu­ma ban­dei­ra com seu post, cer­to?

● Não ti­ve a in­ten­ção de le­van­tar ban­dei­ra, ape­nas com­par­ti­lhei o que me faz bem e es­se foi um ele­men­to den­tro de to­da a trans­for­ma­ção que te­nho vi­vi­do. É im­por­tan­te des­cons­truir a ideia de que o ar­tis­ta es­tá li­vre de so­fri­men­to. Mi­nha ban­dei­ra é fa­zer o bem.

EDDUH MORAES DIVULGAÇÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.