Mí­ni­mo de­ve su­bir me­nos, su­ge­re Fa­zen­da

Re­la­tó­rio da pas­ta su­ge­re ou­tras me­di­das a Bol­so­na­ro pa­ra não es­tou­rar o te­to de gas­tos

O Estado de S. Paulo - - Economia - Edu­ar­do Ro­dri­gues BRASÍLIA

Além de re­for­mar a Pre­vi­dên­cia e mu­dar a po­lí­ti­ca de con­tra­ta­ção de ser­vi­do­res, o go­ver­no do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro pre­ci­sa­rá re­du­zir os re­a­jus­tes do sa­lá­rio mí­ni­mo pa­ra não es­tou­rar o te­to de gas­tos até 2022. A ava­li­a­ção é do pró­prio Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da, que su­ge­riu me­di­das pa­ra ga­ran­tir que o te­to se­rá cum­pri­do nos pró­xi­mos qu­a­tro anos.

O mi­nis­té­rio di­vul­gou on­tem um do­cu­men­to no qual re­ba­te crí­ti­cas fei­tas ao te­to de gas­tos – me­ca­nis­mo que proí­be que as des­pe­sas su­bam em rit­mo su­pe­ri­or à in­fla­ção –, apro­va­do em 2016. A pas­ta ar­gu­men­ta que o li­mi­te si­na­li­za o compromisso com o ajus­te fis­cal, mas ad­mi­te que te­to po­de ser es­tou­ra­do ca­so re­for­mas adi­ci­o­nais – co­mo a da Pre­vi­dên­cia e a de pes­so­al – não se­jam apro­va­das.

O ór­gão tam­bém su­ge­re a mu­dan­ça na atu­al re­gra de re­a­jus­te do sa­lá­rio mí­ni­mo. A nor­ma atu­al, que va­le pa­ra o sa­lá­rio mí­ni­mo de 2019, pre­vê a cor­re­ção pe­la in­fla­ção, mais o cres­ci­men­to da eco­no­mia de dois anos an­tes. Con­for­me o Estadão/Bro­ad­cast já ha­via adi­an­ta­do, o mi­nis­té­rio su­ge­re que o no­vo go­ver­no aca­be com o ga­nho re­al do sa­lá­rio a par­tir de 2020, re­a­jus­tan­do-o ape­nas pe­lo ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor (INPC). A pas­ta tam­bém de­fen­de o pa­ga­men­to do abo­no sa­la­ri­al ape­nas pa­ra os tra­ba­lha­do­res que ga­nham até um sa­lá­rio mí­ni­mo.

Ar­ro­cho. Sem es­sas me­di­das, o pró­xi­mo go­ver­no te­ria que fa­zer um ar­ro­cho de R$ 112 bi­lhões em 2022 pa­ra não pres­si­o­nar a má­qui­na pú­bli­ca a pon­to de rom­per os li­mi­tes do te­to de gas­tos. Man­ti­do o ce­ná­rio atu­al, o go­ver­no te­ria ape­nas R$ 25 bi­lhões dis­po­ní­veis na­que­le ano pa­ra fa­zer fren­te a uma ne­ces­si­da­de de R$ 136 bi­lhões em des­pe­sas dis­cri­ci­o­ná­ri­as.

Com as qu­a­tro me­di­das su­ge­ri­das, po­rém, a pró­xi­ma ges­tão já ga­ran­ti­ria uma eco­no­mia de R$ 115 bi­lhões em 2022 (sen­do R$ 50 bi­lhões com o INSS, R$ 15 bi­lhões com a fo­lha de sa­lá­ri­os, R$ 32 bi­lhões com o re­a­jus­te me­nor no sa­lá­rio mí­ni­mo e R$ 18 bi­lhões com o pa­ga­men­to do abo­no). Ou se­ja, em um ce­ná­rio re­for­mis­ta, ha­ve­ria até mes­mo uma fol­ga de R$ 3 bi­lhões pa­ra as des­pe­sas do go­ver­no da­qui a qu­a­tro anos.

O do­cu­men­to res­pon­de uma sé­rie de crí­ti­cas a li­mi­te de des­pe­sas, co­me­çan­do pe­la afir­ma­ção de que o te­to de gas­tos se­ria in­sus­ten­tá­vel por­que, ao es­tran­gu­lar a má­qui­na pú­bli­ca, le­va­ria à pa­ra­li­sia do go­ver­no. A Fa­zen­da res­pon­deu ci­tan­do o rol de me­di­das de ajus­te que se­ri­am aci­o­na­das au­to­ma­ti­ca­men­te ca­so o li­mi­te de gas­tos pre­ci­sas­se ser des­res­pei­ta­do, co­mo a ve­da­ção a re­a­jus­tes de ser­vi­do­res e a cri­a­ção de car­gos, além da con­ces­são de no­vos be­ne­fí­ci­os tri­bu­tá­ri­os.

“Ul­tra­pas­sar o li­mi­te de gas­tos não é o fim ou o fra­cas­so da po­lí­ti­ca. É uma pos­si­bi­li­da­de exis­ten­te e pre­vis­ta na Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal, que ati­va me­ca­nis­mos au­to­má­ti­cos de ajus­te. As ve­da­ções aci­ma lis­ta­das aju­da­rão a con­du­zir a des­pe­sa de vol­ta pa­ra den­tro do li­mi­te”, afir­mou a pas­ta. Te­to. A Fa­zen­da tam­bém res­pon­deu às crí­ti­cas de que o te­to se­ria in­con­sis­ten­te, já que a mai­or par­te das des­pe­sas fe­de­rais são obri­ga­tó­ri­as e cres­cem a um rit­mo su­pe­ri­or ao da in­fla­ção. Nes­se ca­so, o mi­nis­té­rio ad­mi­tiu que, de fa­to, se não hou­ver uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, não se­rá pos­sí­vel con­ter a ex­pan­são da des­pe­sa.

“Ocor­re que, se a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia não for fei­ta, o des­cum­pri­men­to do te­to de gas­tos se­rá o me­nor dos pro­ble­mas. Is­to por­que a úni­ca for­ma de fi­nan­ci­ar um gas­to pú­bli­co que cres­ce ace­le­ra­da­men­te, em um fu­tu­ro não dis­tan­te, se­rá o au­men­to da in­fla­ção”, ava­li­ou a Fa­zen­da.

“Lo­go, o te­to não é uma po­lí­ti­ca su­fi­ci­en­te pa­ra pro­du­zir o ajus­te fis­cal. Ele é ne­ces­sá­rio pa­ra de­li­mi­tar a tra­je­tó­ria de gas­tos que é com­pa­tí­vel com um ajus­te fis­cal gra­du­al e de lon­go pra­zo, e re­quer re­for­mas que per­mi­tam o con­tro­le da des­pe­sa obri­ga­tó­ria”, com­ple­tou o do­cu­men­to pro­du­zi­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Fa­zen­da.

MAR­CE­LO CA­MAR­GO/AGÊNCIA BRASIL - 3/10/2018

Ajus­te. Fa­zen­da, de Gu­ar­dia, diz que te­to não é su­fi­ci­en­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.