ONG de mi­nis­tra é con­de­na­da por dis­cri­mi­nar ín­di­os

En­ti­da­de te­ve de re­ti­rar do ar, em 2017, ví­deo con­si­de­ra­do ofen­si­vo à dig­ni­da­de da co­mu­ni­da­de in­dí­ge­na pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - BRASÍLIA / AN­DRÉ BOR­GES e LORENNA RO­DRI­GUES

A en­ti­da­de Ati­ni – Voz pe­la Vi­da, que tem a fu­tu­ra mi­nis­tra Da­ma­res Al­ves en­tre os fun­da­do­res, foi con­de­na­da, a pe­di­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF), a ti­rar do ar ví­deo con­si­de­ra­do ofen­si­vo à po­pu­la­ção in­dí­ge­na. Da­ma­res se­rá res­pon­sá­vel pe­la Fu­nai. Ela não co­men­tou o ca­so.

A or­ga­ni­za­ção não go­ver­na­men­tal (ONG) Ati­ni - Voz Pe­la Vi­da foi con­de­na­da, no ano pas­sa­do, a re­ti­rar do ar um ví­deo con­si­de­ra­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral ofen­si­vo à co­mu­ni­da­de in­dí­ge­na. A en­ti­da­de tem en­tre as fun­da­do­ras a fu­tu­ra mi­nis­tra da Mu­lher, Fa­mí­lia e Di­rei­tos Hu­ma­nos, Da­ma­res Al­ves, que tam­bém fi­ca­rá res­pon­sá­vel pe­la Fun­da­ção Na­ci­o­nal do Ín­dio (Fu­nai).

No pe­di­do que sus­ten­tou a de­ci­são ju­di­ci­al, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Dis­tri­to Fe­de­ral afir­mou que o fil­me Ha­ka­ni – A his­tó­ria de uma so­bre­vi­ven­te “ge­rou pro­fun­da in­dig­na­ção na so­ci­e­da­de, ge­ran­do ma­ni­fes­ta­ções pre­con­cei­tu­o­sas e dis­cri­mi­na­tó­ri­as em fa­ce das co­mu­ni­da­des in­dí­ge­nas”.

Em sua ar­gu­men­ta­ção, o MPF de­cla­rou que o fil­me tinha o ob­je­ti­vo de “cha­mar aten­ção acer­ca do te­ma ‘in­fan­ti­cí­dio in­dí­ge­na’ e le­gi­ti­mar as ações mis­si­o­ná­ri­as no in­te­ri­or das co­mu­ni­da­des in­dí­ge­nas”. A vei­cu­la­ção do fil­me, jus­ti­fi­cou, bem co­mo a ex­po­si­ção de imagens de cri­an­ças e ado­les­cen­tes in­dí­ge­nas, “atin­ge a dig­ni­da­de hu­ma­na des­te gru­po pe­ran­te a so­ci­e­da­de”. Os pro­cu­ra­do­res pe­di­am à épo­ca que a ONG fos­se con­de­na­da a pa­gar R$ 1 mi­lhão.

Ain­da de acor­do com o MPF, a obra foi pro­du­zi­da em par­ce­ria com a ins­ti­tui­ção Jo­cum (Jo­vens Com Uma Mis­são), no­me ado­ta­do no Brasil pe­la or­ga­ni­za­ção evan­gé­li­ca de ori­gem ame­ri­ca­na Youth With a Mis­si­on. Fun­da­da em 1960, a or­ga­ni­za­ção ini­ci­ou as ati­vi­da­des mis­si­o­ná­ri­as no Brasil em me­a­dos da dé­ca­da de 1970, e ho­je pos­sui es­cri­tó­ri­os em qua­se to­dos os Es­ta­dos bra­si­lei­ros.

Em ou­tu­bro de 2017, a Jus­ti­ça do DF aca­tou par­te dos pe­di­dos da Pro­cu­ra­do­ria e de­ter­mi­nou sus­pen­são da vei­cu­la­ção do fil­me – não con­ce­deu a in­de­ni­za­ção pe­di­da. A Ati­ni - Voz Pe­la Vi­da re­cor­reu da de­ci­são.

O Es­ta­do ve­ri­fi­cou que ain­da há links dis­po­ní­veis na in­ter­net com aces­so ao fil­me, que tem 30 mi­nu­tos de du­ra­ção.

Pro­cu­ra­das, as en­ti­da­des não se ma­ni­fes­ta­ram até a conclusão des­ta edi­ção. On­tem, Da­ma­res Al­ves afir­mou que não tem pla­nos de “evan­ge­li­zar” os po­vos in­dí­ge­nas (mais in­for­ma­ções nes­ta pá­gi­na).

‘Sem agres­são’. Em en­tre­vis­ta con­ce­di­da no Cen­tro Cul­tu­ral Ban­co do Brasil (CCBB) qu­an­do foi anun­ci­a­da co­mo mi­nis­tra, an­te­on­tem, Da­ma­res dis­se ser con­tra a po­lí­ti­ca de iso­la­men­to dos ín­di­os bra­si­lei­ros e que a ideia é in­te­grá-los “sem agres­são à cul­tu­ra”. “Não abro mão dos meus ín­di­os”, afir­mou ela ao rei­te­rar que a Fu­nai, atu­al­men­te no Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, se­rá trans­fe­ri­da pa­ra sua pas­ta. Se­gun­do a mi­nis­tra, o pla­no é cui­dar do ín­dio “co­mo um to­do”, in­clu­si­ve da­que­les com de­fi­ci­ên­cia. “Ain­da te­mos po­vos que eli­mi­nam cri­an­ças com de­fi­ci­ên­cia.”

A de­ci­são do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, de trans­fe­rir a Fu­nai de mi­nis­té­rio cau­sou in­dig­na­ção en­tre ser­vi­do­res do ór­gão, que ve­em a mi­nis­tra co­mo de­fen­so­ra da atu­a­ção re­li­gi­o­sa e mis­si­o­ná­ria em al­dei­as in­dí­ge­nas. Da­ma­res é as­ses­so­ra no ga­bi­ne­te do se­na­dor Mag­no Mal­ta (PR-ES), que, ape­sar de ter si­do pró­xi­mo de Bol­so­na­ro na cam­pa­nha, fi­cou fo­ra do mi­nis­té­rio do no­vo go­ver­no.

On­tem, o se­na­dor di­vul­gou um ví­deo pa­ra ali­a­dos e elei­to­res no qual diz não ter in­di­ca­do sua as­ses­so­ra pa­ra o mi­nis­té­rio e atri­buiu a de­ci­são a uma es­co­lha pes­so­al do pre­si­den­te elei­to. “Es­cla­re­ço que ela não é uma in­di­ca­ção mi­nha, é uma es­co­lha pes­so­al do pre­si­den­te, que a con­vi­dou. Não fui co­mu­ni­ca­do, não fui so­li­ci­ta­do, não fui eu que a in­di­quei co­mo al­gu­mas pes­so­as pen­sam. Não tra­duz a ver­da­de. Ela é uma es­co­lha pes­so­al do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Eu de­se­jo to­da a sor­te do mun­do a ela”, afir­mou Mal­ta.

“(O fil­me) ge­rou pro­fun­da in­dig­na­ção na so­ci­e­da­de, ge­ran­do ma­ni­fes­ta­ções pre­con­cei­tu­o­sas e dis­cri­mi­na­tó­ri­as em fa­ce das co­mu­ni­da­des in­dí­ge­nas.”

MI­NIS­TÉ­RIO PÚ­BLI­CO FE­DE­RAL

SER­GIO LI­MA/AFP-6/12/2018

Pas­to­ra. Da­ma­res Al­ves é as­ses­so­ra no ga­bi­ne­te do se­na­dor Mag­no Mal­ta (PR-ES), que ne­gou tê-la in­di­ca­do pa­ra pas­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.