POR­TE­LA TUPINAMBÁ

Car­na­va­les­cos pre­pa­ram des­fi­le com re­cur­sos high-te­ch pa­ra fa­lar de tra­di­ção no Sam­bó­dro­mo

O Dia - - FRONT PAGE - LU­A­NA DANDARA lu­a­[email protected]

Mai­or cam­peã do Car­na­val le­va­rá à Sa­pu­caí a his­tó­ria dos ín­di­os que vi­vi­am nas ter­ras ca­ri­o­cas há 2.000 anos, um pa­raí­so tro­pi­cal.

Co­nhe­ci­dos por uma es­té­ti­ca mo­der­na, os car­na­va­les­cos Re­na­to e Már­cia La­ge que­rem im­pri­mir sua mar­ca lo­go na aber­tu­ra do des­fi­le da Por­te­la. Es­tre­an­do na agre­mi­a­ção de Oswaldo Cruz e Ma­du­rei­ra, o ca­sal pre­mi­a­do le­va­rá pa­ra a Sa­pu­caí uma águia high-te­ch, com re­fe­rên­ci­as in­dí­ge­nas, em abre-alas aco­pla­do. O des­fi­le da mai­or cam­peã do Car­na­val, so­bre os ín­di­os que vi­vi­am em ter­ras ca­ri­o­cas há 2 mil anos, pro­me­te ser cheio de cor e fan­ta­sia.

“Tra­ta­mos plas­ti­ca­men­te co­mo o ima­gi­ná­rio des­se pa­raí­so. O es­ti­lo high-te­ch vi­rá na águia, mas com uma tec­no­lo­gia tu­pi­ni­quim. O mo­vi­men­to tem um efei­to mui­to ba­ca­na”, re­ve­la Már­cia. “Ho­nes­ta­men­te, a gen­te nun­ca co­gi­tou en­trar pa­ra a Por­te­la. Achá­va­mos que a es­co­la ti­nha uma ou­tra li­nha de car­na­va­les­cos e de en­re­dos. Mas não tem na­da a ver, a gen­te se adap­ta. Foi um en­con­tro ma­ra­vi­lho­so, a re­a­ção dos por­te­len­ses, o samba... en­tra­mos com o pé di­rei­to”, com­ple­ta a car­na­va­les­ca.

O en­re­do ‘Gu­a­ju­piá, ter­ra sem ma­les’ foi ins­pi­ra­do no li­vro ‘Rio an­tes do Rio’, do jor­na­lis­ta Ra­fa­el Frei­tas. Se­gun­do Már­cia, Gu­a­ju­piá sig­ni­fi­ca o ‘Olim­po dos Tu­pi­nam­bás’.

“Quan­do os ín­di­os che­gam ao Rio de Ja­nei­ro e en­con­tram es­sa pai­sa­gem far­ta, com fau­na, flo­ra e água in­to­ca­das, acha­ram que aqui era o pa­raí­so. Por is­so, bus­ca­mos uma lin­gua­gem que se ade­quas­se ao pró­prio ima­gi­ná­rio dos tu­pi­nam­bás, fu­gin­do da vi­são do bran­co so­bre o ín­dio”, ex­pli­ca ela. “Is­so vem ao en­con­tro de uma es­té­ti­ca que te­mos, mais mo­der­na, lim­pa e li­ne­ar. De­mos um tra­ta­men­to grá­fi­co pa­ra as fan­ta­si­as e ale­go­ri­as”.

En­tre os te­mas que se­rão abor­da­dos no des­fi­le es­tão a al­deia Ka­ri­o­ca, que ia do Cen­tro até o bair­ro de La­ran­jei­ras, e a fes­ta do Cauim, uma bebida al­coó­li­ca tra­di­ci­o­nal dos po­vos in­dí­ge­nas. Uma ale­go­ria com gran­di­o­sas es­cul­tu­ras de on­ças, ara­ras azuis, en­tre ou­tros ani­mais, pro­me­te im­pres­si­o­nar.

Úl­ti­ma es­co­la a des­fi­lar no do­min­go (23), a Por­te­la vai apos­tar em tons cí­tri­cos pa­ra des­per­tar o pú­bli­co. “Op­ta­mos por um co­lo­ri­do pa­ra ex­plo­dir à luz do dia. A gen­te qu­er acordar o pú­bli­co”, diz Már­cia La­ge.

So­bre a ex­pec­ta­ti­va do 23º cam­pe­o­na­to pa­ra a Azul e Bran­ca, a car­na­va­les­ca acre­di­ta que o se­gre­do da vi­tó­ria é “não ter ex­pec­ta­ti­va”: “Es­ta­mos em uma es­co­la inusitada, em uma no­va fa­se, is­so traz um fres­cor. O te­ma de­man­da uma plas­ti­ci­da­de que nós sen­ti­mos con­for­tá­veis. Es­ta­mos fa­zen­do o nos­so me­lhor”, des­ta­ca ela.

Car­na­va­les­ca Már­cia La­ge po­sa com uma das fan­ta­si­as da Por­te­la: co­res for­tes e cí­tri­cas es­ta­rão pre­sen­tes pa­ra des­per­tar o pú­bli­co no des­fi­le da es­co­la, no ama­nhe­cer do do­min­go (23)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.