Mo­de­ra­da vai co­man­dar par­ti­do de Mer­kel

Con­ti­nui­da­de. De­le­ga­dos da União De­mo­cra­ta-Cris­tã (CDU) es­co­lhem An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er pa­ra subs­ti­tuir lí­der ale­mã, após 18 anos, na che­fia do par­ti­do, o que man­tém a le­gen­da na cen­tro-di­rei­ta e em bus­ca de elei­to­res se­du­zi­dos pe­la ex­tre­ma di­rei­ta

O Estado de S. Paulo - - Primeira Página - HAM­BUR­GO, ALE­MA­NHA / NYT,

An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er foi elei­ta subs­ti­tu­ta de An­ge­la Mer­kel no co­man­do da União De­mo­cra­ta-Cris­tã. Considerada mo­de­ra­da, te­rá co­mo de­sa­fio re­cu­pe­rar os elei­to­res que mi­gra­ram pa­ra a ex­tre­ma di­rei­ta.

Após 18 anos à fren­te da União De­mo­cra­ta-Cris­tã (CDU), a chanceler ale­mã, An­ge­la Mer­kel, en­tre­gou on­tem a li­de­ran­ça do par­ti­do con­ser­va­dor após uma vo­ta­ção aper­ta­da que co­lo­cou An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er, de 56 anos, co­mo sua subs­ti­tu­ta na che­fia da le­gen­da. A elei­ção foi um si­nal de que os con­ser­va­do­res ale­mães op­ta­ram pe­la con­ti­nui­da­de, já que An­ne­gret é ali­a­da po­lí­ti­ca de Mer­kel.

A vo­ta­ção dos 1.001 de­le­ga­dos da CDU reu­ni­dos no con­gres­so par­ti­dá­rio em Ham­bur­go é o pri­mei­ro pas­so pa­ra uma pós-Mer­kel. Pa­ra mui­tos, foi um en­dos­so ao le­ga­do de Mer­kel. “A vo­ta­ção tem uma im­por­tân­cia his­tó­ri­ca pa­ra o país, pois quem con­quis­ta a pre­si­dên­cia do par­ti­do tem gran­de chan­ces de se tor­nar chanceler”, dis­se o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Eckhard Jes­se, da Uni­ver­si­da­de de Chem­nitz. “É um si­nal de que mui­tos que­rem con­ti­nui­da­de.”

An­ne­gret é se­cre­tá­ria-ge­ral do par­ti­do, considerada uma no­va ver­são de Mer­kel por de­fen­der a mes­ma li­nha de cen­tro-di­rei­ta. Seu es­ti­lo mo­de­ra­do de li­de­ran­ça le­vou-a de um man­da­to de seis anos co­mo go­ver­na­do­ra do Sar­re, na fron­tei­ra com a Fran­ça, pa­ra sua elei­ção co­mo se­cre­tá­ria-ge­ral da CDU, a se­gun­da po­si­ção no par­ti­do.

Considerada por mem­bros da CDU competente e du­ro­na, ela demonstrou sua ca­pa­ci­da­de de en­trar em con­ta­to com a ba­se do par­ti­do em qua­se dez me­ses no car­go. Tam­bém demonstrou ap­ti­dão pa­ra tra­ba­lhar com Mer­kel, que não che­gou a en­dos­sá-la for­mal­men­te, mas dei­xou cla­ro que ela era sua can­di­da­ta pre­fe­ri­da.

An­ne­gret é ca­tó­li­ca pra­ti­can­te, per­ten­ce ao Co­mi­tê Cen­tral dos Ca­tó­li­cos Ale­mães. É con­tra o abor­to e o ca­sa­men­to ho­mos­se­xu­al. Na cam­pa­nha, ata­cou a po­lí­ti­ca

An­ne­gret Kramp-Kar­ren­bau­er

re­la­ti­va­men­te aber­ta de Mer­kel em re­la­ção aos re­fu­gi­a­dos. Ela pe­diu que os imi­gran­tes con­si­de­ra­dos cul­pa­dos de cri­mes se­jam ex­tra­di­ta­dos. Tam­bém de­fen­deu um for­ta­le­ci­men­to dos cen­tros de de­ten­ção on­de os re­que­ren­tes de asi­lo são man­ti­dos até que seu sta­tus le­gal se­ja de­ci­di­do, tor­nan­do mais fá­cil de­por­tar os re­jei­ta­dos.

Aper­to. Sua vi­tó­ria foi aper­ta­da. An­ne­gret con­cor­reu com o mi­li­o­ná­rio Fri­e­dri­ch Merz, de 63 anos, ri­val de­cla­ra­do de Mer­kel que pro­pu­nha uma gui­na­da à di­rei­ta da CDU, e con­tra o jo­vem mi­nis­tro da Saú­de, Jens Spahn. Ele foi eli­mi­na­do na pri­mei­ra vo­ta­ção e An­ne­gret der­ro­tou Merz no se­gun­do tur­no, por 517 vo­tos a 482.

“Nas úl­ti­mas se­ma­nas, li mui­to so­bre quem eu sou. ‘Mi­niMer­kel’, uma ‘có­pia da chanceler’, ‘mais do mes­mo’. Ho­je, es­tou di­an­te de vo­cê co­mo sou, uma mãe de três fi­lhos que sa­be co­mo po­de ser di­fí­cil com­bi­nar fa­mí­lia e car­rei­ra, mas que passou 18 anos apren­den­do a li­de­rar”, dis­se An­ne­gret, após a vi­tó­ria. “Não há na­da de ‘mi­ni’ so­bre mim, nem de ‘có­pia’.”

Ape­sar de de­fen­der as po­lí­ti­cas de Mer­kel, ela pro­me­teu mu­dan­ças. “Não se po­de con­ti­nu­ar ar­bi­tra­ri­a­men­te na mes­ma li­nha, nem se po­de re­jei­tá-la”, dis­se. “Es­ta­rei me­nos in­cli­na­da a acei­tar co­mo fa­to imu­tá­vel que as coi­sas são co­mo são.”

Os ana­lis­tas po­lí­ti­cos ob­ser­va­ram que os de­le­ga­dos ba­se­a­ri­am sua es­co­lha não ape­nas na ad­mi­nis­tra­ção do par­ti­do, mas tam­bém com um olho nas chan­ces do lí­der nas pró­xi­mas elei­ções ge­rais. “Ela ado­ta um tom mais agres­si­vo con­tra os imi­gran­tes, sem ser ra­di­cal, is­so po­de aju­dar a atrair elei­to­res con­ser­va­do­res que vo­ta­ram na AfD (le­gen­da de ul­tra­di­rei­ta)”, afir­mou Eckhard à AFP.

De­sa­fio. An­ge­la Mer­kel se­gue co­mo chanceler e es­pe­ra che­gar ao fim de seu man­da­to co­mo che­fe de go­ver­no, pre­vis­to pa­ra 2021. Is­so de­pen­de­rá de sua su­ces­so­ra à fren­te da CDU. Ca­so ela per­ca apoio no Par­la­men­to ou re­ce­ba vo­tos de des­con­fi­an­ça, te­ria de con­vo­car elei­ções an­te­ci­pa­das, um ce­ná­rio pos­sí­vel se­gun­do ana­lis­tas.

Di­an­te da pres­são re­pre­sen­ta­da pe­lo cres­ci­men­to da AfD, a cen­tro-di­rei­ta ale­mã en­fren­ta um ce­ná­rio de de­clí­nio elei­to­ral e pre­ci­sa de um no­vo im­pul­so. Ao la­do do ali­a­do bá­va­ro União Social-Cris­tã(CSU), a CDU tem de 26% a 28% das in­ten­ções de vo­to, se­gun­do as pes­qui­sas, com viés de al­ta pa­ra as pers­pec­ti­vas elei­to­rais da AfD.

Pa­ra mui­tos lí­de­res da CDU, o prin­ci­pal ob­je­ti­vo é re­cu­pe­rar os an­ti­gos elei­to­res, que ago­ra pre­fe­rem a ex­tre­ma di­rei­ta. “Foi um er­ro le­var a CDU pa­ra a es­quer­da, o que per­mi­tiu ao AfD se si­tu­ar à di­rei­ta sem fa­zer gran­des es­for­ços. Tam­bém foi um er­ro per­mi­tir du­ran­te me­ses uma per­da de con­tro­le nas fron­tei­ras”, afir­mou, em edi­to­ri­al, a re­vis­ta Der Spi­e­gel.

“Nas úl­ti­mas se­ma­nas, li mui­to so­bre quem eu sou. ‘Mi­ni-Mer­kel’, ‘có­pia da chanceler’. Não há na­da de mi­ni so­bre mim, nem có­pia” Li­de­ran­ça

NO­VA LÍ­DER DA CDU

INFOGRÁFICO/ESTADÃO

MI­CHA­EL SOHN/AP

Vi­tó­ria. An­ne­gret (de fren­te) co­me­mo­ra elei­ção com An­ge­la Mer­kel ao fun­do, em Ham­bur­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.