Mu­dan­ças

O Dia - - OPINIÃO - Edi­el Ri­bei­ro Jornalista e es­cri­tor

To­do iní­cio de ano, pro­me­te­mos mu­dar. Mas, no fi­nal do ano, vi­mos que con­ti­nu­a­mos os mes­mos. Só o que mu­dou foi o ano. Ain­da so­mos os mes­mos; só que mais ve­lhos.

Mas um dia, vo­cê to­ma co­ra­gem e mu­da. De­pois de fa­zer 50 anos, eu dei­xei um ca­sa­men­to de 23 anos e um em­pre­go que não me re­a­li­za­va pro­fis­si­o­nal­men­te.

Dei­xar um mau re­la­ci­o­na­men­to, ini­ci­ar um no­vo ne­gó­cio, mu­dar uma cren­ça, ser mais as­ser­ti­vo, são al­gu­mas das mui­tas coi­sas que as pes­so­as nor­mal­men­te qu­e­rem re­a­li­zar, mas não re­a­li­zam nun­ca, por­que têm me­do da mu­dan­ça.

Evi­ta­mos es­sas coi­sas por­que, de uma for­ma ou de ou­tra, to­das elas en­vol­vem di­fe­ren­tes ti­pos de dor. Se vo­cê quer per­der pe­so, tem que en­fren­tar a dor de pri­var-se dos ali­men­tos de que vo­cê gos­ta.

Se qui­ser dei­xar um re­la­ci­o­na­men- to, vo­cê tem que en­fren­tar o fan­tas­ma da so­li­dão. Se vo­cê quer co­me­çar um no­vo ne­gó­cio, vo­cê tem que en­fren­tar a pos­si­bi­li­da­de de não ter êxi­to.

O me­do faz com que as pes­so­as pre­fi­ram so­frer nu­ma “zo­na de con­for­to” do que ar­ris­car uma mu­dan­ça que po­de lhe tra­zer a fe­li­ci­da­de.

Quan­tas pes­so­as pas­sam a vi­da fa­zen­do o que não gos­tam, vi­ven­do com quem não amam mais ou con­vi­ven­do com um cor­po que não lhe sa­tis­faz pe­lo sim­ples fa­to de não ter co­ra­gem pa­ra mu­dar.

Is­to acon­te­ce, por que so­mos clas­si­fi­ca­dos por nú­me­ros. E da­mos im­por­tân­cia a is­so. Vo­cê va­le o que tem no bol­so - ou, em al­guns ca­sos, nu­ma con­ta nas Ilhas Cay­mans. Vo­cê va­le pe­lo car­ro que an­da, pe­la be­la ca­sa que os­ten­ta ou pe­lo em­pre­go que tem – em­bo­ra, mui­tas ve­zes, na­da dis­so lhe tra­ga a fe­li­ci­da­de.

Por­que a fe­li­ci­da­de não es­tá em na­da dis­to. A fe­li­ci­da­de tá no amor e no ca­ri­nho que vo­cê dá e re­ce­be - no fi­nal de ca­da dia - da sua es­po­sa, dos seus fi­lhos, do seu cão e na sa­tis­fa­ção do tra­ba­lho que te com­ple­ta.

Con­fú­cio di­zia: “Es­co­lhe um traO ba­lho de que gos­tes, e não te­rás que tra­ba­lhar nem um dia na tua vi­da”.

Quan­do a ida­de che­ga e vo­cê per­ce­be que pas­sou a vi­da to­da per­se­guin­do o di­nhei­ro, a vai­da­de e as apa­rên­ci­as, vo­cê se tor­na uma pes­soa tris­te, de­pri­mi­da e me­lan­có­li­ca e pas­sa a vi­ver pe­los can­tos re­cla­man­do de tu­do e de to­dos e pro­cu­ran­do cul­pa­dos pe­la sua dor.

Não foi fe­liz por me­do da mu­dan­ça e ago­ra, tu­do o que tem é tem­po pa­ra an­gus­ti­ar-se. Acre­di­te, até a dor pro­duz uma “zo­na de con­for­to”.

Um jornalista, ami­go meu, pre­so pe­la di­ta­du­ra, dis­se que to­dos os di­as o tor­tu­ra­dor en­tra­va em sua ce­la, di­zia meia du­zia de ofen­sas mo­rais, da­va­lhe uns ta­pas - às ve­zes, um cho­que elé­tri­co - e ia em­bo­ra. Quan­do anun­ci­a­vam que iam tro­car o tor­tu­ra­dor ele se de­ses­pe­ra­va. Com o an­ti­go, ele sa­bia a du­ra­ção e a in­ten­si­da­de da dor. O no­vo po­de­ria ser pi­or.

É as­sim com um no­vo ca­sa­men­to, com a mu­dan­ça de em­pre­go ou, sim­ples­men­te, com a di­e­ta ve­ge­ta­ri­a­na, por exem­plo.

Po­de ser pi­or. E, por me­do do que po­de ser pi­or, evi­ta­mos o me­lhor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.