Qu­ei­roz Gal­vão ten­ta co­la­bo­ra­ção no TCU em tro­ca de alí­vio em pe­na­li­da­des

Es­tra­té­gia. Após não con­se­guir fir­mar acor­do com MP e ter ti­do sua em­prei­tei­ra de­cla­ra­da inidô­nea pe­lo pró­prio TCU, gru­po abre no­va fren­te de ne­go­ci­a­ções; imer­so em cri­se, con­glo­me­ra­do ten­ta con­ven­cer au­di­to­res de que po­de con­tri­buir com apu­ra­ção de ir­reg

O Estado de S. Paulo - - Economia | Negócios - Re­na­ta Agos­ti­ni / RIO Breno Pi­res / BRASÍLIA

Imer­sa nu­ma pro­fun­da cri­se fi­nan­cei­ra e de re­pu­ta­ção, o gru­po Qu­ei­roz Gal­vão ten­ta con­ven­cer o Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU) a acei­tar sua con­tri­bui­ção na in­ves­ti­ga­ção de irregularidades em tro­ca da re­du­ção de pe­nas im­pos­tas a ela pe­la cor­te, se­gun­do du­as fontes pró­xi­mas às con­ver­sas re­la­ta­ram ao ‘Es­ta­do’. A em­prei­tei­ra do con­glo­me­ra­do acu­mu­la con­de­na­ções no ór­gão, que já de­cla­rou em dois ca­sos sua ini­do­nei­da­de – qu­an­do a em­pre­sa fi­ca proi­bi­da de par­ti­ci­par de li­ci­ta­ções da União.

A bus­ca por es­sa via ne­go­ci­al se ex­pli­ca pe­la si­tu­a­ção de fra­gi­li­da­de da Qu­ei­roz Gal­vão, que ao la­do de ou­tras gran­des em­prei­tei­ras es­tá no cen­tro da La­va Ja­to, mas não con­se­guiu fir­mar acor­do de co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral. Ri­vais co­mo Ode­bre­cht, Ca­mar­go Cor­rêa e An­dra­de Gu­ti­er­rez es­ca­pa­ram de pu­ni­ções mais se­ve­ras no TCU por te­rem fe­cha­do acor­do com MP e es­ta­be­le­ci­do co­la­bo­ra­ção di­re­ta com o tri­bu­nal.

Com con­tra­tos da cons­tru­to­ra ame­a­ça­dos di­an­te das san­ções do TCU e com o gru­po en­vol­to nu­ma com­ple­xa ne­go­ci­a­ção com cre­do­res aos quais de­ve mais de R$ 10 bi­lhões, a Qu­ei­roz Gal­vão abriu no­va fren­te de ne­go­ci­a­ções com a área téc­ni­ca do TCU. A em­prei­tei­ra ten­ta con­ven­cer os au­di­to­res de que po­de con­tri­buir com a apu­ra­ção de irregularidades em obras, tra­zen­do pro­vas de su­per­fa­tu­ra­men­to e ele­van­do o va­lor a ser co­bra­do das em­pre­sas in­fra­to­ras. Se­gun­do apu­rou o Es­ta­do, um dos ca­sos em que a Qu­ei­roz se pron­ti­fi­cou a co­la­bo­rar é no da usi­na nu­cle­ar An­gra 3 – a em­pre­sa tam­bém foi de­cla­ra­da inidô­nea no ca­so da cons­tru­ção da re­fi­na­ria Abreu e Li­ma e é al­vo de apu­ra­ção em ou­tras obras.

Em tro­ca, a Qu­ei­roz Gal­vão quer ser li­be­ra­da da declaração de ini­do­nei­da­de e do pa­ga­men­to de mul­ta. A pro­pos­ta da em­prei­tei­ra é pa­gar ape­nas o cor­res­pon­den­te ao da­no ao erá­rio por ela cau­sa­do. As con­ver­sas es­tão em cur­so com a área téc­ni­ca e es­tá pre­vis­ta uma reu­nião na se­ma­na que vem pa­ra tra­tar do te­ma. O de­se­jo da em­prei­tei­ra de che­gar a um acor­do já foi si­na­li­za­do tam­bém à cor­te por meio de exe­cu­ti­vos da em­pre­sa.

O tri­bu­nal tem in­te­res­se em ob­ter in­for­ma­ções so­bre su­per­fa­tu­ra­men­to em ca­sos em que ele ain­da não foi cal­cu­la­do. Nas obras de An­gra 3, por exem­plo, em­pre­sas que fir­ma­ram acor­dos de le­ni­ên­cia com o MP con­fes­sa­ram ter for­ma­do car­tel, mas dis­se­ram que não hou­ve su­per­fa­tu­ra­men­to. O TCU tem me­to­do­lo­gia pró­pria pa­ra me­dir a prá­ti­ca, mas a co­la­bo­ra­ção ace­le­ra­ria a apu­ra­ção do da­no.

Efei­to. Se for bem-su­ce­di­da, a Qu­ei­roz Gal­vão po­de ter um alí­vio nu­ma de su­as mui­tas fren­tes de ba­ta­lha – a em­pre­sa é al­vo do MP, do Mi­nis­té­rio da Trans­pa­rên­cia e da Ad­vo­ca­cia- Ge­ral da União (AGU) –, mas po­de com­pli­car a vi­da de ri­vais ca­so tra­ga evidências de cri­mes não con­fes­sa­dos pe­las em­prei­tei­ras que já se tor­na­ram le­ni­en­tes. No li­mi­te, po­de for­çar um “re­call” de ou­tras co­la­bo­ra­ções.

As em­prei­tei­ras en­vol­vi­das na La­va Ja­to bus­ca­ram acor­dos com o MP e, de­pois, pro­cu­ra­ram fir­mar acor­dos com Trans­pa­rên­cia e AGU. No TCU, de pos­se des­ses acor­dos, pas­sa­ram a co­la­bo­rar e plei­te­ar pro­te­ção con­tra san­ções. Em te­se, em­pre­sas que já fo­ram pu­ni­das pe­la cor­te e não são le­ni­en­tes, ca­so da Qu­ei­roz, po­de­ri­am re­ce­ber be­ne­fí­ci­os se vi­e­rem a co­la­bo­rar.

Não há, po­rém, ga­ran­tia de êxi­to na ne­go­ci­a­ção. Além de che­gar a bom ter­mo com a área téc­ni­ca, a Qu­ei­roz pre­ci­sa­rá con­ven­cer os mi­nis­tros do TCU de que me­re­ce ob­ter as van­ta­gens. Pro­cu­ra­da, a Qu­ei­roz Gal­vão não quis co­men­tar.

REGINALDO PI­MEN­TA/RAW IMAGE-6/8/2014

Tro­ca. Qu­ei­roz quer ser li­be­ra­da do pa­ga­men­to de mul­tas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.