Li­ber­da­de re­li­gi­o­sa, di­rei­to ame­a­ça­do

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - DOM ODILO P. SCHERER CARDEAL-ARCEBISPO DE SÃO PAU­LO

No pró­xi­mo dia 10 de de­zem­bro co­me­mo­ra-se o 70.º ani­ver­sá­rio da Declaração Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das. Es­sa “car­ta mag­na” dos di­rei­tos hu­ma­nos foi ela­bo­ra­da, apro­va­da e pro­cla­ma­da de­pois que a hu­ma­ni­da­de passou, em me­nos de 50 anos, por du­as ter­rí­veis guer­ras mundiais, que pro­mo­ve­ram a bar­bá­rie, fi­ze­ram um nú­me­ro enor­me de ví­ti­mas e es­pa­lha­ram dor, fe­ri­da e des­trui­ção em meio mun­do.

A Declaração de 1948 re­pre­sen­tou uma con­quis­ta da hu­ma­ni­da­de e a ex­pres­são da von­ta­de co­mum de vi­da ci­vi­li­za­da e res­pei­to­sa, sem im­po­si­ção de so­lu­ções vi­o­len­tas a nin­guém, quer nas re­la­ções so­ci­ais, quer nas in­ter­na­ci­o­nais. De­cor­ri­dos 70 anos, va­le a pe­na per­gun­tar se es­ses di­rei­tos hu­ma­nos fun­da­men­tais fo­ram in­te­gral­men­te res­pei­ta­dos por to­dos os paí­ses e pro­du­zi­ram os efei­tos de­se­ja­dos pe­la as­sem­bleia das Na­ções Uni­das que os pro­mul­gou. La­men­ta­vel­men­te, a res­pos­ta é ne­ga­ti­va; nem mes­mo foi a Declaração as­si­na­da de for­ma unâ­ni­me pe­los paí­ses re­pre­sen­ta­dos na ONU.

É pre­ci­so re­co­nhe­cer, po­rém, que a Declaração de 1948 mar­cou um pro­gres­so enor­me no re­co­nhe­ci­men­to uni­ver­sal da dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na e na afir­ma­ção e de­fe­sa dos seus di­rei­tos fun­da­men­tais. Mes­mo não sen­do in­te­gral­men­te res­pei­ta­dos, os ar­ti­gos da Declaração são a re­fe­rên­cia co­mum pa­ra a le­gis­la­ção par­ti­cu­lar dos po­vos. Não é pos­sí­vel agir em con­tras­te com os ar­ti­gos da Declaração sem que is­so te­nha con­sequên­ci­as. Os paí­ses-mem­bros da ONU e as or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais re­co­nhe­ci­das co­mo legítimas têm o de­ver de ze­lar pa­ra que os di­rei­tos hu­ma­nos afir­ma­dos pe­la Declaração se­jam de­vi­da­men­te res­pei­ta­dos.

A lei­tu­ra aten­ta dos 30 ar­ti­gos da Declaração da ONU le­va a con­cluir que os di­rei­tos hu­ma­nos fun­da­men­tais ain­da es­tão ame­a­ça­dos, com frequên­cia. Mais ain­da: a vi­o­la­ção dos ci­ta­dos di­rei­tos uni­ver­sais nem sem­pre sus­ci­ta a re­a­ção es­pe­ra­da da par­te dos go­ver­nan­tes dos po­vos. Tem-se a im­pres­são de que o dis­cur­so so­bre os di­rei­tos hu­ma­nos, em cer­tas cir­cuns­tân­ci­as, é si­len­ci­a­do ou ame­ni­za­do em vis­ta de ma­no­bras po­lí­ti­cas e da bus­ca de van­ta­gens uti­li­ta­ris­tas. Os di­rei­tos hu­ma­nos aca­bam, não ra­ra­men­te, sa­cri­fi­ca­dos na me­sa das ne­go­ci­a­ções po­lí­ti­cas e econô­mi­cas, ou em no­me do po­li­ti­ca­men­te cor­re­to.

Um des­ses di­rei­tos hu­ma­nos fun­da­men­tais ame­a­ça­dos é o di­rei­to à li­ber­da­de re­li­gi­o­sa. O ar­ti­go 18 da Declaração da ONU es­ta­be­le­ce que “to­da pes­soa tem di­rei­to à li­ber­da­de de pen­sa­men­to, cons­ci­ên­cia e re­li­gião; es­se di­rei­to in­clui a li­ber­da­de de mu­dar de re­li­gião ou crença e a li­ber­da­de de ma­ni­fes­tar es­sa re­li­gião ou crença, pe­lo en­si­no, pe­la prá­ti­ca, pe­lo cul­to e pe­la ob­ser­vân­cia, iso­la­da ou co­le­ti­va­men­te, em pú­bli­co ou em par­ti­cu­lar”. No Brasil, a Cons­ti­tui­ção de 1988 con­so­li­dou a li­ber­da­de de crença e de cul­to nos ar­ti­gos 5.º e 19, e na Lei n.º 7.716, de 1989, que con­fi­gu­ra co­mo cri­me a dis­cri­mi­na­ção por ra­ça, cor, et­nia, re­li­gião ou na­ci­o­na­li­da­de.

No dia 22 de no­vem­bro pas­sa­do, a Fun­da­ção Pon­ti­fí­cia Aid to the Chur­ch in Ne­ed – Aju­da à Igre­ja que So­fre (ACN) –, que mo­ni­to­ra a si­tu­a­ção da li­ber­da­de re­li­gi­o­sa no mun­do, pu­bli­cou seu re­la­tó­rio anu­al e cons­ta­tou que a dis­cri­mi­na­ção e mes­mo a per­se­gui­ção re­li­gi­o­sa aber­ta ain­da são tris­tes e fre­quen­tes re­a­li­da­des no mun­do, que até se agra­va­ram nos anos mais re­cen­tes. Pre­o­cu­pa a in­for­ma­ção de que na­da me­nos que 61% da po­pu­la­ção mun­di­al vi­ve em paí­ses on­de a li­ber­da­de re­li­gi­o­sa não é res­pei­ta­da. Is­so cor­res­pon­de a qua­se 4 bi­lhões de pes­so­as! Um em ca­da cin­co paí­ses re­gis­tra gra­ves vi­o­la­ções à li­ber­da­de re­li­gi­o­sa e em 21 paí­ses há per­se­gui­ção re­li­gi­o­sa de­cla­ra­da! Os con­ti­nen­tes on­de se re­gis­tram os mai­o­res pro­ble­mas nes­se sen­ti­do são a Ásia e a Áfri­ca.

De to­dos os gru­pos re­li­gi­o­sos, os cris­tãos são os que mais so­frem dis­cri­mi­na­ção, res­tri­ção à li­ber­da­de de re­li­gião e até per­se­gui­ção aber­ta. No mun­do há cerca de 300 mi­lhões de cris­tãos per­se­gui­dos ou sem ple­na li­ber­da­de re­li­gi­o­sa e is­so sig­ni­fi­ca que, de ca­da se­te cris­tãos, um vi­ve sem li­ber­da­de re­li­gi­o­sa. A im­pren­sa e as mí­di­as so­ci­ais do Oci­den­te di­vul­ga­ram, por ve­zes, epi­só­di­os de vi­o­lên­cia e dis­cri­mi­na­ção re­li­gi­o­sa con­tra cris­tãos du­ran­te as guer­ras no Ira­que e na Sí­ria, os ata­ques con­tra tem­plos e gru­pos de cris­tãos no Egi­to, no Pa­quis­tão, na Ni­gé­ria, na Ín­dia, no Con­go e no Afe­ga­nis­tão. Ge­ral­men­te, po­rém, as gra­ves vi­o­la­ções con­tra a li­ber­da­de re­li­gi­o­sa não re­ce­bem a aten­ção de­vi­da na opi­nião pú­bli­ca. O mun­do con­ti­nua a ig­no­rar os cris­tãos per­se­gui­dos.

Fa­tos de dis­cri­mi­na­ção e in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa, bem co­mo ações de vi­li­pên­dio con­tra tem­plos e sím­bo­los re­li­gi­o­sos cris­tãos e não cris­tãos, se ve­ri­fi­cam tam­bém em paí­ses de­mo­crá­ti­cos do Oci­den­te, tal co­mo no Brasil, não re­ce­ben­do sem­pre a de­vi­da de­sa­pro­va­ção pú­bli­ca. Mes­mo cer­to dis­cur­so equi­vo­ca­do so­bre a “lai­ci­da­de do Es­ta­do”, co­mo se es­te de­ves­se ser ofi­ci­al­men­te an­tir­re­li­gi­o­so, em vez de ser ar­re­li­gi­o­so e de as­se­gu­rar a to­dos a li­ber­da­de re­li­gi­o­sa, po­de ser ex­pres­são de dis­cri­mi­na­ção re­li­gi­o­sa. O di­rei­to à li­ber­da­de re­li­gi­o­sa não de­ve ser con­si­de­ra­do se­cun­dá­rio, ou uma es­pé­cie de “pri­mo po­bre” en­tre os di­rei­tos hu­ma­nos. O di­rei­to a ter re­li­gião, ou de não a ter, de a ex­pres­sar e pro­fes­sar li­vre­men­te, es­tá es­trei­ta­men­te re­la­ci­o­na­do com as de­mais li­ber­da­des que de­cor­rem da dig­ni­da­de hu­ma­na, co­mo a li­ber­da­de de cons­ci­ên­cia e de pen­sa­men­to, de opi­nião e ma­ni­fes­ta­ção.

Não é sem mo­ti­vo que mui­tas guer­ras en­tre po­vos e con­fli­tos so­ci­ais, ao lon­go da His­tó­ria, te­nham es­ta­do mes­cla­dos com ques­tões re­li­gi­o­sas: ou pe­la pre­ten­são de im­por uma re­li­gião à for­ça, usan­do me­ca­nis­mos da es­tru­tu­ra do Es­ta­do pa­ra is­so; ou por­que se rei­vin­di­ca­va a li­ber­da­de re­li­gi­o­sa on­de ela não exis­tia, sen­do dis­cri­mi­na­dos nos seus di­rei­tos os ci­da­dãos não ali­nha­dos com cer­ta re­li­gião “ofi­ci­al”.

On­de não há res­pei­to pe­la li­ber­da­de re­li­gi­o­sa não há paz.

Cerca de 300 mi­lhões de cris­tãos são per­se­gui­dos e o mun­do con­ti­nua a ig­no­rá-los

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.