‘NE­NHUM LA­DO QU­ER EN­TEN­DER O OU­TRO’

Isen­tos cri­ti­cam fal­ta de diá­lo­go en­tre os opos­tos

O Estado de S. Paulo - - Política -

Além de não di­a­lo­gar en­tre si, as “bo­lhas” que apoi­am Jair Bol­so­na­ro (PSL) e Fer­nan­do Haddad (PT) não con­se­gui­ram, pe­lo me­nos até ago­ra, con­ver­sar com elei­to­res que per­ten­cem a um ter­cei­ro gru­po: os isen­tos – aque­les que pre­ten­dem anu­lar o vo­to ou vo­tar em bran­co no se­gun­do tur­no. “Ne­nhum de­les me re­pre­sen­ta”, dis­se Di­a­ne Al­ves da Cos­ta, de 27 anos, exe­cu­ti­va de con­tas de uma re­de de ho­te­la­ria.

Es­se gru­po é for­ma­do, em sua mai­o­ria, por elei­to­res de Ge­ral­do Alck­min (PSDB) e João Amoê­do (No­vo). Ain­da as­sim, é pos­sí­vel en­con­trar gen­te que vo­tou em Ci­ro Go­mes (PDT) e Ma­ri­na Sil­va (Re­de) e ou­tros can­di­da­tos no pri­mei­ro tur­no.

Além dis­so, são elei­to­res que, em sua mai­o­ria, ab­di­ca­ram de “ba­ter bo­ca” em re­des so­ci­ais e gru­pos de WhatsApp – evi­tan­do até con­ver­sas mais pro­fun­das com seus pa­ren­tes mais pró­xi­mos.

“Em tem­pos de ódio, o não po­si­ci­o­na­men­to é se po­si­ci­o­nar”, afir­mou Di­a­ne. Pa­ra não se po­si­ci­o­nar, a exe­cu­ti­va pre­fe­riu não ter em seu ce­lu­lar ne­nhum gru­po de dis­cus­são so­bre elei­ções. “Não tem diá­lo­go. Nas re­des so­ci­ais, um não qu­er en­ten­der o ou­tro”, dis­se. “Tem fa­na­tis­mo dos dois la- dos. Já ou­vi dis­cur­sos in­fla­ma­dos de bol­so­na­ris­ta e de pe­tis­ta”, com­ple­tou.

Pa­ra o en­ge­nhei­ro agrô­no­mo Caio Cu­gler Si­quei­ra, de 25 anos, os po­lí­ti­cos não en­ten­de­ram os pro­tes­tos de 2013 e o efei­to da La­va Ja­to. “O de­se­jo por uma re­no­va­ção no sis­te­ma po­lí­ti­co foi su­bes­ti­ma­do.”

Cli­chês. “O País se per­deu em um de­ba­te de cli­chês en­tre se­gu­ran­ça pú­bli­ca, ar­mas, ame­a­ça co­mu­nis­ta e Lula, en­quan­to te­mas co­mo eco­no­mia, de­sem­pre­go, re­for­ma tri­bu­tá­ria, po­lí­ti­ca e pre­vi­dên­cia são ig­no­ra­das ou su­per­fi­ci­al­men­te dis­cu­ti­das”, dis­se Si­quei­ra.

Ele tam­bém não acre­di­ta que Haddad nem Bol­so­na­ro se­jam ca­pa­zes de en­cer­rar a po­la­ri­za­ção, con­si­de­ran­do que am­bos têm os mai­o­res ín­di­ces de re­jei­ção en­tre to­dos aque­les que se can­di­da­ta­ram.

Na opi­nião do em­pre­sá­rio Afon­so Soares Tri­go, de 32 anos, eleitor de Ma­ri­na Sil­va no pri­mei­ro tur­no, pe­tis­tas e bol­so­na­ris­tas agem com ar­ro­gân­cia e pa­re­cem do­nos da ra­zão. “É im­pos­sí­vel con­ver­sar com os dois la­dos. Eles sim­ples­men­te que­rem im­por uma vi­são de mun­do”, afir­mou. Por en­quan­to, Soares pre­ten­de vo­tar em bran­co. “Vai ser a pri­mei­ra vez que vou fa­zer is­so. Ain­da não ba­ti o mar­te­lo, mas es­sa é a ten­dên­cia”, afir­mou o em­pre­sá­rio.

“O WhatsApp da mi­nha fa­mí­lia vi­rou um cam­po de guerra. Quan­do não tem ofen­sa di­re­ta, tem al­fi­ne­ta­da. Já blo­que­ei e avi­sei que nem vou vo­tar”, dis­se a es­tu­dan­te de publicidade Amanda Di­as, de 21 anos.

HÉLVIO RO­ME­RO/ES­TA­DÃO

‘Fa­na­tis­mo’. Di­a­ne não se sen­te re­pre­sen­ta­da

WERTHER SANTANA/ES­TA­DÃO

Desilusão. Caio cri­ti­ca fal­ta de pro­pos­tas dos can­di­da­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.