Fa­re­ed Za­ka­ria

É COLUNISTA

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - FA­RE­ED ZA­KA­RIA TRADUÇÃO CLAUDIA BOZZO /

Trump tem po­der de­mais. Ta­re­fa ur­gen­te é o Con­gres­so es­cre­ver leis que li­mi­tem e che­quem os po­de­res do pre­si­den­te.

Trump cri­ou uma cri­se a par­tir do na­da e ele­vou es­sa emer­gên­cia fa­bri­ca­da ao ní­vel de aten­ção na­ci­o­nal

Ob­ser­van­do a lu­ta pe­lo fi­nan­ci­a­men­to de um mu­ro de fron­tei­ra, fi­co im­pres­si­o­na­do pe­la for­ma co­mo Do­nald Trump já ob­te­ve su­ces­so em cer­to sen­ti­do. Ele con­se­guiu cri­ar uma cri­se a par­tir do na­da, ele­var es­sa emer­gên­cia fa­bri­ca­da ao ní­vel de aten­ção na­ci­o­nal, pa­ra­li­sar o go­ver­no e tal­vez até in­vo­car a au­to­ri­da­de bé­li­ca e ig­no­rar o Con­gres­so. Ele ain­da po­de fra­cas­sar, mas de­ve­mos nos pre­o­cu­par que um pre­si­den­te – qual­quer um – pos­sa fa­zer o que Trump fez.

Se­ja­mos cla­ros: não há cri­se. O nú­me­ro de imi­gran­tes sem do­cu­men­tos nos EUA es­tá em de­clí­nio há uma dé­ca­da. O nú­me­ro de pes­so­as que fo­ram fla­gra­das ten­tan­do atra­ves­sar a fron­tei­ra sul tem es­ta­do em de­clí­nio há qua­se 20 anos e é me­nor do que em 1973.

Co­mo tem si­do fre­quen­te­men­te apon­ta­do, mui­to mais pes­so­as es­tão en­tran­do le­gal­men­te nos EUA e de­pois pro­lon­gan­do in­de­fi­ni­da­men­te seus vis­tos do que atra­ves­san­do ile­gal­men­te a fron­tei­ra sul. Mas é im­por­tan­te co­lo­car es­ses nú­me­ros no con­tex­to. Mais de 52 mi­lhões de es­tran­gei­ros en­tra­ram le­gal­men­te nos EUA em 2017. Des­te gru­po, 98,7% saí­ram no pra­zo e de acor­do com seus vis­tos. Uma gran­de par­te des­tes fi­cou após um bre­ve pe­río­do e a me­lhor es­ti­ma­ti­va do go­ver­no é que tal­vez 0,8% dos que en­tra­ram no país em 2017 te­nham per­ma­ne­ci­do até me­a­dos de 2018.

Quan­to ao ter­ro­ris­mo, o Ins­ti­tu­to Ca­to des­co­briu que, de 1975 a 2017, “ze­ro pes­so­as fo­ram as­sas­si­na­das ou fe­ri­das em ata­ques ter­ro­ris­tas co­me­ti­dos por in­va­so­res ile­gais de fron­tei­ra em so­lo ame­ri­ca­no”.

Quan­to às dro­gas, o mai­or pe­ri­go vem das subs­tân­ci­as se­me­lhan­tes ao fen­ta­nil e si­mi­la­res do fen­ta­nil, que es­tão no cen­tro da cri­se dos opiá­ce­os. A mai­or par­te vem da Chi­na, se­ja di­re­ta­men­te en­vi­a­da pa­ra os EUA ou con­tra­ban­de­a­da pe­lo Ca­na­dá ou pe­lo Mé­xi­co. Trump abor­dou a raiz des­se pro­ble­ma ao pres­si­o­nar o go­ver­no chi­nês a re­pri­mir as ex­por­ta­ções de fen­ta­nil, uma es­tra­té­gia mui­to mais efi­caz do que cons­truir uma bar­rei­ra fí­si­ca ao lon­go da fron­tei­ra me­xi­ca­na.

Até mes­mo a DEA ad­mi­tiu no ano pas­sa­do que en­quan­to a fron­tei­ra sul é o ca­nal pa­ra a mai­or par­te da he­roí­na que en­tra nos EUA, a dro­ga nor­mal­men­te pas­sa por pon­tos le­gais de en­tra­da, es­con­di­da em car­ros ou mis­tu­ra­da a ou­tros pro­du­tos em ca­mi­nhões. Em ou­tras pa­la­vras, um mu­ro pou­co fa­ria pa­ra es­tan­car o flu­xo.

E, no en­tan­to, o po­der da pre­si­dên­cia é tal que Trump con­se­guiu co­lo­car es­ta ques­tão no cen­tro do pal­co, fe­chou o go­ver­no, for­çou as re­des de TV a apre­sen­tar um dis­cur­so alar­mis­ta e as­sus­ta­dor, e ago­ra tal­vez in­vo­car po­de­res de emer­gên­cia. Is­so soa co­mo al­go que po­de­ria ser fei­to pe­los pre­si­den­tes Vla­di­mir Pu­tin ou Re­cep Tayyip Er­do­gan, não pe­lo lí­der da prin­ci­pal re­pú­bli­ca cons­ti­tu­ci­o­nal do mun­do.

Quan­do o go­ver­no dos EUA cri­ou es­sa sen­sa­ção de emer­gên­cia e cri­se no pas­sa­do, qua­se sem­pre foi pa­ra ame­dron­tar as pes­so­as, ex­pan­dir os po­de­res pre­si­den­ci­ais e amor­da­çar a opo­si­ção. Des­de as Leis sobre Es­tran­gei­ros e Se­di­ção à Ame­a­ça Ver­me­lha até aler­tas sobre o ar­se­nal de Sad­dam Hus­sein, os EUA pas­sa­ram por pe­río­dos de pa­ra­noia e in­sen­sa­tez. Olha­mos pa­ra eles ago­ra e re­co­nhe­ce­mos que os pro­ble­mas não eram tão sé­ri­os, o ini­mi­go não era tão for­te e os EUA eram na ver­da­de mui­to mais se­gu­ros. As ações to­ma­das fo­ram qua­se sem­pre er­ros ter­rí­veis, mui­tas ve­zes com con­sequên­ci­as de­sas­tro­sas no lon­go pra­zo.

E, no en­tan­to, os po­de­res pre­si­den­ci­ais con­ti­nu­a­ram se ex­pan­din­do. Trump con­se­guiu trans­for­mar as bo­as no­tí­ci­as em más, a se­gu­ran­ça em pe­ri­go e, qua­se so­zi­nho, fa­bri­car uma cri­se na­ci­o­nal on­de não há ne­nhu­ma. To­do es­te epi­só­dio des­ta­ca um pro­ble­ma que se tor­nou apa­ren­te. O pre­si­den­te ame­ri­ca­no tem po­de­res de­mais, for­mais e in­for­mais.

Te­nho si­do de­fen­sor de um Exe­cu­ti­vo for­te. Não gos­to mui­to de co­mo o Con­gres­so fun­ci­o­na. Ago­ra per­ce­bo que mi­nhas opi­niões ti­nham co­mo pre­mis­sa que o pre­si­den­te ope­ra­ria den­tro dos li­mi­tes das nor­mas e da éti­ca. Creio que uma ta­re­fa ur­gen­te é que o Con­gres­so es­cre­va leis que li­mi­tem ex­pli­ci­ta­men­te e che­quem os po­de­res do pre­si­den­te. Eu es­co­lhe­ria po­la­ri­za­ção sobre pu­ti­nis­mo sem pen­sar du­as ve­zes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.