No­vas re­gras pa­ra dis­tra­tos be­ne­fi­ci­am ações de cons­tru­ção

O Estado de S. Paulo - - Economia - Wag­ner Go­mes

Os pre­ços das ações das em­pre­sas do se­tor imo­bi­liá­rio de­vem su­bir be­ne­fi­ci­a­dos pe­las no­vas re­gras dos dis­tra­tos. Ain­da que os efei­tos mais sig­ni­fi­ca­ti­vos da me­di­da acon­te­çam no lon­go pra­zo, co­mo pre­ve­em al­guns ana­lis­tas, o re­a­que­ci­men­to do mer­ca­do e o des­tra­va­men­to dos in­ves­ti­men­tos de­vem im­pul­si­o­nar os pa­péis. O pro­je­to de lei que cria nor­mas pa­ra os can­ce­la­men­tos dos con­tra­tos de com­pra e ven­da de imó­veis na plan­ta foi apro­va­do nes­ta se­ma­na na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

“O im­pac­to es­pe­ra­do é de va­lo­ri­za­ção nas ações de em­pre­sas imo­bi­liá­ri­as, com efei­tos mais sig­ni­fi­ca­ti­vos no lon­go pra­zo. O pro­je­to apro­va­do cer­ta­men­te be­ne­fi­ci­a­rá no­vos lan­ça­men­tos e de­ve for­ne­cer su­por­te pa­ra a de­sa­ce­le­ra­ção de en­tre­gas de em­pre­en­di­men­tos, so­bre­tu­do em pe­río­dos de que­da nos pre­ços de imó­veis. Va­le no­tar tam­bém que a lei de­ve tor­nar o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os me­nos sus­ce­tí­vel a es­pe­cu­la­ções, re­du­zin­do as in­cer­te­zas”, diz Ale­xan­dre Fa­tu­ri, da No­va Fu­tu­ra In­ves­ti­men­tos.

Pa­ra o ana­lis­ta de in­ves­ti­men­tos da Mi­rae As­set We­alth Ma­na­ge­ment, Pedro Gal­di, com as re­gras de­fi­ni­das e a eco­no­mia re­to­man­do (re­du­ção de de­sem­pre­go, pes­so­as re­cu­pe­ran­do poder de cré­di­to e con­fi­an­ça) a ten­dên­cia é po­si­ti­va pa­ra o se­tor e con­se­quen­te­men­te pa­ra o de­sem­pe­nho das ações, prin­ci­pal­men­te de Ez­tec e MRV. Ele ex­pli­ca que já há si­na­li­za­ção de em­pre­sas de au­men­to de con­sul­tas, o que apon­ta pa­ra uma re­to­ma­da da ati­vi­da­de. “Com­par­ti­lha­mos es­te sen­ti­men­to, mas es­te vi­rá com o iní­cio de de­ci­sões do no­vo go­ver­no no pri­mei­ro se­mes­tre do ano que vem”, afir­ma Gal­di.

Ri­car­do Pe­ret­ti, do Santander, afir­ma que a apro­va­ção do pro­je­to de lei e o seu pos­te­ri­or en­vio à san­ção pre­si­den­ci­al, é po­si­ti­va pa­ra as cons­tru­to­ras de mé­dia e al­ta ren­da por tra­zer se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca às com­pa­nhi­as e per­mi­tir que as mes­mas re­te­nham uma par­ce­la mai­or do que já foi pa­go pe­los com­pra­do­res. O Santander acre­di­ta que o pro­je­to be­ne­fi­ci­a­rá, prin­ci­pal­men­te, Cy­re­la, Ez­tec e Even. “Em­bo­ra a me­di­da não en­de­re­ce to­dos os pro­ble­mas en­vol­ven­do can­ce­la­men­tos, aju­da­rá as cons­tru­to­ras a re­du­zir o es­tres­se fi­nan­cei­ro du­ran­te even­tu­ais au­men­tos nos can­ce­la­men­tos da­qui pa­ra fren­te”, afir­ma Pe­ret­ti.

Pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na, o Santander re­ti­rou Bra­des­co da car­tei­ra e in­cluiu Ban­co do Brasil.

A Gui­de acres­cen­tou Lo­jas Ren­ner e Ban­co do Brasil. So­bre a va­re­jis­ta a cor­re­to­ra des­ta­ca o poder de ino­va­ção da ges­tão e a efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal da com­pa­nhia. “A Ren­ner re­por­tou um rí­gi­do con­tro­le de cus­tos na ope­ra­ção de va­re­jo e bem su­ce­di­do ge­ren­ci­a­men­to de es­to­ques”. So­bre o BB, a Gui­de diz que se­gue confiante no de­sem­pe­nho dos pa­péis nes­te fi­nal de se­mes­tre, já que os úl­ti­mos re­sul­ta­dos ope­ra­ci­o­nais têm su­pe­ra­do a ex­pec­ta­ti­va do mer­ca­do.

Na car­tei­ra do BB In­ves­ti­men­tos en­tra­ram Equa­to­ri­al, Na­tu­ra e Bra­des­co.

A par­tir des­ta se­ma­na a Mi­rae passou a fa­zer par­te das cor­re­to­ras que par­ti­ci­pam da co­lu­na, sen­do BRF, Pão de Açú­car, Pe­tro­bras, Usi­mi­nas e Ul­tra­par os pa­péis re­co­men­da­dos. So­bre a pe­tro­lei­ra, Gal­di diz que o de­sin­ves­ti­men­to da com­pa­nhia é bem sig­ni­fi­ca­ti­vo e ele não des­car­ta que se­ja ain­da mai­or, já que o fu­tu­ro pre­si­den­te, Ro­ber­to Cas­tel­lo Bran­co, “não vai que­rer den­tro da em­pre­sa na­da que não se­ja vi­tal pa­ra a sua so­bre­vi­vên­cia”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.