MU­LHER TEM BACTÉRIA, MAS NÃO HÁ SURTO EM S. GON­ÇA­LO

Pa­ci­en­te in­ter­na­da em São Gon­ça­lo tem a bactéria da do­en­ça. Hos­pi­tal aguar­da lau­do da Fi­o­cruz

O Dia - - FRONT PAGE - MARTHA IMENES [email protected]

Pre­fei­tu­ra afir­ma que po­pu­la­ção não pre­ci­sa fi­car alar­ma­da, pois si­tu­a­ção es­tá con­tro­la­da.

Ote­mor de que um surto de peste bubônica na Re­gião de São Gon­ça­lo alar­mou os mo­ra­do­res da re­gião. Uma pa­ci­en­te in­ter­na­da na ci­da­de es­tá com a bactéria, mas is­so não quer di­zer que ela te­nha exa­ta­men­te es­sa do­en­ça ou que ha­ja surto da peste na ci­da­de, in­for­mou a Pre­fei­tu­ra de São Gon­ça­lo. E co­mo é trans­mi­ti­da es­sa do­en­ça “me­di­e­val”? Por meio de ro­e­do­res in­fec­ta­dos que são pi­ca­dos por pul­gas, que por sua vez pi­cam hu­ma­nos. E aí o es­tra­go es­tá fei­to. Nas re­des so­ci­ais, in­ter­nau­tas te­mem que a do­en­ça se es­pa­lhe. Mas a pre­fei­tu­ra ad­ver­te: não há surto.

Mas co­mo bra­si­lei­ro, prin­ci­pal­men­te o ca­ri­o­ca é co­nhe­ci­do por seu sen­so de hu­mor, a do­en­ça vi­rou mo­ti­vo de cha­co­ta e a atu­a­ção da pre­fei­tu­ra re­ce­beu crí­ti­cas. Em uma pu­bli­ca­ção no Facebook um in­ter­nau­ta brin­ca: “Ter­ra pla­na, peste bubônica, re­li­gião pei­tan­do ci­ên­cia... es­tou me sen­tin­do um ci­da­dão me­di­e­val”. Ou­tro diz que “a cul­pa é das au­to­ri­da­des que não fa­zem a lim­pe­za ade­qua­da na ci­da­de”.

O CA­SO

Des­de 22 de se­tem­bro uma pa­ci­en­te de 57 anos es­tá in­ter­na­da no Hos­pi­tal Luiz Pal­mi­er com sus­pei­ta da do­en­ça. Nos exa­mes re­a­li­za­dos foi di­ag­nos­ti­ca­da a pre­sen­ça da bactéria Yer­si­nia pes­tis, cau­sa­do­ra da peste bubônica e de ou­tros ma­les. A mu­lher, que es­tá sen­do tra­ta­da com an­ti­bió­ti­cos, per­ma­ne­ce­rá em iso­la­men­to até que um lau­do da Fi­o­cruz, con­fir­man­do ou ne­gan­do a en­fer­mi­da­de, fi­que pron­to. O re­sul­ta­do es­tá pre­vis­to pa­ra sair no pró­xi­mo fim de se­ma­na.

A mu­lher deu en­tra­da no Pron­to So­cor­ro Cen­tral da ci­da­de e foi en­ca­mi­nha­da pa­ra in­ter­na­ção no hos­pi­tal, on­de foi re­a­li­za­do o pro­ce­di­men­to pa­drão de co­le­ta de amos­tras de san­gue, oral, na­sal e da pe­le, por con­ta de uma fe­ri­da na per­na.

CONTAMINAÇÃO

O con­tá­gio com a peste bubônica se dá por meio de con­ta­to di­re­to ou atra­vés das pul­gas que se hos­pe­dam en­tre os ra­tos de pe­lo pre­to. Se nos ro­e­do­res ela é fa­tal, nos hu­ma­nos ela é co­mo uma zo­o­no­se. Ou se­ja, uma do­en­ça trans­mi­ti­da de ani­mais pa­ra hu­ma­nos.

A bactéria in­fec­ta o ser hu­ma­no por meio de fe­ri­das ou pe­que­nas abra­sões na pe­le, co­mo no ca­so da pa­ci­en­te in­ter­na­da, que es­tá com uma fe­ri­da na per­na. Além da trans­mis­são pe­la pul­ga, a peste po­de ser con­traí­da atra­vés do con­ta­to di­re­to com ou­tro en­fer­mo, por is­so a ne­ces­si­da­de de a pa­ci­en­te es­tar em iso­la­men­to.

Uma equi­pe do con­tro­le de zo­o­no­ses da Vi­gi­lân­cia Am­bi­en­tal já foi até a re­si­dên­cia da pa­ci­en­te re­a­li­zar a ins­pe­ção e não en­con­trou ves­tí­gi­os de ro­e­do­res na re­si­dên­cia. A bactéria é eli­mi­na­da com an­ti­bió­ti­cos.

ARTE O DIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.