João Domingos

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - JOÃO DOMINGOS E-MAIL: [email protected] TWITTER: @JOAODOMINGOS14 JOÃO DOMINGOS É JOR­NA­LIS­TA E ES­CRE­VE AOS SÁ­BA­DOS

Qual­quer coi­sa que atin­gir os fi­lhos de Jair Bol­so­na­ro res­pin­ga­rá no go­ver­no e se­rá no­tí­cia.

Pe­la com­po­si­ção da cha­pa pre­si­den­ci­al, pe­lo re­sul­ta­do da elei­ção pa­ra a Câ­ma­ra e pa­ra o Se­na­do, e pe­la es­co­lha de al­guns mi­nis­tros que ten­dem a se pau­tar pe­la ide­o­lo­gia ou mes­mo pe­la fé re­li­gi­o­sa, é bas­tan­te pro­vá­vel que o go­ver­no de Jair Bol­so­na­ro ve­nha a ter no mí­ni­mo três fo­cos per­ma­nen­tes de ten­são.

O prin­ci­pal de­les, e des­se não há co­mo es­ca­par, es­tá na fa­mí­lia do pre­si­den­te elei­to. Pe­la pri­mei­ra vez na his­tó­ria re­cen­te do País, e é pos­sí­vel que em to­do o pe­río­do re­pu­bli­ca­no, um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca te­rá três fi­lhos com man­da­to par­la­men­tar: Edu­ar­do, de­pu­ta­do, Flá­vio, se­na­dor, es­tes dois pe­lo PSL, e Car­los, ve­re­a­dor no Rio de Ja­nei­ro pe­lo PSC. To­dos eles con­se­lhei­ros do pai, ati­vos po­li­ti­ca­men­te, e mui­to atu­an­tes pe­las re­des so­ci­ais.

Qual­quer opi­nião de­les a res­pei­to de se­ja lá o que for, qual­quer ar­ti­cu­la­ção que fi­ze­rem, qual­quer coi­sa que os atin­ja, res­pin­ga­rá no go­ver­no e se­rá no­tí­cia com des­ta­que. Na­tu­ral que se­ja as­sim, por­que não há co­mo des­vin­cu­lar o pai dos fi­lhos sa­ben­do-se que são tão uni­dos e que têm o pen­sa­men­to pra­ti­ca­men­te igual.

Exem­plos da gran­de re­per­cus­são de tu­do o que en­vol­ve os fi­lhos já há aos mon­tes. Em abril o de­pu­ta­do Wa­dih Da­mous (PT-RJ) xin­gou o mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, do STF, e dis­se que a so­lu­ção pa­ra a Cor­te se­ria o seu fe­cha­men­to, trans­for­man­do-a em tri­bu­nal cons­ti­tu­ci­o­nal. O de­pu­ta­do Edu­ar­do Bol­so­na­ro dis­se em ju­lho, nu­ma pa­les­tra, no Pa­ra­ná, que bas­ta­vam um ca­bo e um sol­da­do pa­ra fe­char o Su­pre­mo. O cho­que mai­or foi cau­sa­do pe­la fa­la de Bol­so­na­ro, pois ele vi­ve a ex­pec­ta­ti­va do poder. Da­mous já o perdeu.

Qu­an­do a dis­pu­ta pe­las pre­si­dên­ci­as da Câ­ma­ra e do Se­na­do co­me­çar, qual­quer coi­sa que Flá­vio Bol­so­na­ro fi­zer no Se­na­do, ou o ir­mão fi­zer na Câ­ma­ra, se­rá vis­to co­mo um ato con­sen­ti­do do pai, o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, mes­mo que na­da te­nha a ver com ele. Se por um la­do Jair Bol­so­na­ro po­de di­zer, co­mo tem di­to, que é um pai feliz por ter três fi­lhos em car­gos ele­ti­vos, por ou­tro ele te­rá de acei­tar que, pe­las cir­cuns­tân­ci­as que en­vol­vem o poder, os fi­lhos são tam­bém um pe­so.

O se­gun­do pos­sí­vel fo­co de ten­são do go­ver­no de Bol­so­na­ro es­ta­rá no re­cém-cri­a­do Mi­nis­té­rio da Mu­lher, Fa­mí­lia e Di­rei­tos Hu­ma­nos. Em pri­mei­ro lu­gar, por­que é um mi­nis­té­rio que atu­a­rá em áre­as sen­sí­veis da so­ci­e­da­de, en­vol­ven­do ín­di­os, mi­no­ri­as, di­rei­to das mu­lhe­res, co­mu­ni­da­de LGBT e as no­vas si­glas que a ela vão se in­ter­li­gan­do e di­rei­tos hu­ma­nos. O mi­nis­té­rio se­rá um imã pa­ra atrair a aten­ção dos gru­pos so­ci­ais mais or­ga­ni­za­dos e en­ga­ja­dos do País, le­van­do-se em con­ta as opi­niões co­nhe­ci­das da fu­tu­ra mi­nis­tra da pas­ta, a ad­vo­ga­da e pas­to­ra Da­ma­res Al­ves.

Ela já se dis­se con­trá­ria ao abor­to, que nin­guém nas­ce gay, que não é a po­lí­ti­ca, mas a igre­ja evan­gé­li­ca que vai mu­dar a Na­ção, e que as fe­mi­nis­tas pro­mo­vem uma gu­er­ra en­tre ho­mens e mu­lhe­res. Não há dú­vi­das de que a po­lê­mi­ca vai se ins­ta­lar nes­sa área. Pa­ra pi­o­rar, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co abriu ação ci­vil pú­bli­ca con­tra uma ONG de Da­ma­res por “da­no mo­ral co­le­ti­vo de­cor­ren­te de su­as ma­ni­fes­ta­ções de ca­rá­ter dis­cri­mi­na­tó­rio à co­mu­ni­da­de in­dí­ge­na” por cau­sa da divulgação de um fil­me so­bre in­fan­ti­cí­dio in­dí­ge­na fei­to pe­la or­ga­ni­za­ção. Os pro­cu­ra­do­res pedem que a ONG se­ja con­de­na­da a pa­gar R$ 1 mi­lhão.

O ter­cei­ro pos­sí­vel fo­co de ten­são no go­ver­no de Bol­so­na­ro es­tá no vi­ce-pre­si­den­te, o ge­ne­ral Ha­mil­ton Mou­rão. Acos­tu­ma­do a fa­lar o que pen­sa so­bre tu­do e so­bre to­dos, da po­lí­ti­ca ex­ter­na à po­lí­ti­ca tra­ba­lhis­ta, da ne­ces­si­da­de de apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia à pri­va­ti­za­ção de es­ta­tais, o vi­ce cau­sa ba­ru­lho. Mes­mo que di­ga que per­dem tem­po os que acham que vão in­tri­gá-lo com Bol­so­na­ro, su­as de­cla­ra­ções sem­pre vão cau­sar im­pac­to.

Qual­quer coi­sa que atin­ja os fi­lhos do pre­si­den­te res­pin­ga­rá no go­ver­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.