HAD­DA­DIS­TAS CRI­TI­CAM VI­O­LÊN­CIA

Gru­po diz que vai vo­tar con­tra o ‘discurso de ódio’

O Estado de S. Paulo - - Política -

Apu­bli­ci­tá­ria Ana Ca­ro­li­na Macedo, de 28 anos, con­fes­sa ser di­fí­cil ter em­pa­tia por quem vo­ta em Bol­so­na­ro. “Não con­si­go ter um re­la­ci­o­na­men­to mui­to pró­xi­mo com ‘bol­so­mi­ni­ons’. Não dá mat­ch.” Ela ad­mi­te que só fa­la so­bre po­lí­ti­ca com pes­so­as de sua pró­pria bo­lha e ami­gos. “Eu não sei co­mo ini­ci­ar um de­ba­te com quem fa­la que o Bra­sil vai vi­rar uma Venezuela se o PT ga­nhar. É tão ab­sur­do que não tem nem co­mo re­ba­ter.”

A re­por­ta­gem do Es­ta­do en­con­trou Ana Ca­ro­li­na e ou­tros três elei­to­res de Fer­nan­do Haddad (PT): os tam­bém formados em publicidade Thi­a­go Gui­ma­rães, de 32 anos, Dan­da­ra de Car­va­lho, de 26, e Ma­ri­el­la Nas­ci­men­to, de 27. A con­ver­sa acon­te-

• ‘Me­do’ “Exis­te ago­ra o me­do de apa­nhar na rua. O an­ti­pe­tis­mo é bi­zar­ro.”

Thi­a­go Gui­ma­rães PUBLICITÁRIO

ceu em um lu­gar de­fi­ni­do por eles: um bar no bair­ro San­ta Ce­cí­lia, no cen­tro de São Pau­lo.

Os ami­gos had­da­dis­tas di­zem que o apoio ao can­di­da­to pe­tis­ta é um vo­to “em fa­vor da de­mo­cra­cia e con­tra o discurso do ódio”. Em­bo­ra afir­mem que nem to­do eleitor de Bol­so­na­ro “se­ja fas­cis­ta”, eles atri­bu­em à pos­tu­ra do can­di­da­to do PSL uma on­da de vi­o­lên­cia nas elei­ções. “Exis­te ago­ra o me­do de apa­nhar na

rua”, dis­se Thi­a­go Gui­ma­rães. “E o kit gay que o Bol­so­na­ro tan­to fa­la? Eu não re­ce­bi.”

Na­da ir­ri­ta mais Gui­ma­rães do que os ata­ques sis­te­má­ti­cos ao PT. “O an­ti­pe­tis­mo é bi­zar­ro”, afir­mou. “Mui­ta gen­te, mui­to em­pre­sá­rio ga­nhou dinheiro no go­ver­no do PT e ago­ra vêm com es­se pa­po de Venezuela”, com­ple­tou. Pa­ra ele, o par­ti­do lan­çou luz so­bre a cor­rup­ção exis­ten­te e dei­xou a Po­lí­cia Fe­de­ral in­ves­ti­gar co­mo ne­nhum ou­tro par­ti­do fez.

Pa­ra Ma­ri­el­la Nas­ci­men­to e Dan­da­ra de Car­va­lho, o bra­si­lei­ro é “pre­gui­ço­so” pa­ra dis­cu­tir po­lí­ti­ca – e is­so fez com que Bol­so­na­ro cres­ces­se. “Os bol­so­na­ris­tas do­mi­nam me­lhor as fer­ra­men­tas de in­ter­net. Jo­gam es­se jo­go me­lhor. Eles atu­am de for­ma mui­to for­te e até a exaus­tão”, dis­se Ma­ri­el­la.

Os elei­to­res do Haddad tam­bém con­si­de­ram o discurso so­bre se­gu­ran­ça pú­bli­ca e vi­o­lên­cia re­pe­ti­do por Bol­so­na­ro al­go “fá­cil” e sem profundidade. “Fa­lar que vai aca­bar com a ban­di­da­gem não é pla­no de go­ver­no”, afir­mou Ana Ca­ro­li­na.

FOTOS: NILTON FUKUDA/ES­TA­DÃO

Pró-Haddad. Pu­bli­ci­tá­ri­os atacam ver­são de que PT trans­for­ma­ria o País nu­ma Venezuela

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.