Ita­ma­raty mu­da de po­si­ção e vo­ta a fa­vor de Is­ra­el na ONU

Go­ver­no bra­si­lei­ro apoia re­so­lu­ção pro­pos­ta pe­los EUA que con­de­na­va ata­ques do Ha­mas; fi­lho de Bol­so­na­ro elo­gia vo­to

O Estado de S. Paulo - - Política - Ja­mil Cha­de COR­RES­PON­DEN­TE GE­NE­BRA

Aban­do­nan­do a tra­di­ci­o­nal po­si­ção do País em votações so­bre o con­fli­to en­tre is­ra­e­len­ses e pa­les­ti­nos, o Ita­ma­raty vo­tou ao la­do de Is­ra­el e dos EUA em uma re­so­lu­ção na ONU. O vo­to ocor­reu na noi­te de an­te­on­tem e era uma ini­ci­a­ti­va ame­ri­ca­na pa­ra con­de­nar o Ha­mas por dis­pa­rar mís­seis con­tra Is­ra­el. A re­so­lu­ção não passou na As­sem­bleia-Ge­ral das Na­ções Uni­das.

Pa­ra que fos­se apro­va­da, ela pre­ci­sa­va re­ce­ber dois ter­ços dos vo­tos. Mas con­se­guiu 87 apoi­os, con­tra 57 paí­ses que re­jei­ta­ram a re­so­lu­ção, além de 33 abs­ten­ções. Nik­ki Ha­ley, a em­bai­xa­do­ra ame­ri­ca­na, era a prin­ci­pal pro­mo­to­ra do tex­to que se­ria o pri­mei­ro a con­de­nar o Ha­mas, se fos­se apro­va­do.

Nas re­des so­ci­ais, o de­pu­ta­do fe­de­ral Edu­ar­do Bol­so­na­ro (PSL-SP), fi­lho do pre­si­den­te elei­to, Jair Bol­so­na­ro, in­si­nu­ou que a mu­dan­ça no vo­to bra­si­lei­ro já era o re­sul­ta­do da vi­são do no­vo go­ver­no e do fu­tu­ro chanceler Er­nes­to Araú­jo.

“Foi a pri­mei­ra vez que o Brasil vo­tou a fa­vor de Is­ra­el con­tra gru­pos ter­ro­ris­tas”, escreveu o fi­lho do pre­si­den­te elei­to. Na men­sa­gem, ele man­da seus “pa­ra­béns” pa­ra Ha­ley, ao Ita­ma­raty e a Araú­jo.

“O Brasil vai dei­xar de ser um anão di­plo­má­ti­co”, escreveu ele, nu­ma re­fe­rên­cia a uma crí­ti­ca que o go­ver­no is­ra­e­len­se ha­via lan­ça­do con­tra o Brasil há poucos anos. Ar­gen­ti­na, Uru­guai e Chi­le tam­bém vo­ta­ram a fa­vor do tex­to.

Tra­di­ci­o­nal­men­te, o Brasil op­ta­va por um apoio aos pa­les­ti­nos ou, em al­guns ca­sos, pe­la abs­ten­ção. O ar­gu­men­to era de que o go­ver­no agia con­for­me o “di­rei­to in­ter­na­ci­o­nal”. A pos­tu­ra pre­va­le­ceu nos go­ver­nos de José Sar­ney, Fer­nan­do Col­lor de Me­lo, Ita­mar Fran­co, Fer­nan­do Hen­ri­que Cardoso, Luiz Iná­cio Lu­la da Silva, Dil­ma Rous­seff e, até an­te­on­tem, na ges­tão de Mi­chel Te­mer.

Em­bai­xa­da. Mes­mo em de­zem­bro de 2017, o go­ver­no Te­mer foi um dos 128 paí­ses que apoi­a­ram re­so­lu­ção na ONU con­de­nan­do a de­ci­são de Do­nald Trump de trans­la­dar sua em­bai­xa­da em Is­ra­el pa­ra Je­ru­sa­lém. Se­gun­do o tex­to apro­va­do, uma de­ci­são de qual­quer go­ver­no ques­ti­o­nan­do o sta­tus da ci­da­de de­ve ser con­si­de­ra co­mo “nu­la e in­vá­li­da”.

Já em ou­tras re­so­lu­ções apre­sen­ta­das por Is­ra­el so­bre ou­tros as­sun­tos, co­mo tec­no­lo­gia e de­sen­vol­vi­men­to, po­rém, o Brasil já ha­via apoi­a­do o go­ver­no de Tel-Aviv na ONU.

Con­si­de­ra­do co­mo uma en­ti­da­de ter­ro­ris­ta por eu­ro­peus e ame­ri­ca­nos, o Ha­mas emi­tiu um aler­ta ao go­ver­no bra­si­lei­ro qu­an­do foi anun­ci­a­do que Bol­so­na­ro tam­bém pre­ten­de mu­dar a em­bai­xa­da do Brasil em Is­ra­el, de Tel-Aviv pa­ra Je­ru­sa­lém. “Re­jei­ta­mos a de­ci­são do pre­si­den­te elei­to do Brasil, Jair Bol­so­na­ro, de mo­ver a em­bai­xa­da de Tel-Aviv pa­ra Je­ru­sa­lém e pe­di­mos que ele aban­do­ne sua de­ci­são”, de­cla­rou o por­ta-voz do Ha­mas, Sa­mi Abu Zuh­ri. Pa­ra ele, a ini­ci­a­ti­va se­ria um “pas­so hos­til ao po­vo pa­les­ti­no”.

‘Gol­pe’. O re­sul­ta­do da ses­são de an­te­on­tem foi con­si­de­ra­do pe­lo Ha­mas co­mo um “gol­pe”

Edu­ar­do Bol­so­na­ro

con­tra o go­ver­no de Do­nald Trump. Nas re­des so­ci­ais, seu por­ta-voz, Sa­mi Zah­ri, escreveu que a vo­ta­ção “confirma a le­gi­ti­mi­da­de de nos­sa re­sis­tên­cia”.

Ain­da as­sim, Ben­ja­min Ne­tanyahu, pri­mei­ro-mi­nis­tro de Is­ra­el, co­me­mo­rou o re­sul­ta­do na ONU, in­di­can­do que es­sa ha­via si­do a pri­mei­ra vez que tan­tos paí­ses de­ram apoio a um de seus in­te­res­ses.

O em­bai­xa­dor de Is­ra­el na ONU, Danny Da­non, dis­se que a re­so­lu­ção ape­nas foi der­ro­ta­da por con­ta de uma mu­dan­ça no pro­ces­so de vo­ta­ção. Mo­men­tos an­tes do vo­to, foi es­ta­be­le­ci­do que se­ri­am ne­ces­sá­ri­os dois ter­ços de apoio pa­ra que o tex­to fos­se apro­va­do.

Ha­ley não pou­pou crí­ti­cas à ma­no­bra, acu­sou go­ver­nos de es­ta­rem apoi­an­do o ter­ro­ris­mo e aler­tou que a mu­dan­ça no vo­to tinha “co­mo úni­ca fi­na­li­da­de im­pe­dir a apro­va­ção da re­so­lu­ção”.

“Foi a pri­mei­ra vez que o Brasil vo­tou a fa­vor de Is­ra­el con­tra gru­pos ter­ro­ris­tas.” ‘Ter­ro­ris­tas’

DE­PU­TA­DO FE­DE­RAL (PSL-SP),

EM CO­MEN­TÁ­RIO POS­TA­DO

NAS RE­DES SO­CI­AIS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.