Es­treia no Bra­sil

Ten­cent, a ‘dis­cre­ta’ gi­gan­te de tec­no­lo­gia.

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - Ma­ri­a­na Li­ma

Exis­te uma pre­mis­sa no mer­ca­do de tec­no­lo­gia: quan­to mais in­se­ri­da no dia a dia dos usuá­ri­os, mais for­te é a com­pa­nhia. Foi se­guin­do es­sa re­gra – com ne­gó­ci­os que vão de apli­ca­ti­vos de pa­ga­men­to e men­sa­gens ins­tan­tâ­ne­as a re­des so­ci­ais – que a chi­ne­sa Ten­cent se tor­nou, em 20 anos, o se­gun­do mai­or con­glo­me­ra­do de tec­no­lo­gia do país, atrás ape­nas do Ali­ba­ba. Ava­li­a­da em US$ 348 bi­lhões, a gi­gan­te asiá­ti­ca es­tre­ou na se­ma­na pas­sa­da no mer­ca­do bra­si­lei­ro: com um apor­te de US$ 180 mi­lhões no Nu­bank, trans­for­mou a fin­te­ch na star­tup mais va­li­o­sa da Amé­ri­ca La­ti­na.

No car­dá­pio de ne­gó­ci­os ofe­re­ci­do pe­la Ten­cent aos chi­ne­ses há o QQ, um apli­ca­ti­vo de men­sa­gem ins­tan­tâ­nea tão po­pu­lar no país co­mo o WhatsApp é ho­je no Bra­sil, a Ten­cent Mu­sic, mai­or pla­ta­for­ma de stre­a­ming de mú­si­ca, se­me­lhan­te ao Spo­tify no mun­do, e o WeChat, apli­ca­ti­vo que fun­ci­o­na co­mo hub de re­de so­ci­al, men­sa­gens ins­tan­tâ­ne­as e mei­os de pa­ga­men­tos di­gi­tais.

Além dos pro­du­tos pró­pri­os, a em­pre­sa cha­ma a aten­ção por ser uma for­te in­ves­ti­do­ra. Es­ti­ma-se que o seu fun­do, a Ten­cent Hol­dings, te­nha in­ves­ti­do US$ 30 bi­lhões em em­pre­sas pe­lo mun­do en­tre 2015 e 2017. Na lis­ta de com­pa­nhi­as glo­bais que re­ce­be­ram apor­tes há no­mes co­mo Spo­tify, Snap e Tes­la – além de inú­me­ros es­tú­di­os de ga­mes, co­mo Ubi­soft e Ac­ti­vi­si­on (leia mais abai­xo).

Ape­sar do ta­ma­nho e da in­fluên­cia no mer­ca­do chi­nês, a em­pre­sa é pou­co co­nhe­ci­da fo­ra do país na­tal, mui­to em ra­zão de sua estratégia de ex­pan­são. “A Ten­cent tem se ex­pan­di­do pe­lo mun­do por meio de in­ves­ti­men­tos e aqui­si­ções de em­pre­sas e opta por não tro­car a mar­ca já exis­ten­te”, ex­pli­ca Eduardo To­miya, pre­si­den­te da Kan­tar Con­sul­ting pa­ra Amé­ri­ca La­ti­na, cu­jo úl­ti­mo ran­king BrandZ Top 100 Glo­bal mos­trou a em­pre­sa co­mo a mar­ca mais va­li­o­sa na Chi­na e a quin­ta do mun­do – mui­to por con­ta do ta­ma­nho da po­pu­la­ção chi­ne­sa.

Tra­je­tó­ria. A his­tó­ria da com­pa­nhia te­ve iní­cio em 1998, quan­do Ma Hu­a­teng, en­tão fun­ci­o­ná­rio de uma em em­pre­sa de te­le­co­mu­ni­ca­ção, de­ci­diu co­pi­ar o fa­mo­so pro­gra­ma de tro­ca de men­sa­gens ins­tan­tâ­ne­as de Is­ra­el, o ICQ. Em um ano, sua ver­são, o ICQO, já ti­nha 1 mi­lhão de usuá­ri­os ati­vos e foi al­vo de in­te­res­se do go­ver­no, que se tor­nou só­cio da com­pa­nhia. Em 2004, já re­ba­ti­za­da co­mo Ten­cent, a em­pre­sa abriu ca­pi­tal em Hong Kong, ga­ran­tin­do até o ano pas­sa­do um re­tor­no de 67.000% aos aci­o­nis­tas e trans­for­man­do Hu­a­teng no ho­mem mais ri­co da Chi­na.

O mo­men­to, no en­tan­to, não é dos me­lho­res pa­ra a com­pa­nhia, que per­deu US$ 200 bi­lhões em va­lor en­tre ja­nei­ro e ou­tu­bro. O re­vés co­me­çou no iní­cio do ano, quan­do in­ves­ti­do­res pas­sa­ram a se pre­o­cu­par com ava­li­a­ções in­con­sis­ten­tes das em­pre­sas de tec­no­lo­gia, der­ru­ban­do as ações do se­tor em to­do o mun­do.

Em se­gui­da, o anún­cio de que te­ria mar­gens menores de lu­cro de­sen­ca­de­ou uma on­da de ven­da dos pa­péis da em­pre­sa. E, por fim, co­me­çou a so­frer com o au­men­to das res­tri­ções re­gu­la­tó­ri­as pa­ra a apro­va­ção de lan­ça­men­to de jo­gos na Chi­na, que pre­ci­sa do aval do go­ver­no. As re­gras mais du­ras fi­ze­ram a com­pa­nhia re­gis­trar no se­gun­do tri­mes­tre a pri­mei­ra que­da no lu­cro em dez anos.

Emer­gen­tes. Ape­sar do 1 bi­lhão de con­su­mi­do­res do mer­ca­do in­ter­no, é no Oci­den­te que es­tá a apos­ta da em­pre­sa pa­ra con­ti­nu­ar cres­cen­do – em es­pe­ci­al nos paí­ses emer­gen­tes. Pa­ra Ot­to No­ga­mi, pro­fes­sor de eco­no­mia do Ins­per, o fo­co nes­ses paí­ses é uma ten­dên­cia en­tre as chi­ne­sas. “Elas de­mo­ra­ram pa­ra sair do país, mas ago­ra que­rem ga­nhar es­pa­ço em mer­ca­dos até en­tão do­mi­na­dos pe­los EUA”, diz. “A fa­vor de­las, pe­sa o preço mais bai­xo, fa­tor cru­ci­al nos emer­gen­tes.”

Do apor­te na bra­si­lei­ra Nu­bank, anun­ci­a­do na terça-fei­ra, US$ 90 mi­lhões se­rão in­ves­ti­dos na em­pre­sa, en­quan­to ou­tros US$ 90 mi­lhões se­rão usa­dos pa­ra com­prar a par­ti­ci­pa­ção de aci­o­nis­tas – ao to­do, a chi­ne­sa de­ve fi­car com cer­ca de 5% da fin­te­ch.

Pa­ra Mi­guel de Car­va­lho, pro­fes­sor de eco­no­mia da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro (UFRJ), o in­ves­ti­men­to na star­tup bra­si­lei­ra é mo­vi­do pe­lo in­te­res­se dos chi­ne­ses em es­ta­rem pre­sen­tes em se­to­res es­tra­té­gi­cos. “No Bra­sil, a atu­a­ção chi­ne­sa é for­te em áre­as co­mo pe­tró­leo e ener­gia. Com o in­ves­ti­men­to da Ten­cent (que tem 40% de seu ca­pi­tal nas mãos do go­ver­no), os chi­ne­ses abrem ca­mi­nho pa­ra se po­si­ci­o­na­rem no mer­ca­do fi­nan­cei­ro.”

O apor­te da Ten­cent é o ter­cei­ro gran­de in­ves­ti­men­to dos chi­ne­ses no se­tor de tec­no­lo­gia bra­si­lei­ro nes­te ano. Em ja­nei­ro, a Di­di Chu­xing com­prou o con­tro­le da 99, star­tup de mo­bi­li­da­de ur­ba­na, por US$ 600 mi­lhões. No mês pas­sa­do, foi a vez do fun­do GGV apor­tar US$ 63 mi­lhões na star­tups de bi­ci­cle­tas Yel­low.

KIM KYUNG-HOON /REUTERS-6/5/2014

Po­tên­cia asiá­ti­ca. Gru­po é o se­gun­do mai­or con­glo­me­ra­do de tec­no­lo­gia da Chi­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.