Um pac­to pe­la go­ver­na­bi­li­da­de

O Estado de S. Paulo - - Pri­mei­ra Pá­gi­na -

A pro­pos­ta de um pac­to en­tre os Três Po­de­res me­re­ce ser dis­cu­ti­da.

Di­an­te da ra­di­ca­li­za­ção da cam­pa­nha pe­la Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca nas se­ma­nas que an­te­ce­de­ram o pri­mei­ro tur­no e do ris­co de que ela se agra­ve ain­da mais no se­gun­do tur­no, o pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, propôs um pac­to re­pu­bli­ca­no en­tre os Três Po­de­res, pa­ra evi­tar a di­vi­são da so­ci­e­da­de e as­se­gu­rar a go­ver­na­bi­li­da­de, se­ja quem for o pre­si­den­te elei­to.

O mi­nis­tro to­ca nes­se te­ma pe­la se­gun­da vez. A pri­mei­ra foi em seu discurso de pos­se, em 13 de se­tem­bro. Du­as se­ma­nas de­pois, ele se ofe­re­ceu pa­ra ini­ci­ar o diá­lo­go e afir­mou e que só o “ca­mi­nho do meio” pro­pi­ci­a­rá as con­di­ções po­lí­ti­cas pa­ra que o pró­xi­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pos­sa exer­cer seu man­da­to sem en­fren­tar âni­mos acir­ra­dos e pro­tes­tos nas ru­as. A atu­a­ção do STF po­de evi­tar que o Bra­sil “ca­po­te” ou­tra vez, dis­se Tof­fo­li, co­mo ocor­reu du­ran­te as tur­bu­lên­ci­as após o sui­cí­dio de Ge­tú­lio Var­gas, em 1954, e na es­ca­la­da da in­fla­ção no go­ver­no Sar­ney, na dé­ca­da de 1980.

Vin­da do pre­si­den­te de um Po­der que de­ve ser isen­to e im­par­ci­al por prin­cí­pio, a pro­pos­ta me­re­ce ser dis­cu­ti­da. Afi­nal, com um dé­fi­cit pri­má­rio pre­vis­to em R$ 139 bi­lhões pa­ra 2019 e uma Lei de Di­re­tri­zes Or­ça­men­tá­ri­as apro­va­da pe­lo Con­gres­so que pre­vê que as des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as con­su­mi­rão 93% do Or­ça­men­to da União, o ven­ce­dor do se­gun­do tur­no cor­re­rá o ris­co de ter seu go­ver­no ame­a­ça­do no dia se­guin­te ao de sua pos­se, se o cli­ma de ra­di­ca­li­za­ção per­du­rar.

Ba­se­a­dos em dis­cus­sões ob­je­ti­vas, sem im­po­si­ções e fun­da­dos na boa-fé de seus sig­na­tá­ri­os, pac­tos são acor­dos des­ti­na­dos a evi­tar rup­tu­ras ins­ti­tu­ci­o­nais, a as­se­gu­rar a tran­si­ção de re­gi­mes di­ta­to­ri­ais pa­ra re­gi­mes de­mo­crá­ti­cos e a re­mo­ver obs­tá­cu­los que tra­vam a go­ver­na­bi­li­da­de, co­mo é o ca­so da pa­ra­li­sia da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Eles não neu­tra­li­zam to­dos os con­fli­tos de uma so­ci­e­da­de com­ple­xa e he­te­ro­gê­nea co­mo a bra­si­lei­ra. Mas en­vol­vem os che­fes dos Po­de­res, as li­de­ran­ças par­ti­dá­ri­as e o con­jun­to da so­ci­e­da­de num es­for­ço con­se­quen­te des­ti­na­do a en­fren­tar pro­ble­mas cu­ja so­lu­ção es­tá além da ca­pa­ci­da­de po­lí­ti­ca de ca­da sig­na­tá­rio.

Im­plí­ci­ta na for­ma­li­za­ção de um pac­to es­tá a ideia de que os ob­je­ti­vos e os mei­os es­co­lhi­dos pa­ra al­can­çá-los pas­sam a ser con­si­de­ra­dos de in­te­res­se ge­ral, sem que os sig­na­tá­ri­os per­cam sua iden­ti­da­de so­ci­al e po­lí­ti­ca. Em al­guns paí­ses, co­mo a Es­pa­nha na dé­ca­da de 1970, du­ran­te a tran­si­ção da di­ta­du­ra fran­quis­ta pa­ra uma de­mo­cra­cia par­la­men­ta­ris­ta, o pac­to en­tão fir­ma­do até ho­je é con­si­de­ra­do uma obra-pri­ma de en­ge­nha­ria po­lí­ti­ca.

No Bra­sil, a ideia de um pac­to re­pu­bli­ca­no não é no­va. No fi­nal de 1984, pou­co an­tes de ser elei­to pre­si­den­te pe­lo Con­gres­so, Tan­cre­do Ne­ves che­gou a propô-lo em discurso no Sindicato dos Me­ta­lúr­gi­cos de São Pau­lo. Du­as dé­ca­das de­pois, por ini­ci­a­ti­va do en­tão pre­si­den­te Lula, o Exe­cu­ti­vo, o Le­gis­la­ti­vo e o STF fir­ma­ram o I Pac­to Re­pu­bli­ca­no, com o ob­je­ti­vo de apro­var a Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal n.º 45, que in­tro­du­ziu a re­for­ma do Ju­di­ciá­rio, e os pro­je­tos de lei ela­bo­ra­dos pa­ra im­ple­men­tá-la. Em 2009, tam­bém por ini­ci­a­ti­va do Exe­cu­ti­vo, foi as­si­na­do o II Pac­to Re­pu­bli­ca­no, com o ob­je­ti­vo de de­mo­cra­ti­zar o aces­so aos tri­bu­nais e apro­var os pro­je­tos de lei que cri­a­vam no­vos me­ca­nis­mos pro­ces­su­ais. Em 2011, por ini­ci­a­ti­va do STF, foi pro­pos­to um III Pac­to Re­pu­bli­ca­no. Os três pac­tos ti­ve­ram por ba­se a Cons­ti­tui­ção.

De­pois de lan­çar a pro­pos­ta de um no­vo pac­to re­pu­bli­ca­no, às vésperas do pri­mei­ro tur­no, o atu­al pre­si­den­te do STF reu­niu-se com o mi­nis­tro da Fa­zen­da, Eduardo Gu­ar­dia, e seis mi­nis­tros do Su­pre­mo pa­ra dis­cu­tir os de­sa­fi­os fis­cais que o pró­xi­mo pre­si­den­te te­rá de en­fren­tar, a co­me­çar pe­la re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Em­bo­ra se­ja ce­do pa­ra sa­ber se es­sa ini­ci­a­ti­va da­rá fru­tos, uma coi­sa é cer­ta: se não se pau­tar pe­lo re­a­lis­mo e não acei­tar uma negociação den­tro dos mar­cos cons­ti­tu­ci­o­nais em tor­no de te­mas fun­da­men­tais que le­vem em con­ta a di­ver­si­da­de de in­te­res­ses so­ci­ais e os gar­ga­los da eco­no­mia, o pre­si­den­te elei­to di­fi­cil­men­te con­se­gui­rá evi­tar uma pa­ra­li­sia de­ci­só­ria, com to­das as su­as con­sequên­ci­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.