Venezuela na elei­ção

O Estado de S. Paulo - - Internacional - LOU­RIVAL SANT’AN­NA EMAIL: CAR­TA@LOURIVALSANTANNA.COM LOU­RIVAL SANT’AN­NA ES­CRE­VE AOS DO­MIN­GOS

Amor­te do ve­re­a­dor opo­si­ci­o­nis­ta Fer­nan­do Al­bán sob cus­tó­dia do Ser­vi­ço Bo­li­va­ri­a­no de In­te­li­gên­cia Na­ci­o­nal (Se­bin) po­de abrir no­vo ca­pí­tu­lo da re­pres­são na Venezuela. Acu­sa­do de en­vol­vi­men­to no aten­ta­do con­tra o pre­si­den­te Ni­co­lás Ma­du­ro há dois me­ses, Al­bán ha­via si­do pre­so no dia 5 no aeroporto de Ca­ra­cas.

Se­gun­do a ver­são do re­gi­me, ele te­ria se jogado do 10.º an­dar da se­de da Se­bin, que não é ape­nas um ser­vi­ço de es­pi­o­na­gem, mas uma po­lí­cia po­lí­ti­ca os­ten­si­va. Co­bri a elei­ção da Assembleia Na­ci­o­nal Cons­ti­tuin­te, em 30 de ju­lho do ano pas­sa­do, e vi quan­do re­lu­zen­tes se­dãs Re­nault Mé­ga­ne com o em­ble­ma da Se­bin saí­ram em comboio por Ca­ra­cas. Os agen­tes exi­gi­am os ce­lu­la­res dos pe­des­tres, em bus­ca de ima­gens dos pro­tes­tos e men­sa­gens con­tra o re­gi­me.

O ca­so de Al­bán é im­por­tan­te por­que, ape­sar da vi­o­lên­cia e de­ten­ção de mi­lha­res de ma­ni­fes­tan­tes, só há um pre­ce­den­te de mor­te de pre­so po­lí­ti­co, exa­ta­men­te nu­ma ce­la da Se­bin. De­ti­do em abril de 2014, sob acu­sa­ção de en­vol­vi­men­to na or­ga­ni­za­ção dos pro­tes­tos con­tra o re­gi­me, o pi­lo­to ci­vil apo­sen­ta­do Ro­dol­fo Pe­dro Gon­zá­lez mor­reu em mar­ço do ano se­guin­te, por es­tran­gu­la­men­to. Se­gun­do as au­to­ri­da­des, Gon­zá­lez, de 65 anos, te­ria se ma­ta­do.

A ONU, a União Eu­ro­peia, go­ver­nos de di­ver­sos paí­ses, a Igre­ja Ca­tó­li­ca e or­ga­ni­za­ções de de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos exi­gi­ram uma in­ves­ti­ga­ção in­de­pen­den­te da mor­te do ve­re­a­dor.

Em no­ta divulgada pe­lo Ita­ma­raty na terça-fei­ra, um dia de­pois de no­ti­ci­a­da a mor­te, o go­ver­no bra­si­lei­ro afir­ma que su­as cir­cuns­tân­ci­as “sus­ci­tam le­gí­ti­mas e fun­da­das dú­vi­das quan­to a even­tu­ais res­pon­sa­bi­li­da­des”, e lem­bra “a obri­ga­ção do Es­ta­do ve­ne­zu­e­la­no e do go­ver­no do pre­si­den­te Ni­co­lás Ma­du­ro de ga­ran­tir a in­te­gri­da­de de to­dos aque­les que te­nham sob sua cus­tó­dia”.

Na cam­pa­nha elei­to­ral, a po­lí­ti­ca ex­ter­na ga­nhou uma evi­dên­cia que não cos­tu­ma ter no Bra­sil. Is­so acon­te­ceu por cau­sa do apoio do PT ao re­gi­me cha­vis­ta, an­tes, du­ran­te e de­pois dos go­ver­nos de Lula e de Dil­ma Rous­seff.

Após a vo­ta­ção pa­ra a ANC em ju­lho e das elei­ções re­gi­o­nais em ou­tu­bro, de­se­nha­das pa­ra ga­ran­tir a vi­tó­ria dos cha­vis­tas, mar­ca­das pe­la frau­de, pe­lo boi­co­te da opo­si­ção e pe­la re­cu­sa da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal em re­co­nhe­cer seus re­sul­ta­dos, a pre­si­den­te do PT, se­na­do­ra Glei­si Hoff­mann, di­vul­gou notas ofi­ci­ais fe­li­ci­tan­do Ma­du­ro pe­la “con­tun­den­te vi­tó­ria”.

Ame­a­ça. Até ho­je a es­quer­da bra­si­lei­ra não fez uma au­to­crí­ti­ca por seu apoio aos re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os, violentos e corruptos de Venezuela, Cu­ba, Lí­bia, Sí­ria, Rús­sia, Tur­quia e An­go­la, en­tre ou­tros. Quem mais tem se apro­vei­ta­do dis­so é o can­di­da­to à pre­si­dên­cia Jair Bol­so­na­ro. Seu pri­mei­ro pro­gra­ma elei­to­ral pa­ra o se­gun­do tur­no, na sex­ta-fei­ra, as­so­ci­ou o PT a Cu­ba, “o país mais atra­sa­do do mun­do”, e à “de­vas­ta­da” Venezuela.

Em co­mí­cio na Ave­ni­da Pau­lis­ta no dia 30, o de­pu­ta­do Eduardo Bol­so­na­ro anun­ci­ou, ci­tan­do o ge­ne­ral Ha­mil­ton Mou­rão, vi­ce na cha­pa de seu pai, que “a pró­xi­ma ope­ra­ção de paz do Bra­sil” se­ria na Venezuela: “Va­mos li­ber­tar nos­sos ir­mãos da fo­me e do so­ci­a­lis­mo. A me­lhor so­lu­ção da cri­se imi­gra­tó­ria que nós vi­ve­mos é a saí­da de Ma­du­ro do po­der. A gen­te vai dar uma li­ção nes­se nar­co­di­ta­dor”.

O Bra­sil não tem con­di­ções de cum­prir es­sa ame­a­ça. Ela ape­nas dá com­bus­tí­vel ao re­gi­me cha­vis­ta. Que o Bra­sil con­ti­nue pres­si­o­nan­do é mui­to bem-vin­do. Mas é im­por­tan­te que a po­lí­ti­ca ex­ter­na não perca a ra­zão, e se ori­en­te pe­los in­te­res­ses do País.

Jair Bol­so­na­ro co­me­çou a en­tre­vis­ta à rá­dio Jo­vem Pan, na se­gun­da­fei­ra, pro­me­ten­do “apro­xi­mar do Pri­mei­ro Mun­do” o Bra­sil e “vi­a­jar pa­ra Is­ra­el, Es­ta­dos Uni­dos, Ja­pão e Eu­ro­pa”. Um bom co­me­ço se­ria abandonar o pro­te­ci­o­nis­mo comercial, que tan­to cas­ti­ga o con­su­mi­dor bra­si­lei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.