BOL­SO­NA­RO GA­NHA OU PER­DE?

Mi­nis­tro Celso de Mello, de­ca­no do STF, li­be­rou as ima­gens e ne­las, em meio a palavrões e gri­tos, via-se um Ser­gio Mo­ro acu­a­do. Mi­nis­tro da Edu­ca­ção diz que por ele pren­de­ria to­dos do Su­pre­mo

O Dia - - FRONT PAGE - MARTHA IMENES martha.imenes@odia.com.br

Eu não pos­so ser sur­pre­en­di­do com no­tí­ci­as. Pô, eu te­nho a PF que não me dá in­for­ma­ções”

Eu te­nho as in­te­li­gên­ci­as das For­ças Ar­ma­das que não te­nho in­for­ma­ções; a Abin tem os seus pro­ble­mas, te­nho al­gu­mas in­for­ma­ções”

O meu particular fun­ci­o­na. Os que têm ofi­ci­al­men­te, de­sin­for­mam... Pre­fi­ro não ter in­for­ma­ção do que ser de­sin­for­ma­do por sis­te­ma de in­for­ma­ções que eu te­nho”

Já ten­tei tro­car gen­te da segurança nos­sa no Rio de Ja­nei­ro, ofi­ci­al­men­te, e não con­se­gui! E is­so aca­bou”

Eu não vou es­pe­rar f... a mi­nha fa­mí­lia to­da, de sa­ca­na­gem, ou ami­gos meus, por­que eu não pos­so tro­car al­guém da segurança na pon­ta da li­nha que per­ten­ce a es­tru­tu­ra nos­sa. Vai tro­car!”

Li­be­ra­do pe­lo STF, ví­deo da reunião mi­nis­te­ri­al de 22 de abril, ci­ta­da pe­lo ex­mi­nis­tro Ser­gio Mo­ro co­mo pro­va de in­ter­fe­rên­cia do presidente Jair Bol­so­na­ro na Po­lí­cia Fe­de­ral, re­ve­la mui­to mais e po­de am­pli­ar in­ves­ti­ga­ção.

Se não pu­der tro­car, tro­ca o che­fe de­le! Não po­de tro­car o che­fe de­le? Tro­ca o mi­nis­tro! E pon­to fi­nal! Não es­ta­mos aqui pra brin­ca­dei­ra”

Se não pu­der tro­car, tro­ca o che­fe de­le! Não po­de tro­car o che­fe de­le? Tro­ca o mi­nis­tro! E pon­to fi­nal! Não es­ta­mos aqui pra brin­ca­dei­ra” JAIR BOL­SO­NA­RO Presidente Eu por mim bo­ta­va es­ses va­ga­bun­dos to­dos na ca­deia, co­me­çan­do com o STF” Abraham Weintraub Mi­nis­tro Na reunião do dia 22 de abril há a com­pro­va­ção de que o presidente in­ter­fe­riu na Po­lí­cia Fe­de­ral”

MANOEL PEIXINHO Ad­vo­ga­do

Após mui­ta ex­pec­ta­ti­va, o mi­nis­tro Celso de Mello, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), di­vul­gou o ví­deo da reunião mi­nis­te­ri­al do dia 22 de abril, que po­de com­pro­var as acu­sa­ções do ex-mi­nis­tro da Jus­ti­ça Ser­gio Mo­ro de que o presidente Jair Bol­so­na­ro ten­tou in­ter­fe­rir po­li­ti­ca­men­te no co­man­do da Po­lí­cia Fe­de­ral. Re­che­a­do de palavrões, que não ca­be­ri­am a um presidente da Re­pú­bli­ca, o ví­deo não foi di­vul­ga­do na ín­te­gra por ques­tões di­plo­má­ti­cas. A Pro­cu­ra­do­ri­aGe­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) e Ad­vo­ca­ci­aGe­ral da União (AGU) ha­vi­am pe­di­do res­tri­ções ao Su­pre­mo. Já a de­fe­sa de Mo­ro so­li­ci­tou a di­vul­ga­ção na ín­te­gra do ví­deo, que dei­xa­ria cla­ro o “tom au­to­ri­tá­rio” de Bol­so­na­ro.

O presidente re­cla­ma da in­for­ma­ção que re­ce­be, diz que a de­le é me­lhor do que a dos ór­gãos que são res­pon­sá­veis por is­so, co­mo o Ga­bi­ne­te de Segurança Ins­ti­tu­ci­o­nal, Abin, e Po­lí­cia Fe­de­ral. Ele diz que o ser­vi­ço de in­for­ma­ção das agên­ci­as é uma ver­go­nha. “Eu te­nho po­der e foi in­ter­fe­rir em to­dos os mi­nis­té­ri­os, sem ex­ce­ção”, diz.

E con­ti­nua adis pa­rar:“éap.ot em­po to­do pram e atin­gir, me­xen­do co ma­mi­nha fa­mí­lia. Já ten­tei tro­car gen­te da segurança nos sa­no R io­de Ja­nei­ro, ofi­ci­al­men­te, e não con­se­gui! E is­so aca­bou. Eu nã ovou es­pe­rarf.a mi­nha fa­mí­lia to­da, de sa­ca­na­gem, ou ami­gos meu, por­que eu não pos­so tro­car al­guém da segurança na pon­ta da li­nha que per­ten­ce a es­tru­tu­ra nos­sa. Vai tro­car! Se não pu­der tro­car, tro­ca o che­fe de­le! Não po­de tro­car o che­fe de­le? Tro­ca o mi­nis­tro! E pon­to fi­nal! Não es­ta­mos aqui pra brin­ca­dei­ra.” O que se viu no ví­deo foi um mi­nis­tro Mo­ro de ca­be­ça bai­xa.

Es­sa foi a ar­gu­men­ta­ção de Mo­ro so­bre a in­ter­fe­rên­cia po­lí­ti­ca na PF. O presidente in­ter­fe­riu na segurança do Rio: ele pro­mo­veu o che­fe da segurança pes­so­al de­le eco­lo­cou no lu­gar o2ºd opos­to. Ou se­ja, ele me­xeu na sua segurança sem ne­nhu­ma di­fi­cul­da­de.

Em um cer­to pon­to do ví­deo, Bol­so­na­ro de­fen­de ar­mar to­da a população. “Co­mo é fá­cil im­por uma di­ta­du­ra no Bra­sil por is­so qu­e­ro que o po­vo se ar­me, pra não ter di­ta­du­ra, pra não vir um bos­ta de pre­fei­to e iso­lar em ca­sa”, diz aos ber­ros. “Oque os­car as que­re mé a nos­sa he­mor­roi­da, a nos­sa li­ber­da­de. Oque es­se bos­ta do go­ver­na­dor de São Pau­lo, o es­tru­me

do Rio”, dis­se se re­fe­rin­do a João Do­ria e Wil­son Wit­zel.

E dis­pa­rou: “Qu­e­ro dar um p. dum re­ca­do pra es­ses bos­tas, por­que que es­tou ar­man­do o po­vo, pra não ter di­ta­du­ra. Quem não acei­tar mi­nhas ban­dei­ras, fa­mí­lia, Deus, Bra­sil, ar­ma­men­to, li­ber­da­de, es­pe­re 2022. Eu qu­e­ro to­do mun­do ar­ma­do. O po­vo ar­ma­do ja­mais se­rá es­cra­vi­za­do.”

Rai­vo­so, o mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Abraham Weintraub, diz que é pre­ci­so “aca­bar com es­sa por­ca­ria que é Bra­sí­lia, is­so é um can­cro, é mui­to pi­or do que eu es­pe­ra­va”. “O po­vo não es­tá gri­tan­do por mais Es­ta­do, mais pro­je­tos, o po­vo es­tá gri­tan­do por li­ber­da­de e a gen­te tá per­den­do is­so. Eu por mim bo­ta­va es­ses va­ga­bun­dos to­dos na ca­deia, co­me­çan­do com o STF”.

Dan­do con­ti­nui­da­de Weintraub diz: “Odeio o par­ti­do co­mu­nis­ta, odeio o ter­mo po­vos in­dí­ge­nas, só tem um po­vo, não qu­er sai de ré, é o po­vo bra­si­lei­ro”. Se­gun­do o ad­vo­ga­do Manoel Peixinho, es­pe­ci­a­lis­ta em Ges­tão Pú­bli­ca e pro­fes­sor da PUC-RJ, a de­cla­ra­ção de Weintraub po­de­rá en­se­jar a de­nún­cia por prá­ti­ca de cri­me. E fi­na­li­za: “Na reunião do dia 22 de abril há a com­pro­va­ção de que o presidente in­ter­fe­riu na Po­lí­cia Fe­de­ral”.

MAR­COS COR­RÊA/PR

Gra­va­ção é pe­ça ana­li­sa­da em ação so­bre su­pos­ta in­ter­fe­rên­cia do presidente Jair Bol­so­na­ro na Po­lí­cia Fe­de­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.