Nas fa­cul­da­des fe­de­rais, só 10% op­tam por es­tu­dar fo­ra do Es­ta­do de ori­gem

Edu­ca­ção. A di­fi­cul­da­de econô­mi­ca e a fal­ta de re­cur­sos pa­ra cri­ar po­lí­ti­cas de as­sis­tên­cia es­tu­dan­til são en­tra­ves pa­ra a mu­dan­ça que o go­ver­no fe­de­ral pla­ne­ja­va es­ti­mu­lar com as mu­dan­ças no Enem, em 2009, e a cri­a­ção do Sis­te­ma de Se­le­ção Uni­fi­ca­da (Sis

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Isa­be­la Pa­lha­res / CO­LA­BO­ROU ERICA CARNEVALLI

Pe­lo ter­cei­ro ano, Ca­mi­la Me­dei­ros, de 19 anos, bus­ca uma va­ga em Me­di­ci­na em uni­ver­si­da­de pú­bli­ca. Pa­ra al­can­çar o so­nho de ser mé­di­ca, es­tu­da­ria em qual­quer re­gião do País, mas teme que, mes­mo apro­va­da em uma ins­ti­tui­ção sem men­sa­li­da­de, não con­si­ga se man­ter fi­nan­cei­ra­men­te lon­ge de ca­sa. A di­fi­cul­da­de econô­mi­ca é um dos prin­ci­pais en­tra­ves pa­ra que os alu­nos mu­dem de Es­ta­do pa­ra cur­sar o ensino su­pe­ri­or em uma uni­ver­si­da­de fe­de­ral.

Da­dos do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção (MEC) mos­tram que, em 2017, ape­nas 10% dos in­gres­san­tes na re­de fe­de­ral de ensino fo­ram es­tu­dar em uma ins­ti­tui­ção fo­ra do Es­ta­do de re­si­dên­cia. Um dos ob­je­ti­vos da mu­dan­ça do Enem, em 2009, e da cri­a­ção do Sis­te­ma de Se­le­ção Uni­fi­ca­da (Si­su) era de­mo­cra­ti­zar o aces­so ao ensino su­pe­ri­or, di­mi­nuin­do des­lo­ca­men­tos cus­to­sos e can­sa­ti­vos pa­ra os ves­ti­bu­lan­dos. A cen­tra­li­za­ção em uma úni­ca pro­va trou­xe be­ne­fí­ci­os fi­nan­cei­ros pa­ra quem ten­ta mais de uma ins­ti­tui­ção, mas a mo­bi­li­da­de não se man­te­ve ao lon­go dos anos. An­tes da mu­dan­ça, 1,5% dos in­gres­san­tes mu­da­vam de Es­ta­do. Es­sa pro­por­ção che­gou a 25%, em 2010, pri­mei­ro ano do sis­te­ma.

Pa­ra es­pe­ci­a­lis­tas e rei­to­res de uni­ver­si­da­des, a fal­ta de re­cur­sos pa­ra po­lí­ti­cas de as­sis­tên­cia es­tu­dan­til – co­mo mo­ra­dia, trans­por­te, ali­men­ta­ção e apoio pe­da­gó­gi­co – é um en­tra­ve pa­ra que jo­vens de fa­mí­li­as de bai­xa ren­da pos­sam mu­dar de re­gião pa­ra fa­zer a gra­du­a­ção. Dos 31,8 mil que mi­gra­ram pa­ra cur­sar a gra­du­a­ção, 42% fi­ze­ram o ensino mé­dio em es­co­la par­ti­cu­lar e um ter­ço é de es­tu­dan­tes de São Pau­lo.

Ca­mi­la es­tu­dou gra­tui­ta­men­te em uma es­co­la par­ti­cu­lar de Cai­ei­ras, on­de a mãe tra­ba­lha co­mo as­sis­ten­te de ser­vi­ços ge­rais. Por is­so, não é be­ne­fi­ci­a­da pe­las co­tas pa­ra alu­nos de es­co­la pú­bli­ca. “Eu con­cor­ro com quem es­tu­dou em es­co­las mui­to mais ca­ras que a mi­nha.”

Ela con­ta que, se con­se­guir apro­va­ção em al­gu­ma uni­ver­si­da­de fe­de­ral, vai pes­qui­sar an­tes a po­lí­ti­ca de bol­sas e de mo­ra­dia es­tu­dan­til. “O pro­ble­ma é que eu sei que os va­lo­res são pe­que­nos, al­guns alu­nos fi­cam de fo­ra ou de­mo­ram pa­ra con­se­guir a bol­sa”, con­ta. Um es­tu­do da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Di­ri­gen­tes das Ins­ti­tui­ções Fe­de­rais de Ensino Su­pe­ri­or (An­di­fes) ve­ri­fi­cou que o va­lor mé­dio da bol­sa es­tu­dan­til va­ria de R$ 302,41 nas ins­ti­tui­ções da Re­gião Cen­tro-Oes­te, que tem a mai­or mé­dia, a R$ 244,16, na Re­gião Nor­te, com o me­nor va­lor.

Ain­da se­gun­do a An­di­fes, são re­cor­ren­tes os re­la­tos de pró­rei­to­res que não con­se­guem aten­der to­dos os es­tu­dan­tes com ren­da fa­mi­li­ar per ca­pi­ta de até 1,5 salário mínimo. Co­mo não têm re­cur­so su­fi­ci­en­te, mui­tas ins­ti­tui­ções pas­sa­ram a pri­o­ri­zar os que es­tão em uma fai­xa de ren­da de até R$ 600. Os in­ves­ti­men­tos do MEC pa­ra a área cres­ce­ram des­de 2009, mas es­ta­ci­o­na­ram a par­tir de 2015.

Em no­ta, o MEC in­for­mou que no ano pas­sa­do investiu R$ 953,7 mi­lhões no Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de As­sis­tên­cia Es­tu­dan­til e que pa­ra es­te ano a pre­vi­são é de R$ 957,2 mi­lhões – se cor­ri­gi­do pe­la in­fla­ção, o va­lor é me­nor que o do ano an­te­ri­or.

Me­di­ci­na. En­tre os cur­sos mais pro­cu­ra­dos por aque­les que mi­gram de Es­ta­do pa­ra es­tu­dar, o pri­mei­ro é Me­di­ci­na, com 2.232 es­tu­dan­tes. Em se­gui­da es­tão gra­du­a­ções mais pres­ti­gi­a­das e pro­cu­ra­das por jo­vens de fa­mí­li­as mais tra­di­ci­o­nais, co­mo Di­rei­to e as En­ge­nha­ri­as.

Ex-alu­na de es­co­la par­ti­cu­lar, a pau­lis­ta Ma­ri­na Sam­mar­co, de 25 anos, con­se­guiu a apro­va­ção em Me­di­ci­na na Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Ou­ro Pre­to (Ufop) de­pois de pas­sar qua­tro anos de cur­si­nho ten­tan­do uma va­ga nas uni­ver­si­da­des pú­bli­cas de São Pau­lo. Pe­la pri­mei­ra vez fo­ra de ca­sa, a es­tu­dan­te não se adap­tou à ci­da­de por achá-la pe­que­na e de­ci­diu pres­tar no­va­men­te o Enem. Con­se­guiu ser apro­va­da na Fe­de­ral de Mi­nas (UFMG), em Be­lo Ho­ri­zon­te. “Não era a mi­nha pri­mei­ra op­ção, mas ho­je ve­jo co­mo uma opor­tu­ni­da­de.”

A de­sis­tên­cia dos es­tu­dan­tes no meio do cur­so e o re­tor­no pa­ra os Es­ta­dos de ori­gem após a gra­du­a­ção são uma pre­o­cu­pa­ção do MEC e de es­pe­ci­a­lis­tas. Os da­dos mos­tram que 21% dos que en­tra­ram na re­de fe­de­ral no ano pas­sa­do ten­ta­ram o Enem mais uma vez pa­ra in­gres­sar em ou­tro cur­so. Por is­so, es­tu­da a

cri­a­ção de um sis­te­ma uni­fi­ca­do pa­ra pre­en­cher es­sas va­gas que so­bram após a de­sis­tên­cia.

“Mui­tos cur­sos de Me­di­ci­na, por exem­plo, fo­ram cri­a­dos pa­ra so­lu­ci­o­nar uma ca­rên­cia de mé­di­cos. O mes­mo ocor­reu com ou­tras áre­as pro­fis­si­o­nais. O pro­ble­ma é que o alu­no vai, es­tu­da, se for­ma e vol­ta pa­ra um gran­de cen­tro. Ou se­ja, a fi­na­li­da­de so­ci­al da­que­le cur­so não é cum­pri­da”, diz Ma­ria Helena Gui­ma­rães, ex-se­cre­tá­ria exe­cu­ti­va do mi­nis­té­rio e atu­al in­te­gran­te do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção (CNE).

Em no­ta, o MEC in­for­mou que a mo­bi­li­da­de aca­dê­mi­ca é um fenô­me­no mundial, vis­to co­mo “po­si­ti­vo e um dos pres­su­pos­tos da im­ple­men­ta­ção do Si­su”, mas dis­se que não ava­lia se a ocu­pa­ção das va­gas ocor­re por es­tu­dan­tes da re­gião das ins­ti­tui­ções ou de fo­ra de­la. “Es­sa aná­li­se fi­ca a car­go de ca­da ins­ti­tui­ção, no âm­bi­to da res­pec­ti­va au­to­no­mia. Al­gu­mas cri­a­ram me­ca­nis­mos de ‘bô­nus re­gi­o­nal’ pa­ra pro­mo­ver a mai­or in­ser­ção de es­tu­dan­tes da re­gião.”

FON­TE: INEP INFOGRÁFICO/ES­TA­DÃO

WASHING­TON AL­VES/ES­TA­DÃO

Sem adap­ta­ção. Ma­ri­na foi pa­ra Ou­ro Pre­to, não gos­tou, e aca­bou em Be­lo Ho­ri­zon­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.