POR UMA CA­SA PA­RA CHA­MAR DE NOS­SA

‘Re­pú­bli­cas de adul­tos’ atra­em in­te­res­sa­dos em bai­xar o preço do alu­guel e a fa­tu­ra da so­li­dão

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Ju­li­a­na Dió­ge­nes Caio Fahei­na ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO

Pa­ra fu­gir dos alu­guéis ca­ros e da vi­da so­li­tá­ria das me­tró­po­les, pes­so­as en­tre 30 e 50 anos es­tão bus­can­do den­tro de ca­sa a con­vi­vên­cia em co­mu­ni­da­de. São fa­mí­li­as, pes­so­as sol­tei­ras ou se­pa­ra­das que, em meio à cri­se econô­mi­ca, se in­te­res­sam em di­vi­dir es­pa­ços com ou­tras, des­co­nhe­ci­das, pa­ra eco­no­mi­zar e tam­bém fa­zer re­fei­ções co­le­ti­vas, con­ver­sar e ter com­pa­nhia.

“Quan­do mo­ra­va so­zi­nho, só ti­nha op­ção de es­tar so­zi­nho e, se qui­ses­se com­pa­nhia, te­ria de le­var vi­si­ta pa­ra a mi­nha ca­sa”, diz o pro­gra­ma­dor vi­su­al Mar­cel Cas­tro, de 33 anos. Ho­je, ele mo­ra na Ama­re­li­nha, uma ca­sa na La­pa, na zo­na oes­te de São Pau­lo, com ou­tras seis pes­so­as.

As “re­pú­bli­cas de adul­tos” – ou co­li­ving – são ca­sas gran­des, que pre­ser­vam os es­pa­ços pri­va­ti­vos co­mo suí­tes. Quem bus­ca es­se ti­po de con­vi­vên­cia pre­ci­sa es­tar dis­pos­to a se­guir re­gras.

A dis­ci­pli­na é um dos pi­la­res da Ama­re­li­nha. Lá, os mo­ra­do­res di­vi­dem os R$ 6,4 mil de alu­guel, além de R$ 420 de con­do­mí­nio e IPTU, e to­dos têm funções de­fi­ni­das que po­dem se al­ter­nar: cui­dar do jar­dim, ad­mi­nis­trar as fi­nan­ças, fa­zer com­pras, cha­mar o en­ca­na­dor. O diá­lo­go é cons­tan­te e a con­vi­vên­cia as­su­me ares de fa­mí­lia. “Tem tu­do o que ro­la em uma: da tre­ta aos mo­men­tos de con­fra­ter­ni­za­ção.”

A pro­pos­ta de di­vi­são de es­pa­ços atrai tam­bém fa­mí­li­as, mas até cer­to pon­to. A te­ra­peu­ta cor­po­ral Bi­an­ca Fras­son, de 38 anos, recém-se­pa­ra­da e mãe de Chi­a­ra, de 17, e Lo­ren­zo, de 7, gos­ta do com­par­ti­lha­men­to de ex­pe­ri­ên­ci­as, mas pre­za tam­bém pe­la pri­va­ci­da­de que um es­tú­dio den­tro de um co­li­ving pro­por­ci­o­na. Eles vi­vem na Ca­sa Tu­cu­na, na Pom­peia, na zo­na oes­te, on­de oi­to pes­so­as mo­ram em três es­pa­ços.

No es­tú­dio-ca­sa, ela tem so­fá, te­le­vi­são, ba­nhei­ro e co­zi­nha. De es­pa­ços em co­mum com o res­tan­te dos mo­ra­do­res, há o deck e o quin­tal. Eles se di­vi­dem so­bre o dia da se­ma­na em que po­dem ti­rar o li­xo e la­var rou­pa, por exem­plo. “Meus fi­lhos ado­ram, se sen­tem su­per

à von­ta­de. Meu fi­lho en­tra nas ou­tras ca­sas, con­ver­sa com os vi­zi­nhos. Mi­nha fi­lha sobe pa­ra es­tu­dar no deck, pe­gan­do sol”, con­ta Bi­an­ca.

Se­gun­do ela, os ami­gos acham o má­xi­mo a pro­pos­ta, mas os pa­ren­tes es­tra­nham. “A

fa­mí­lia acha uma ab­sur­do e não sa­be co­mo aguen­to.”

“É um mon­te de adul­to que tem mais higiene, or­ga­ni­za­ção e dinheiro mo­ran­do em um es­que­ma de re­pú­bli­ca. O co­li­ving é uma re­pú­bli­ca sem tan­ta zo­na. As tor­nei­ras têm de es­tar fun­ci­o­nan­do di­rei­ti­nho”, diz o lo­cu­tor Hen­ri­que Oda, de 35 anos, mo­ra­dor de um co­li­ving no Al­to da La­pa, na zo­na oes­te.

Ge­ra­ção.

Afi­ni­da­de e tro­ca de ex­pe­ri­ên­ci­as é o que têm mo­ti­va­do es­se no­vo pú­bli­co, na opi­nião de Ale­xan­dre La­fer Fran­kel, co­or­de­na­dor do gru­po de No­vos Em­pre­en­de­do­res do Sindicato da Ha­bi­ta­ção de São Pau­lo (Se­co­vi). Já há em São Pau­lo, por exem­plo, pré­di­os com o con­cei­to de co­li­ving, e Fran­kel apos­ta que apar­ta­men­tos com es­sa pro­pos­ta vão subs­ti­tuir as tra­di­ci­o­nais qui­ti­ne­tes e re­pú­bli­cas. “As pes­so­as es­tão bus­can­do pon­tos em co­mum que ge­ram re­la­ci­o­na­men­to e sen­so de per­ten­ci­men­to. É a for­ma de pen­sar da no­va ge­ra­ção.”

Di­re­tor do FGV So­ci­al, o eco­no­mis­ta Mar­ce­lo Ne­ri afir­ma que es­te é um mo­vi­men­to com­pa­tí­vel com a eco­no­mia par­ti­lha­da, que tem co­mo um dos prin­ci­pais íco­nes ser­vi­ços co­mo o Airbnb, em que as ca­sas vi­ram op­ções de hos­pe­da­gem. Ne­ri atri­bui a mu­dan­ça de com­por­ta­men­to

ao avan­ço tec­no­ló­gi­co, à que­da no nú­me­ro de pes­so­as por do­mi­cí­lio e até à so­li­dão. “No fun­do, é uma estratégia mis­ta. Vo­cê vai com­par­ti­lhar al­gu­mas coi­sas, mas tam­bém vai ter a pos­si­bi­li­da­de de pri­va­ci­da­de.”

Cohou­sing.

Ou­tro mo­de­lo, me­nos co­mum no Bra­sil, é o cohou­sing – es­pa­ço pen­sa­do por gru­pos que se apro­xi­mam, con­vi­vem e pla­ne­jam a com­pra e cons­tru­ção con­jun­ta de ca­sas pa­ra com­par­ti­lhar. O pro­ces­so le­va, em ge­ral, de três a cin­co anos.

Pa­ra com­ba­ter a so­li­dão, a re­la­ções pú­bli­cas Ana Be­a­triz de Oli­vei­ra, de 48 anos, ide­a­li­za um cohou­sing com ou­tras no­ve mu­lhe­res em Be­lo Ho­ri­zon­te. For­ma­do em mar­ço, o gru­po é com­pos­to por pes­so­as aci­ma de 40 anos, me­ta­de de­las se­pa­ra­da e que mo­ra so­zi­nha.

Pa­ra Ana Be­a­triz, a mo­ra­dia co­mo fun­ci­o­na ho­je, sem con­vi­vên­cia com a vi­zi­nhan­ça, é um mo­de­lo fa­li­do. “Os vi­zi­nhos ho­je não se pre­o­cu­pam com os ou­tros. Às ve­zes a gen­te di­vi­de pa­re­de com pa­re­de, es­cu­ta la­ti­do de ca­chor­ro, cho­ro de cri­an­ça e não sa­be quem es­tá do ou­tro la­do. As pes­so­as não se co­nhe­cem e não se procuram.”

JF DIORIO/ES­TA­DÃO-11/9/2018

Em fa­mí­lia. Bi­an­ca mo­ra com os fi­lhos em um co­li­ving

JF DIORIO / ES­TA­DÃO

Pa­po. Mar­cel (de ver­de) di­vi­de ca­sa com ou­tros adul­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.