SU­CES­SO ES­TÁ DE VOL­TA

Ato­res co­me­mo­ram a vol­ta de ‘Cor­del En­can­ta­do’ no ‘Va­le a Pe­na Ver de No­vo’, da Glo­bo. Com Cauã Rey­mond, Bi­an­ca Bin e Do­min­gos Mon­tag­ner, a história mis­tu­ra can­ga­ço e re­a­le­za eu­ro­peia

O Dia - - FRONT PAGE - GA­BRI­EL SOBREIRA ga­bri­[email protected]

No­ve­la ‘Cor­del En­can­ta­do’, es­tre­la­da por Bi­an­ca Bin e Cauã Rey­mond, exi­bi­da em 2011, vol­ta ago­ra à te­li­nha nas tar­des da TV Glo­bo.

Era uma vez uma jo­vem bre­jei­ra, hu­mil­de, de no­me Açu­ce­na (Bi­an­ca Bin). Ela foi cri­a­da no ser­tão e nem de lon­ge des­con­fia que é, na re­a­li­da­de, uma prin­ce­sa: Au­ro­ra Ca­ta­ri­na Ávi­la de Se­rá­fia, fi­lha de­sa­pa­re­ci­da do rei de Se­rá­fia do Nor­te. A mo­ci­nha lo­go se en­can­ta por Je­suí­no (Cauã Rey­mond), um bra­vo ra­paz, que nem faz ideia de que é fi­lho do mai­or can­ga­cei­ro do ser­tão. A mis­tu­ra dos uni­ver­sos da re­a­le­za eu­ro­peia e do can­ga­ço mar­ca a vol­ta de ‘Cor­del En­can­ta­do’, no­ve­la de Thel­ma Guedes e Du­ca Ra­chid, a par­tir de ho­je, às 17h, em ‘Va­le a Pe­na Ver de No­vo’, na Glo­bo.

“A gen­te de­se­ja­va mui­to que a no­ve­la fos­se re­pri­sa­da. E acho que era um de­se­jo de to­dos que tra­ba­lha­ram ne­la. Fo­mos mui­to fe­li­zes em ‘Cor­del’. E o pú­bli­co tam­bém cur­tiu, pois lem­bra com mui­to ca­ri­nho da no­ve­la”, co­me­mo­ra Du­ca.

Foi em ‘Cor­del En­can­ta­do’, exi­bi­da em 2011, que Do­min­gos Mon­tag­ner (mor­to em 2016, quan­do es­ta­va em São Fran­cis­co pa­ra as gra­va­ções da no­ve­la ‘Ve­lho Chi­co’, da Glo­bo) fi­cou co­nhe­ci­do pe­lo gran­de pú­bli­co. “Que­ria mui­to que ele es­ti­ves­se aqui com a gen­te, fes­te­jan­do es­sa reprise”, diz Thel­ma Guedes. Du­ca Ra­chid rei­te­ra o ta­len­to de Do­min­gos e o ca­ri­nho do pú­bli­co pe­lo seu per­so­na­gem. “Do­min­gos era um ator que já ti­nha uma carreira mui­to con­sis­ten­te no cir­co e no te­a­tro e aca­bou fa­zen­do coi­sas lin­das tam­bém na TV. O tra­ba­lho de­le co­mo Ca­pi­tão Her­cu­la­no fe­liz­men­te es­tá aí pa­ra a gen­te re­ver e ma­tar as sau­da­des”, fri­sa.

Um dos mai­o­res su­ces­sos da fai­xa das 18h, com mé­dia de 30 pon­tos de au­di­ên­cia, a tra­ma ain­da é lem­bra­da com or­gu­lho pe­lo elen­co. “A di­re­to­ra Amo­ra Maut­ner e as au­to­ras fo­ram mui­to fe­li­zes nes­sa no­ve­la, que me traz gran­des re­cor­da­ções. E eu ain­da cri­ei uma re­la­ção es­pe­ci­al com o Re­lâm­pa­go, meu ca­va­lo na tra­ma. Ti­nha um ca­ri­nho enor­me por ele, saía­mos pa­ra pas­se­ar pe­la ci­da­de ce­no­grá­fi­ca nos in­ter­va­los das gra­va­ções”, con­ta Cauã Rey­mond.

A pe­que­na prin­ce­sa Au­ro­ra (Bi­an­ca Bin) nas­ce no rei­no eu­ro­peu de Se­rá­fia do Nor­te e, ain­da be­bê, vi­a­ja com seus pais, rei Augusto (Carmo Dalla Vecchia) e rai­nha Cris­ti­na (Alin­ne Moraes), em uma ex­pe­di­ção ao Nor­des­te do Bra­sil. Sua tia, a mal­va­da Úr­su­la (De­bo­ra Blo­ch), e seu com­par­sa Ni­co­lau (Luiz Fer­nan­do Guimarães) ar­mam uma em­bos­ca­da pa­ra ela e sua mãe, que dei­xa a pe­que­na aos cui­da­dos dos la­vra­do­res Eu­zé­bio (En­ri­que Di­az) e Vir­tu­o­sa (Ana Ce­cí­lia Cos­ta), em Bro­go­dó, du­ran­te fu­ga. Ao ten­tar es­ca­par da ar­ma­di­lha, a car­ro­ça da rai­nha cai de um pe­nhas­co, e ela mor­re.

“Thel­ma e Du­ca cri­a­ram uma história que mis­tu­ra­va os arqué­ti­pos das fá­bu­las in­fan­tis com per­so­na­gens de um Bra­sil pro­fun­do, nor­des­ti­no, tão en­rai­za­do no nos­so ima­gi­ná­rio. A di­re­ção de Amo­ra Maut­ner era lin­da e trou­xe uma lin­gua­gem vi­su­al pa­ra a no­ve­la que mar­cou a to­dos”, de­fen­de De­bo­ra. “Além de um elen­co e equi­pe in­crí­veis, com quem foi um pra­zer tra­ba­lhar. Mi­nha per­so­na­gem era mui­to di­ver­ti­da, usa­va fi­gu­ri­nos lin­dos e lou­cos cri­a­dos pe­la ge­ni­al fi­gu­ri­nis­ta Ma­rie Sa­les. Foi um tra­ba­lho mui­to es­pe­ci­al, uma das no­ve­las de que mais gos­tei de fa­zer”, acres­cen­ta a atriz.

O que foi mais di­fí­cil de fa­zer nes­sa no­ve­la? “’Cor­del’ foi uma tra­ma es­pe­ci­al­men­te pra­ze­ro­sa de es­cre­ver. A úni­ca coi­sa di­fí­cil era, co­mo em to­da pro­du­ção lon­ga co­mo no­ve­la, evi­tar que a tra­ma ar­re­fe­ces­se, que per­des­se o rit­mo, o fris­son, o sus­pen­se. Du­ca e eu que­ría­mos man­ter o tem­po to­do a história no al­to. Aliás, co­mo sem­pre ten­ta­mos fa­zer. E is­so dá mui­to tra­ba­lho. Mas va­leu mui­to a pe­na”, vi­bra Thel­ma Guedes.

“Cor­del foi uma no­ve­la mui­to lin­da, que mis­tu­ra­va per­so­na­gens da nos­sa cul­tu­ra po­pu­lar com con­tos de fa­das! Foi uma hon­ra in­ter­pre­tar um per­so­na­gem ins­pi­ra­do em Di­a­do­rim, per­so­na­gem icô­ni­co de Guimarães Ro­sa” NATHALIA DILL (DORA/FUBÁ)

“Uma união de gran­des qua­li­da­des! Um en­con­tro de arte com ‘A’ maiús­cu­lo, um mar­co na vi­da pro­fis­si­o­nal de to­dos nós! Uma no­ve­la que an­si­o­sa­men­te lía­mos, di­ver­ti­da­men­te re­a­li­zá­va­mos e em­be­ve­ci­da­men­te as­sis­tía­mos! E, com or­gu­lho, va­mos re­ver!” MARCOS CARUSO (PATÁCIO)

“Sem dú­vi­da um dos me­lho­res per­so­na­gens da mi­nha vi­da. Co­mo eu me di­ver­ti fa­zen­do o Ti­mo­ti­nho Ca­bral. Até ho­je me per­gun­tam sobre ele” BRU­NO GA­GLI­AS­SO (TIMÓTEO)

“A no­ve­la mais lin­da que já fiz e com um tex­to pri­mo­ro­so das que­ri­das Du­ca Ra­chid e Thel­ma Guedes” CARMO DALLA VECCHIA (AUGUSTO)

GLO­BO/JOÃO MIGUEL JÚ­NI­OR

FOTOS GLO­BO/ZÉ PAU­LO CARDEAL

Aci­ma, ce­nas com Do­min­gos Mon­tag­ner. À esq. e abai­xo, Cauã Rey­mond e Bi­an­ca Bin; De­bo­ra Blo­ch e Luiz Fer­nan­do Guimarães

GLO­BO/RE­NA­TO RO­CHA MI­RAN­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.