Al­co­o­lis­mo bem en­ce­na­do

O Diário do Norte do Paraná - - O DIÁRIO DO NORTE DO PARANÁ - Wi­la­me Prado

wi­la­[email protected]­a­rio.com Se­ria mes­mo mui­to di­fí­cil ti­rar o ou­ro de Da­ni­el Day-Lewis após a atu­a­ção im­pe­cá­vel em “Lin­coln”. Se hou­ves­se, po­rém, se­gun­do co­lo­ca­do na ca­te­go­ria Me­lhor Ator do Os­car, Den­zel Washing­ton me­re­ce­ria a me­da­lha de pra­ta na ce­rimô­nia exi­bi­da no úl­ti­mo do­min­go. Na pe­le de Whip, pi­lo­to de avião al­co­o­lis­ta e apre­ci­a­dor de co­caí­na pa­ra re­ba­ter as res­sa­cas ho­mé­ri­cas em ple­no ex­pe­di­en­te so­bre­vo­an­do nas nu­vens, o ator fez do fil­me “O Voo”, de Ro­bert Ze­mec­kis, um óti­mo mo­ti­vo pa­ra se sair de ca­sa e ir ao ci­ne­ma.

É no ci­ne­ma, com te­la gran­de e som de qua­li­da­de, que o es­pec­ta­dor nem ve­rá pas­sar a pri­mei­ra meia ho­ra do fil­me, re- che­a­da de sus­pen­se e emo­ção em ce­nas de um avião – sob co­man­do do pi­lo­to Whip al­co­o­li­za­do e ain­da sob efei­to de dro­gas, que pas­sou a noi­te em cla­ro se di­ver­tin­do com a ae­ro­mo­ça – en­fren­tan­do pro­ble­mas me­câ­ni­cos, pa­ne, que­da e pou­so for­ça­do. Tudo pas­sa mui­to rá­pi­do e é pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel não se dei­xar en­vol­ver com o dra­ma da si­tu­a­ção ini­ci­al.

Mas re­al­men­te é só o co­me­ço. O que há de me­lhor em “O Voo” é o mo­do co­mo o pro­ta­go­nis­ta as­su­me o de­sa­fio de vi­ver o dra­ma de um ho­mem que, mes­mo ten­do de­mons­tra­do ser um exí­mio pi­lo­to de avião, vê-se cer­ca­do pe­la pres­são da im­pren­sa, dos tri­bu­nais e do ad­vo­ga­do do sin­di­ca­to dos pi­lo­tos após a tra­gé­dia com a ae­ro­na­ve. Den­zel Washing­ton con­ven­ce em ce­nas de al­guém di­vi­di­do en­tre a so­bri­e­da­de e as qua­se im­ba­tí­veis re­caí­das de qu­em ten­ta pa­rar de be­ber.

Pa­ra is­so, aca­ba re­ce­ben­do a aju­da de al­guém que, em prin­cí­pio, não con­se­gui­ria aju­dar nin­guém em mui­ta coi­sa: uma vi­ci­a­da em dro­gas in­je­tá­veis que ten­ta mu­dar seus há­bi­tos de vi­da. Whip co­nhe­ce Ni­co­le (Kelly Reilly) no hos­pi­tal on­de se re­cu- pe­ra do aci­den­te e on­de ela se re­a­bi­li­ta após uma over­do­se. O ro­man­ce dos dois, as­sim co­mo um ho­mem que ten­ta pa­rar de be­ber, é mar­ca­do por re­caí­das. Um al­coó­la­tra ge­ral­men­te não se con­ten­ta com o jul­ga­men­to de ou­tras pes­so­as, ain­da mais quan­do vem de ou­tros vi­ci­a­dos. E is­so pre­ju­di­ca a re­la­ção dos dois, que fi­ca em se­gun­do pla­no no fil­me.

A tra­ma se re­ve­la per­ti­nen­te prin­ci­pal­men­te por le­van­tar ques­tões en­vol­ven­do os ví­ci­os das pes­so­as e a ma­nei­ra co­mo elas li­dam com is­so quan­do pre­ci­sam con­ci­li­ar os efei­tos des­ses ví­ci­os com o tra­ba­lho. O dra­ma do pi­lo­to Whip, co­mo na mai­o­ria dos ca­sos de qu­em é al­co­o­lis­ta, en­vol­ve o fa­tí­di­co afas­ta­men­to da mu­lher e dos fi­lhos e a di­fi­cul­da­de de qu­em be­be em re­co­nhe­cer o ví­cio co­mo do­en­ça. Na ce­na em que ele es­bra­ve­ja com sua na­mo­ra­da ex-vi­ci­a­da, di­zen­do que “es­co­lheu a be­bi­da”, is­so fi­ca mui­to cla­ro. Pa­ra o al­co­o­lis­ta, be­ber é uma es­co­lha, um mo­do de vi­ver, e não uma do­en­ça.

Além da in­di­ca­ção pa­ra Den­zel Washing­ton, “O Voo” tam­bém ren­deu in­di­ca­ção ao ro­tei­ris­ta John Ga­tins, na ca­te­go­ria Ro­tei­ro Ori­gi­nal. Ain­da jo­vem, Ga­tins so­freu com a de­pen­dên­cia do ál­co­ol na ado­les­cên­cia e jus­ta­men­te por is­so con­se­guiu re­pas­sar pa­ra a his­tó­ria ri­que­za de de­ta­lhes en­vol­ven­do os há­bi­tos de qu­em be­be e de qu­em ten­ta pa­rar de be­ber. No fil­me, o que fi­ca cla­ro é que, in­de­pen­den­te­men­te das su­as qua­li­da­des e seus êxi­tos, o al­co­o­lis­ta sem­pre se­rá lem­bra­do pri­mei­ra­men­te pe­la sua fra­que­za com o ál­co­ol.

O di­re­tor Ro­bert Ze­mec­kis, dos sucessos “For­rest Gump” e “Náu­fra­go” tam­bém acer­ta em “O Voo” ao pro­du­zir um fil­me in­qui­e­tan­te em to­das as ce­nas: a tur­bu­lên­cia dos dra­mas da vi­da não dei­xa o es­pec­ta­dor pis­car os olhos no fil­me na­da en­te­di­an­te. O des­fe­cho da his­tó­ria, no en­tan­to, en­fa­ti­za uma re­den­ção pou­ca vis­ta nas ce­nas da vi­da re­al. O al­co­o­lis­ta, mes­mo sen­do o pro­ta­go­nis­ta de uma his­tó­ria, as­sim co­mo em “O Voo”, di­fi­cil­men­te con­se­gue re­cu­pe­rar o pa­pel de mo­ci­nho ou he­rói.

Divulgação

Den­zel Washing­ton, em “O Voo”: atu­a­ção ren­deu in­di­ca­ção ao Os­car

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.