Um roteiro pa­ra a con­cór­dia

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - •✽ BOLÍVAR LAMOUNIER

Não me ar­ris­co a fa­zer um prog­nós­ti­co pa­ra o se­gun­do tur­no, mas o re­sul­ta­do do pri­mei­ro, as li­nhas ge­rais da dis­cus­são pú­bli­ca e al­guns ele­men­tos fac­tu­ais me le­vam a crer que Bol­so­na­ro só per­de­rá pa­ra Haddad se uma chu­va de me­te­o­ros ex­tin­guir me­ta­de de seus elei­to­res. Es­sa, no en­tan­to, é a ques­tão ape­nas nu­mé­ri­ca, não a ques­tão po­lí­ti­ca que te­mos pe­la fren­te, cu­ja fei­ção se­rá a mes­ma se der Haddad.

A ques­tão po­lí­ti­ca tem que ver com o grau de dis­cór­dia a que che­ga­mos. A in­da­ga­ção re­le­van­te é co­mo che­ga­mos a ela e co­mo va­mos sair de­la. É se va­mos con­ti­nu­ar ali­men­tan­do es­se ma­ni­queís­mo in­fan­til ou se va­mos vol­tar a ser o que so­mos, um país do­ta­do de ins­ti­tui­ções ra­zoá­veis e pos­sui­dor de uma for­te iden­ti­da­de na­ci­o­nal.

A in­da­ga­ção ini­ci­al, re­pe­tin­do, é co­mo che­ga­mos a es­ta in­sa­ni­da­de. Der­ro­ta­do no pri­mei­ro tur­no, o PT e seus adep­tos nos mei­os cul­tos da so­ci­e­da­de re­to­ma­ram (sans le sa­voir...) a ve­lha mu­tre­ta ide­o­ló­gi­ca do sta­li­nis­mo: quem não é co­mu­nis­ta é fas­cis­ta. Co­mo se não exis­tis­sem li­be­rais e co­mo se a mai­o­ria de qual­quer so­ci­e­da­de se ori­en­tas­se por con­cei­tos ide­o­ló­gi­cos no­to­ri­a­men­te li­mi­ta­dos a es­tra­tos mi­no­ri­tá­ri­os de ní­vel in­te­lec­tu­al ele­va­do.

No Bra­sil es­sas lo­ro­tas não se for­ma­ram on­tem, elas vêm de lon­ge, re­mon­tam pe­lo me­nos aos anos 50 do século 20. No pri­mei­ro tur­no elei­to­ral elas se con­fi­gu­ra­ram em tor­no de dois ei­xos fa­cil­men­te per­cep­tí­veis: o an­ti­pe­tis­mo e a an­ti­po­lí­ti­ca. Ou, se pre­fe­ri­rem, um du­plo re­cha­ço, ao PT e ao que se tem cha­ma­do de po­lí­ti­ca tra­di­ci­o­nal, ex­pres­são que de­sig­na prin­ci­pal­men­te o Par­la­men­to e os par­ti­dos. Es­se du­plo re­cha­ço se for­mou e ga­nhou seu tom des­vai­ra­da­men­te rai­vo­so em fun­ção de fa­to­res sub­ja­cen­tes bem re­ais: a re­ces­são econô­mi­ca pro­mo­vi­da pe­lo go­ver­no Dil­ma, que du­pli­cou o nú­me­ro de de­sem­pre­ga­dos, e a cor­rup­ção des­ve­la­da pe­la La­va Ja­to, cu­jo epi­cen­tro foi a tra­ma ins­ta­la­da na Pe­tro­brás pe­los dois go­ver­nos pe­tis­tas, Lula e Dil­ma. A es­sa com­bus­tão vin­da de bai­xo é pre­ci­so acres­cen­tar dois ou­tros ele­men­tos: a insegurança ge­ne­ra­li­za­da, dra­ma­ti­za­da pe­la in­ter­ven­ção mi­li­tar no Rio de Ja­nei­ro, e al­guns fa­tos na área dos va­lo­res e cos­tu­mes, que nor­mal­men­te não te­ri­am tan­ta im­por­tân­cia, mas que ga­nha­ram cor­po e se so­ma­ram ao “pa­co­te” con­ser­va­dor em ra­zão da ar­ro­gân­cia de cer­tos gru­pos de al­to sta­tus tí­pi­cos dos prin­ci­pais gran­des cen­tros ur­ba­nos, que ten­dem a ver co­mo ir­re­le­van­te e até co­mo ile­gí­ti­mo o sis­te­ma de cren­ças das ca­ma­das me­nos ins­truí­das e dos ha­bi­tan­tes das ci­da­des menores do in­te­ri­or do País. A fa­mí­lia e a re­li­gião, por exem­plo, sig­ni­fi­cam uma coi­sa pa­ra a clas­se al­ta de São Pau­lo ou do Rio de Ja­nei­ro e ou­tra pa­ra os es­tra­tos mé­di­os e bai­xos do in­te­ri­or. Au­to­ri­ta­ris­mo, con­ser­va­do­ris­mo, pul­so, fir­me­za, co­ra­gem – ca­da um es­co­lha o ter­mo que for do seu agra­do. Al­guém aca­so acre­di­ta que no­vai­or­qui­nos e te­xa­nos apoi­em o abor­to no mes­mo grau?

A com­bi­na­ção dos ele­men­tos aci­ma re­fe­ri­dos le­vou, co­mo ho­je es­tá cla­ro, uma par­ce­la da so­ci­e­da­de a pen­der pa­ra um can­di­da­to pou­co co­nhe­ci­do, mas que pa­re­ceu ofe­re­cer-lhe o “au­to­ri­ta­ris­mo” que ela es­ta­va pro­cu­ran­do.

Um roteiro pa­ra a con­cór­dia tem co­mo pri­mei­ro com­po­nen­te, is­so é ób­vio, a Cons­ti­tui­ção. O Bra­sil não é uma re­pu­bli­que­ta de­sor­dei­ra, é um Es­ta­do de­mo­crá­ti­co do­ta­do de uma or­dem nor­ma­ti­va ela­bo­ra­da e apro­va­da de ma­nei­ra le­gí­ti­ma. Os can­di­da­tos po­dem es­cor­re­gar no ver­ná­cu­lo ou ble­far o quan­to quei­ram, mas não po­dem des­co­nhe­cer que a obe­di­ên­cia à Cons­ti­tui­ção é a con­di­ção si­ne qua non de sua in­ves­ti­du­ra.

O se­gun­do pon­to a fri­sar é que o Bra­sil tem à fren­te uma agen­da econô­mi­ca de ex­tre­ma re­le­vân­cia, que te­rá de ser en­fren­ta­da com ur­gên­cia e re­a­lis­mo. À pri­mei­ra vis­ta, am­bos os can­di­da­tos pa­re­cem des­pre­pa­ra­dos pa­ra es­sa mis­são, mas is­so é ma­té­ria ven­ci­da. Aque­le que o des­ti­no con­du­zir ao Pla­nal­to não po­de­rá he­si­tar nem 15 mi­nu­tos, por­que, ago­ra, o no­me do jo­go é res­tau­rar a con­fi­an­ça dos mer­ca­dos no País e em su­as ins­ti­tui­ções. Não te­rá tem­po pa­ra con­fi­den­ci­ar su­as dú­vi­das ham­le­ti­a­nas à ca­vei­ra de sua pre­fe­rên­cia. Até por­que, no fa­mi­ge­ra­do “pre­si­den­ci­a­lis­mo de co­a­li­zão” que nos re­ge, ou ele trans­mi­te ra­pi­da­men­te ao Con­gres­so a for­ça ins­ti­tu­ci­o­nal que te­rá co­lhi­do nas ur­nas ou lo­go ve­rá uma fen­da abrir-se sob seus pés.

O ter­cei­ro pon­to é des­fa­zer o ma­ni­queís­mo e res­tau­rar aque­le mínimo de se­re­ni­da­de sem o qu­al o con­ví­vio ci­vi­li­za­do é im­pos­sí­vel. O apren­di­za­do po­lí­ti­co dos can­di­da­tos e de seus cor­re­li­gi­o­ná­ri­os de par­ti­do é im­por­tan­te, mas aqui a res­pon­sa­bi­li­da­de dos elei­to­res é tam­bém mui­to gran­de. A par­te de Bol­so­na­ro afi­gu­ra-se mais sim­ples que a do PT. De­le o que se exi­ge é, por um la­do, mo­de­ra­ção ver­bal e, de ou­tro, uma cons­ci­ên­cia mais exa­ta das prioridades do País. Por mais im­por­tan­te que se­ja, a exis­tên­cia de de­sa­cor­dos no pla­no dos va­lo­res e do com­por­ta­men­to so­ci­al não tem no pre­sen­te mo­men­to, nem re­mo­ta­men­te, a ur­gên­cia das prioridades re­fe­ren­tes à re­or­ga­ni­za­ção da eco­no­mia. Além do que o Exe­cu­ti­vo me­ter-se em ques­tões mo­ral­men­te car­re­ga­das é o ca­mi­nho mais curto pa­ra des­nor­te­ar ain­da mais o País e exa­cer­bar con­fli­tos.

De sua par­te, os pe­tis­tas pre­ci­sam dei­xar pa­ra o li­xo da His­tó­ria sua ve­lha ima­gem do par­ti­do que te­ria “fun­da­do” a de­mo­cra­cia bra­si­lei­ra, ou que a te­nha pra­ti­ca­do se­gun­do os me­lho­res pa­drões. Is­so é uma men­ti­ra sem ta­ma­nho. Des­de seus pri­mór­di­os, o PT nun­ca ado­tou ple­na­men­te a de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va co­mo um va­lor ine­go­ciá­vel. Sem­pre man­te­ve um pe­zi­nho den­tro e ou­tro fo­ra da or­dem de­mo­crá­ti­ca, va­len­do-se da­que­le que ta­ti­ca­men­te lhe pa­re­ceu con­ve­ni­en­te em ca­da mo­men­to. Quem me­lhor o dis­se, e is­so foi pou­cos di­as atrás, foi Jo­sé Dir­ceu, re­e­di­tan­do seu ve­lho mo­te do pro­je­to pe­tis­ta de po­der. “Nos­so ob­je­ti­vo”, de­cla­rou, “não é ape­nas ga­nhar a elei­ção, mas to­mar o po­der, coi­sa mui­to di­fe­ren­te.”

O no­me do jo­go ago­ra é res­tau­rar a con­fi­an­ça dos mer­ca­dos no País e em su­as ins­ti­tui­ções

CI­EN­TIS­TA PO­LÍ­TI­CO, É SÓ­CIO-DI­RE­TOR DA AUGURIUM CON­SUL­TO­RIA E MEM­BRO DAS ACADEMIAS PAU­LIS­TA DE LE­TRA S E BRA­SI­LEI­RA DE CI­ÊN­CI­AS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.