Uni­ver­so má­gi­co. Agui­nal­do Sil­va é au­tor da no­va no­ve­la ‘O Sé­ti­mo Guardião’.

Agui­nal­do Sil­va fa­la de sua vol­ta ao re­a­lis­mo fan­tás­ti­co na no­ve­la das 9, ‘O Sé­ti­mo Guardião’

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - AGUI­NAL­DO SIL­VA AU­TOR Adri­a­na Del Ré

Agui­nal­do Sil­va é uma fi­gu­ra do­ce, de fa­la tran­qui­la e ri­so fá­cil. Per­nam­bu­ca­no de Car­pi­na, foi re­pór­ter po­li­ci­al, mas se con­sa­grou co­mo no­ve­lis­ta. Faz par­te do pri­mei­ro ti­me de au­to­res da Glo­bo. Quan­do um tra­ba­lho no­vo do au­tor não es­tá no ar, não ra­ro, uma no­ve­la sua é re­pri­sa­da na TV, co­mo ocor­reu com Se­nho­ra do Des­ti­no, que ba­teu re­cor­de de au­di­ên­cia à tar­de ao ser re­e­xi­bi­da no Va­le a Pe­na Ver de No­vo, e com A In­do­ma­da, que po­de ser re­vis­ta atu­al­men­te no ca­nal Vi­va. Ago­ra, Agui­nal­do se de­di­ca a um no­vo fo­lhe­tim, O Sé­ti­mo Guardião, pró­xi­ma tra­ma das 9, pre­vis­ta pa­ra es­tre­ar no dia 12 de no­vem­bro.

A no­ve­la mar­ca a vol­ta de Agui­nal­do ao re­a­lis­mo fan­tás­ti­co, gê­ne­ro que lhe ren­deu su­ces­sos na

TV, co­mo Roque San­tei­ro, Pe­dra So­bre Pe­dra e a pró­pria A In­do­ma­da. Em O Sé­ti­mo Guardião, ele re­tor­na ao uni­ver­so má­gi­co com aque­la lo­ca­li­za­ção ge­o­grá­fi­ca já len­dá­ria em sua obra, que abran­ge as ci­da­des fic­tí­ci­as (e só apa­ren­te­men­te pa­ca­tas) de Gre­en­vil­le, Tu­bi­a­can­ga e Ser­ro Azul. A no­vi­da­de ago­ra é que Ser­ro Azul, até en­tão só ci­ta­da em su­as tra­mas, se­rá ce­ná­rio da no­va no­ve­la.

A his­tó­ria gi­ra em tor­no de um se­gre­do es­con­di­do na fon­te da ci­da­de e guar­da­do com de­vo­ção por se­te guar­diões: Eu­ri­co (Dan Stul­ba­ch), Machado (Mi­lhem Cor­taz), On­di­na (Ana Be­a­triz No­guei­ra), Egí­dio (Antô­nio Cal­lo­ni), Mi­lu (Ze­zé Po­les­sa), Fe­li­ci­a­no (Le­o­pol­do Pa­che­co) e Ara­nha (Pau­lo Ro­cha). À bei­ra da mor­te, o guardião-mor Egí­dio pre­ci­sa­rá ser subs­ti­tuí­do e seu ga­to, Léon, sai em bus­ca de seu su­ces­sor. Xo­dó da tra­ma – e do elen­co –, Léon (vi­vi­do por qua­tro ga­tos da ra­ça Bom­bay, úni­ca que con­se­gue ser ades­tra­da) che­ga a São Pau­lo e es­co­lhe­rá Ga­bri­el (Bruno Ga­gli­as­so), fi­lho que Egí­dio não sa­be exis­tir, fru­to de seu re­la­ci­o­na­men­to com Valentina, in­ter­pre­ta­da por Li­lia Ca­bral – e que pro­me­te ocu­par o pos­to das gran­des vi­lãs de Agui­nal­do, co­mo Na­za­ré Te­des­co e Te­re­za Cristina. O elen­co con­ta ain­da com no­mes co­mo Ma­ri­na Ruy Bar­bo­sa e Tony Ra­mos.

Mo­ran­do há três anos no bair­ro de Hi­gi­e­nó­po­lis, em São Pau­lo, Agui­nal­do re­ce­beu o Es­ta­do na Ca­sa Agui­nal­do Sil­va de Ar­tes, que ele inau­gu­rou em abril, na Vi­la Bu­ar­que. Além dos cur­sos li­vres de in­ter­pre­ta­ção e de ofi­ci­nas de roteiro, o es­pa­ço tem um te­a­tro com 100 lu­ga­res. Ali, na­que­la sa­la in­ti­mis­ta, o au­tor de 75 anos fa­lou so­bre sua no­va no­ve­la, a po­lê­mi­ca en­vol­ven­do o ex-alu­no de uma de su­as ma­ter­clas­ses, Sil­vio Cer­ce­au, que reivindicou os di­rei­tos au­to­rais de O Sé­ti­mo Guardião, e so­bre sua vi­da – e ne­gó­ci­os – em Por­tu­gal.

• O Sé­ti­mo Guardião mar­ca sua vol­ta ao re­a­lis­mo fan­tás­ti­co. É um gê­ne­ro mais po­pu­lar na li­te­ra­tu­ra, no ci­ne­ma e me­nos na TV? É a per­cep­ção que vo­cê tem?

Sim, a TV é mais “re­a­lis­ta” e, de cer­ta for­ma, quem que­brou es­se re­a­lis­mo foi o Di­as Go­mes. Co­mo eu nas­ci no in­te­ri­or do Nor­des­te, nu­ma ci­da­de on­de tem to­das es­sas len­das ab­sur­das, es­sas his­tó­ri­as de Mu­lher de Bran­co, eu ti­nha is­so no meu ima­gi­ná­rio. Quan­do me cha­ma­ram pa­ra fa­zer Roque San­tei­ro, en­trei nes­se uni­ver­so e achei que me mo­vi­men­ta­va bem nis­so. Fiz uma sequên­cia de no­ve­las que fi­ze­ram mui­to su­ces­so com es­sa lin­gua­gem. De­pois, en­trei meio que em cri­se e re­sol­vi ser um au­tor re­a­lis­ta com Se­nho­ra do Des­ti­no. Mas ago­ra per­ce­bi que a re­a­li­da­de bra­si­lei­ra es­tá tão ex­tre­ma­da, que não dá pa­ra vo­cê re­pe­tir is­so nas no­ve­las. E es­se uni­ver­so do re­a­lis­mo má­gi­co per­mi­te que, ao mes­mo tem­po que se­ja crí­ti­co em re­la­ção à re­a­li­da­de, vo­cê saia de­la. En­tão, re­sol­vi vol­tar a is­so.

• En­tão, vo­cê fez pen­san­do mui­to nes­se mo­men­to em que o Bra­sil es­tá vi­ven­do?

É, a no­ve­la tem alu­sões a es­se mo­men­to, mas, ao mes­mo tem­po, ela trans­cor­re num uni­ver­so mui­to par­ti­cu­lar. Por exem­plo, a ci­da­de on­de se pas­sa a his­tó­ria não tem te­le­fo­nia ce­lu­lar. Lá não che­ga o si­nal. Só que, na me­ta­de da no­ve­la exa­ta­men­te, che­ga a te­le­fo­nia ce­lu­lar, por­que a Valentina, per­so­na­gem da Li­lia, põe uma re­de lá, por­que diz que não po­de fi­car sem ce­lu­lar. Le­va­mos 20 anos pa­ra che­gar a es­sa re­vo­lu­ção di­gi­tal na qu­al a gen­te vi­ve ho­je, e nes­sa ci­da­de is­so acon­te­ce em um dia. As pes­so­as que não ti­nham in­ter­net e, de re­pen­te, se ve­em num mun­do no­vo e es­sa ci­da­de tem um gran­de se­gre­do que pre­ci­sa ser guar­da­do. Só que, nes­se no­vo mun­do, não exis­te se­gre­do.

• E sem­pre ou­vi­mos fa­lar de Ser­ro Azul nas su­as no­ve­las e nun­ca a vi­mos. Va­mos ver ago­ra...

Sim, e ago­ra é o con­trá­rio, as pes­so­as vão a Gre­en­vil­le, a Tu­bi­a­can­ga, e eu trou­xe per­so­na­gens, por exem­plo, o Ypi­ran­ga e a Scar­let, que eram de A In­do­ma­da, vi­vi­dos no­va­men­te por Pau­lo Bet­ti e Lui­za To­mé. Mas te­ve um pro­ble­ma sério, por­que o Pau­lo Bet­ti foi es­ca­la­do pa­ra ou­tra no­ve­la. En­tão, vou ter que ti­rar os dois a cer­ta al­tu­ra.

• A per­so­na­gem Valentina já tem até Ins­ta­gram, com su­as fra­ses áci­das. Quem cri­ou es­se per­fil?

É um jor­na­lis­ta que es­tá fa­zen­do. Valentina tal­vez se­ja meu per­so­na­gem mais ex­tre­ma­do, por­que, nes­te mo­men­to em que as coi­sas es­tão meio com­pli­ca­das, vo­cê não po­de fa­lar tan­ta coi­sa, ela fa­la tu­do. Ela po­de, por­que é a vi­lã. Se fos­se per­so­na­gem do bem, não po­dia.

• Vo­cê ti­nha anun­ci­a­do a vol­ta da Na­za­ré Te­des­co na no­ve­la, mas Renata Sor­rah pe­diu pa­ra dei­xar a per­so­na­gem qui­e­ti­nha. Vo­cê fi­cou cha­te­a­do?

Não, pe­lo con­trá­rio, achei que ela es­ta­va cer­ta. Acho que tra­zer a Na­za­ré de vol­ta, sem que ela ti­ves­se o mes­mo im­pac­to que te­ve na ou­tra no­ve­la, se­ria um er­ro. Os ele­men­tos que eu já ti­nha pa­ra o per­so­na­gem, usei na trans. Por­que eu tam­bém es­ta­va mui­to incomodado com es­sa coi­sa de trans nas no­ve­las ser sem­pre mui­to cer­ti­nho, mui­to bem-com­por­ta­do. Acho que, quan­do vo­cê pas­sa por uma trans­for­ma­ção tão ex­tre­ma, vo­cê não po­de de­pois fi­car tí­mi­do, tem que bo­tar pa­ra que­brar. En­tão, eu que­ria fa­zer um per­so­na­gem trans as­sim.

A trans que é in­ter­pre­ta­da pe­la Nany Pe­o­ple?

Sim, mas que eu que­ria que fos­se a Renata (Sor­rah).

• Mas en­trou a ques­tão que di­zem ho­je do lu­gar de fa­la, que­ri­am que vo­cê co­lo­cas­se uma trans, não?

Sim, aí fa­lei pa­ra o Pa­pi­nha (o di­re­tor Ro­gé­rio Go­mes): tu­do bem, me ar­ran­ja uma trans que se­ja tão boa atriz co­mo Renata Sor­rah. Es­ta­va cer­to que ele não ia ar­ran­jar. Não co­nhe­cia a Nany, só ou­via fa­lar. O Pa­pi­nha me man­dou um tes­te, vi e achei sen­sa­ci­o­nal. Per­gun­tei quem era. Ele dis­se que era a Nany. Fa­lei: já es­tá es­co­lhi­da.

• Que­ria fa­lar com vo­cê tam­bém so­bre o fa­to de ex-alu­nos de sua mas­ter­class te­rem rei­vin­di­ca­do au­to­ria des­sa his­tó­ria da no­ve­la.

Na ver­da­de, nin­guém reivindicou. O que hou­ve foi uma sequên­cia de idas de al­gu­mas pes­so­as que nun­ca fo­ram iden­ti­fi­ca­das ao que eu cha­mo de bai­xa mí­dia, que são os pe­que­nos blogs e si­tes, mas nun­ca apa­re­ceu nin­guém que pro­tes­tas­se ofi­ci­al­men­te.

A não ser o Sil­vio (Cer­ce­au)? Pois é, e eu que es­tou pro­ces­san­do ele, por­que ele as­si­nou um con­tra­to que ti­nha uma cláu­su­la de con­fi­a­bi­li­da­de. Mas es­se ca­so es­tá na Jus­ti­ça e nem pos­so fa­lar so­bre is­so.

• Nes­sa mas­ter, vocês che­ga­ram en­tão a fa­lar des­se uni­ver­so do

Sé­ti­mo Guardião?

Sim, ti­nham ele­men­tos, por­que era uma no­ve­la que eu pre­ten­dia fa­zer. En­tão, fo­mos fa­lan­do so­bre is­so ao lon­go da mas­ter, par­tin­do de mim pa­ra eles, o tem­po in­tei­ro. A te­o­ria eu pas­so na prá­ti­ca, eu in­cen­ti­vo os alu­nos

Fi­quei cha­te­a­do, por­que to­do meu tra­ba­lho de no­ve­lis­ta es­ta­va sen­do pos­to em cau­sa”

SO­BRE A PO­LÊ­MI­CA EN­VOL­VEN­DO UM EX-ALU­NO, QUE REIVINDICOU A AU­TO­RIA DE ‘O SÉ­TI­MO GUARDIÃO’

a de­sen­vol­ver cer­tos te­mas que eu co­lo­co. O de­sen­vol­vi­men­to de­les é ou não apro­va­do por mim. Eu já fiz uma mas­ter­class em Por­tu­gal, qua­tro aqui, es­tou fa­zen­do a quin­ta aqui, e nun­ca hou­ve ne­nhum pro­ble­ma, por­que os alu­nos sa­bem qu­al é a fun­ção de­les ali e, além dis­so, as­si­nam to­da a documentação le­gal que li­be­ra o ma­te­ri­al pa­ra mim. O Sil­vio foi o úni­co.

• Li que os no­mes des­ses ex-alu­nos iam apa­re­cer nos cré­di­tos da no­ve­la. É ver­da­de?

Não sei exa­ta­men­te... Quan­do fiz Fi­na Es­tam­pa, foi o mes­mo sis­te­ma, foi uma si­nop­se que a gen­te tra­ba­lhou. A Glo­bo, que não era obri­ga­da a fa­zer is­so, nos cré­di­tos fi­nais do pri­mei­ro ca­pí­tu­lo, ci­tou o no­me des­sas pes­so­as co­mo par­ti­ci­pan­tes da mi­nha mas­ter­class da qu­al saiu a si­nop­se. Pre­su­mo que is­so vai acon­te­cer tam­bém ago­ra.

• Sua vi­da es­tá di­vi­di­da en­tre Rio, São Pau­lo e Lis­boa. Vo­cê pen­sa em fi­car mais tem­po em Por­tu­gal em al­gum mo­men­to?

Te­nho ne­gó­ci­os lá, te­nho ho­tel, dois res­tau­ran­tes (em Óbi­dos ). Já sou por­tu­guês. Mas acho que um es­cri­tor não po­de se afas­tar (de seu país). Vo­cê fi­ca es­tran­gei­ro em sua pró­pria obra.

Vo­cê tam­bém tem um hos­tel lá, cer­to?

Sim, em fren­te ao meu ho­tel, ti­nha uma ca­sa enor­me e os do­nos a co­lo­ca­ram à ven­da, e per­ce­bi que cor­ria o ris­co de al­guém abrir um pe­que­no ho­tel na fren­te do meu. Pa­ra evi­tar is­so, com­prei e fiz o hos­tel. Não tem hos­tel den­tro das mu­ra­lhas, a ga­ro­ta­da fi­ca du­ran­te o dia ali, mas de­pois sai. Decidi fa­zer lá den­tro. Fi­ca lo­ta­do to­do dia.

Pen­sa em in­ves­tir em mais ne­gó­ci­os lá?

Não, eu que­ria ter uma quin­ta pa­ra fa­bri­car vi­nhos, mas me dis­se­ram que as vi­dei­ras pre­ci­sa­ri­am de, pe­lo me­nos, 6 anos pa­ra dar fru­to. Não pos­so mais es­pe­rar 6 anos. Sa­be aque­la por­ta on­de es­tá es­cri­to saí­da e tem uma fi­la? Já es­tou nes­sa fi­la (ri­sos).

Me mu­dei pa­ra São Pau­lo. Eu mo­ra­va em Co­pa­ca­ba­na, era o me­lhor lu­gar pa­ra pes­so­as da ter­cei­ra ida­de vi­ve­rem. Is­so até uns 8 anos, quan­do sur­gi­ram ar­ras­tões, mui­ta vi­o­lên­cia”

TI­A­GO QU­EI­ROZ/ES­TA­DÃO

Fa­ce­tas de Agui­nal­do. Au­tor con­sa­gra­do, é tam­bém es­cri­tor e em­pre­sá­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.