Can­di­da­tos não pas­sa­ri­am em tes­te pa­ra bom­bei­ros

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - •✽ ROLF KUNTZ

Há uma emer­gên­cia na eco­no­mia bra­si­lei­ra. Com o Tesouro es­bu­ra­ca­do e a dí­vi­da pú­bi­ca em dis­pa­ra­da, o País es­tá ar­ris­ca­do a que­brar e a ter de pe­dir so­cor­ro em pou­cos anos, tal­vez ain­da no man­da­to do pró­xi­mo pre­si­den­te. O alar­me soa sem pa­rar, mas os can­di­da­tos à Pre­si­dên­cia pa­re­cem des­co­nhe­cer o ób­vio: seu de­sa­fio mais ur­gen­te se­rá cui­dar das fi­nan­ças ofi­ci­ais e im­pe­dir um de­sas­tre. Sem is­so ne­nhum pla­no de go­ver­no, de qual­quer co­lo­ra­ção po­lí­ti­ca, te­rá sen­ti­do prá­ti­co. Mas eles con­ti­nu­am fa­lan­do de seus pla­nos co­mo se o mai­or dos obs­tá­cu­los fos­se pro­ble­ma se­cun­dá­rio, fa­cil­men­te su­pe­rá­vel ou mes­mo dis­tan­te. Ne­nhum dos dois pas­sa­ria num tes­te pa­ra o Cor­po de Bom­bei­ros ou pa­ra o ser­vi­ço de pron­to­so­cor­ro. Mas há uma di­fe­ren­ça. Um re­co­nhe­ce ex­pli­ci­ta­men­te a exis­tên­cia de um pro­ble­ma fis­cal im­por­tan­te, mas con­ti­nua sem di­zer com cla­re­za co­mo vai en­fren­tá-lo a par­tir de 2019. O ou­tro mal ad­mi­te a im­por­tân­cia do pro­ble­ma e ace­na com au­men­to de gas­tos pú­bli­cos no pri­mei­ro ano de man­da­to.

Pa­ra en­ten­der a emer­gên­cia é bom co­me­çar pe­la dí­vi­da pú­bli­ca. O lei­tor po­de es­co­lher o cri­té­rio. Pe­lo pa­drão de Bra­sí­lia, em agos­to o go­ver­no ge­ral de­via R$ 5,22 tri­lhões, so­ma equi­va­len­te a 77,3% do pro­du­to in­ter­no bru­to (PIB). Em de­zem­bro do ano pas­sa­do a re­la­ção es­ta­va em 70%. No fim de 2018 es­ta­rá bem pró­xi­ma de 80% e con­ti­nu­a­rá cres­cen­do nos pró­xi­mos anos. Pe­lo cri­té­rio do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI), a re­la­ção dí­vi­da/PIB che­gou a 84% no ano pas­sa­do, de­ve atin­gir 88,4% em 2018, ba­te­rá em 97,1% em 2022, no fim do pró­xi­mo man­da­to pre­si­den­ci­al, e al­can­ça­rá 98,3% no ano se­guin­te.

O cri­té­rio ofi­ci­al bra­si­lei­ro ex­clui os tí­tu­los do Tesouro man­ti­dos na car­tei­ra do Ban­co Cen­tral (BC). O pa­drão do Fun­do fa­ci­li­ta com­pa­ra­ções in­ter­na­ci­o­nais. No ano pas­sa­do a dí­vi­da do go­ver­no ge­ral, no ca­so dos paí­ses emer­gen­tes e de ren­da mé­dia, equi­va­lia a 48,7% do PIB. No ca­so da Amé­ri­ca La­ti­na, a pro­por­ção mé­dia cor­res­pon­dia a 62,5%, mas es­se nú­me­ro é ob­vi­a­men­te dis­tor­ci­do pe­lo pe­so da dí­vi­da bra­si­lei­ra. O qua­dro, po­rém, é até pi­or: no ano pas­sa­do a dí­vi­da mé­dia nas eco­no­mi­as avan­ça­das era igual a 75,1% do PIB, se­gun­do o FMI.

Por qual­quer cri­té­rio, do Fun­do ou do go­ver­no bra­si­lei­ro, a si­tu­a­ção do País é mui­to ruim e cha­ma a aten­ção de fi­nan­ci­a­do­res e in­ves­ti­do­res do mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, es­pe­ci­al­men­te, é cla­ro, das agên­ci­as de clas­si­fi­ca­ção de ris­co. Quan­to pi­or a clas­si­fi­ca­ção, mai­or o cus­to do fi­nan­ci­a­men­to con­se­gui­do no ex­te­ri­or. Mes­mo sem es­se pe­so adi­ci­o­nal, o cus­to da ro­la­gem da dí­vi­da pú­bli­ca bra­si­lei­ra é mui­to al­to e as­sim con­ti­nu­a­rá en­quan­to as con­tas ofi­ci­ais per­ma­ne­ce­rem mui­to frá­geis.

O go­ver­no ge­ral, con­si­de­ra­do nes­ses cál­cu­los, in­clui os três ní­veis da ad­mi­nis­tra­ção. O pro­ble­ma é ex­pli­cá­vel prin­ci­pal­men­te pe­lo mau de­sem­pe­nho fi­nan­cei­ro do go­ver­no cen­tral. Mas o en­di­vi­da­men­to de al­guns Es­ta­dos tam­bém cres­ceu pe­ri­go­sa­men­te nos úl­ti­mos anos, quan­do o go­ver­no pe­tis­ta afrou­xou os con­tro­les e con­ce­deu ga­ran­ti­as de for­ma ir­res­pon­sá­vel.

A dí­vi­da con­ti­nu­a­rá em ex­pan­são en­quan­to a ad­mi­nis­tra­ção for in­ca­paz de pa­gar pe­lo me­nos os ju­ros ven­ci­dos. Pa­ra pa­gar es­se com­pro­mis­so se­rá ne­ces­sá­rio ob­ter su­pe­rá­vit pri­má­rio, is­to é, uma so­bra nas con­tas do dia a dia do go­ver­no. Se o dinheiro for su­fi­ci­en­te pa­ra co­brir ape­nas uma par­te dos ju­ros, o en­di­vi­da­men­to con­ti­nu­a­rá a cres­cer, por­que se­rá pre­ci­so re­fi­nan­ci­ar tam­bém uma par­ce­la dos en­car­gos.

En­quan­to es­se qua­dro per­du­rar, os ju­ros con­ti­nu­a­rão ele­va­dos e fal­ta­rão re­cur­sos pa­ra o in­ves­ti­men­to em­pre­sa­ri­al. Pa­ra cap­tar dinheiro no mer­ca­do as em­pre­sas te­rão de competir, co­mo tem ocor­ri­do há mui­tos anos, com um go­ver­no de­vo­ra­dor de uma enor­me fa­tia da pou­pan­ça dis­po­ní­vel.

Ten­tar con­tro­lar o cus­to do cré­di­to se­rá inú­til, co­mo sem­pre foi, por­que ju­ros ta­be­la­dos ou de al­gu­ma for­ma con­tro­la­dos aca­bam re­sul­tan­do em de­sa­jus­tes. Um dos mais vi­sí­veis é o au­men­to da in­fla­ção, co­mo os bra­si­lei­ros de­ve­ri­am ter apren­di­do. In­fla­ção bai­xa, ou em que­da, e con­tas pú­bli­cas no ru­mo do ajus­te são os ca­mi­nhos mais se­gu­ros pa­ra ba­ra­te­ar o cré­di­to, li­be­rar re­cur­sos pa­ra in­ves­ti­men­to – pú­bli­co e pri­va­do – e ele­var o po­ten­ci­al de cres­ci­men­to econô­mi­co.

O gu­ru econô­mi­co do can­di­da­to Jair Bol­so­na­ro co­or­de­na uma gran­de equi­pe en­vol­vi­da no pla­ne­ja­men­to do go­ver­no. Pou­co se re­ve­lou, no en­tan­to, so­bre a estratégia de ar­ru­ma­ção das fi­nan­ças pú­bli­cas e so­bre o de­se­nho pa­ra a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Pri­va­ti­za­ções e con­ces­sões fo­ram apon­ta­das co­mo fon­tes de re­cur­sos pa­ra a re­du­ção da dí­vi­da. Mas o pro­ces­so con­ti­nua obs­cu­ro. Além dis­so, a dí­vi­da vol­ta­rá a cres­cer, de­pois des­sa ope­ra­ção, se fal­tar um ajus­te efe­ti­vo do Or­ça­men­to pú­bli­co. Os de­ta­lhes per­ma­ne­cem mis­te­ri­o­sos.

O pe­tis­ta Fer­nan­do Haddad mal ad­mi­te a exis­tên­cia de um pro­ble­ma fis­cal. Ao con­trá­rio: tem fa­la­do em eli­mi­nar o te­to de gas­tos, em dis­cu­tir a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia com o fun­ci­o­na­lis­mo e em gas­tar mais pa­ra ani­mar a eco­no­mia. De on­de vi­rá o dinheiro? Co­mo re­cur­sos di­fi­cil­men­te ca­em do céu, o ca­mi­nho se­rá um mai­or en­di­vi­da­men­to. Em­pre­sá­ri­os po­de­rão até aplau­dir o im­pul­so ini­ci­al, mas um de­sar­ran­jo mai­or se­rá ine­vi­tá­vel, até por­que os ami­gos da cor­te co­bra­rão in­cen­ti­vos fis­cais e fi­nan­cei­ros e pro­te­ção comercial.

O Haddad do se­gun­do tur­no per­ma­ne­ce in­ca­paz de apre­sen­tar pro­pos­tas econô­mi­cas cla­ras e com­pa­tí­veis com a ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da no Bra­sil e no ex­te­ri­or. Pa­rou de fa­lar em cons­ti­tuin­te es­pe­ci­al e de pro­por cen­su­ra aos mei­os de co­mu­ni­ca­ção (a tal re­gu­la­ção da mí­dia) e con­tro­le so­ci­al dos Po­de­res (al­go aci­ma da de­mo­cra­cia re­pre­sen­ta­ti­va). Mas con­ti­nua re­pre­sen­tan­do, no es­sen­ci­al, o ve­lho pa­pel. Dei­xan­do de ir a Cu­ri­ti­ba e re­du­zin­do o uso da cor ver­me­lha, ele ape­nas cum­pre or­dens de Lula – co­mo sem­pre. O discurso po­de ter mu­da­do. Lula, o ver­da­dei­ro can­di­da­to, cer­ta­men­te é o mes­mo.

Pa­rar de ir a Cu­ri­ti­ba foi or­dem de Lula a Haddad. Lula ain­da é o ver­da­dei­ro can­di­da­to

✽ JOR­NA­LIS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.