A ex­ten­são da cri­se

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Es­pe­ra-se que a pe­que­na me­lho­ra da ar­re­ca­da­ção pe­los go­ver­nos es­ta­du­ais não es­ti­mu­le no­va on­da de gas­tan­ça.

Ofa­to de que nem nes­te ano a mai­o­ria dos Es­ta­dos, em par­ti­cu­lar os mais de­sen­vol­vi­dos, te­rá con­se­gui­do re­cu­pe­rar o que per­deu com a cri­se ini­ci­a­da em 2014 dá uma boa no­ção da gra­vi­da­de dos pro­ble­mas econô­mi­cos que o País en­fren­tou a par­tir do ano da re­e­lei­ção da pre­si­den­te cas­sa­da Dil­ma Rous­seff.

A de­sor­ga­ni­za­ção da eco­no­mia cau­sa­da pe­las po­lí­ti­cas im­ple­men­ta­das no pri­mei­ro man­da­to de Dil­ma pro­du­zi­ram seus efei­tos mais da­no­sos du­ran­te o iní­cio de seu se­gun­do man­da­to, em boa ho­ra in­ter­rom­pi­do pe­lo im­pe­a­ch­ment apro­va­do pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal em agos­to de 2016. Mas o País ain­da pa­ga pe­lo de­sas­tre dil­mis­ta. Co­mo mos­trou re­por­ta­gem do Es­ta­do, ape­nas 6 das 27 uni­da­des da Fe­de­ra­ção con­se­gui­rão al­can­çar no fim des­te ano o ní­vel de pro­du­ção que ti­nham no fim de 2014. Só no ano que vem, ou no se­guin­te, São Pau­lo e ou­tras uni­da­des que con­cen­tram o mai­or nú­me­ro de in­dús­tri­as su­pe­ra­rão os efei­tos da re­ces­são pro­vo­ca­da pe­la ges­tão lu­lo­pe­tis­ta.

Com ba­se em le­van­ta­men­to re­a­li­za­do pe­la Ten­dên­ci­as Con­sul­to­ria In­te­gra­da, a re­por­ta­gem mos­trou que, gra­ças ao de­sem­pe­nho do se­tor pri­va­do, as eco­no­mi­as do Pa­rá, Ro­rai­ma, Ma­to Gros­so, San­ta Ca­ta­ri­na, Rondô­nia e Ma­to Gros­so do Sul al­can­ça­rão ou su­pe­ra­rão, no fi­nal des­te ano, o ní­vel de 2014. Com ex­ce­ção de San­ta Ca­ta­ri­na, são Es­ta­dos cu­jas eco­no­mi­as são for­te­men­te mar­ca­das pe­la pro­du­ção agro­pe­cuá­ria ou pe­la mi­ne­ra­ção.

A con­sul­to­ria res­pon­sá­vel pe­lo le­van­ta­men­to ob­ser­va que, no ca­so de Ro­rai­ma, a en­tra­da de ve­ne­zu­e­la­nos que fo­gem do co­lap­so econô­mi­co de seu país te­rá efei­to im­por­tan­te na ati­vi­da­de econô­mi­ca es­ta­du­al, a des­pei­to dos imen­sos pro­ble­mas so­ci­ais e hu­ma­ni­tá­ri­os que eles tra­zem con­si­go.

A re­cu­pe­ra­ção dos ní­veis de pro­du­ção de cin­co anos atrás é um fa­to po­si­ti­vo pa­ra as po­pu­la­ções des­ses Es­ta­dos. Mas ain­da é in­su­fi­ci­en­te pa­ra li­vrar a mai­o­ria dos go­ver­nos des­sas uni­da­des fe­de­ra­ti­vas dos gra­ves pro­ble­mas fis­cais que lhes to­lhem as ini­ci­a­ti­vas e cri­am ris­cos re­ais de des­cum­pri­men­to de exi­gên­ci­as da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal (LRF). Nem o au­men­to da ar­re­ca­da­ção de­cor­ren­te do cres­ci­men­to das eco­no­mi­as es­ta­du­ais per­mi­ti­rá, na mai­o­ria dos ca­sos, que as des­pe­sas com a fo­lha de pes­so­al se en­qua­drem nos li­mi­tes da LRF.

Dos seis Es­ta­dos com me­lhor de­sem­pe­nho econô­mi­co, qua­tro já gas­tam com o fun­ci­o­na­lis­mo mais do que o te­to de 60% da re­cei­ta cor­ren­te lí­qui­da fi­xa­do pe­la LRF. Um de­les, Ro­rai­ma, de­ve ter­mi­nar 2019 com o Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) 5% mai­or do que o de 2014, mas es­tá sob in­ter­ven­ção fe­de­ral por cau­sa do des­con­tro­le das fi­nan­ças es­ta­du­ais e da cri­se na se­gu­ran­ça pú­bli­ca.

En­tre os go­ver­nos das 21 uni­da­des da Fe­de­ra­ção que nem nes­te ano con­se­gui­rão su­pe­rar as per­das im­pos­tas pe­la re­ces­são, tam­bém há vá­ri­os com sé­ri­os pro­ble­mas fis­cais e com gas­tos com pes­so­al per­to do li­mi­te fi­xa­do pe­la le­gis­la­ção ou aci­ma de­le. O Nor­des­te, por exem­plo, abri­ga os Es­ta­dos cu­ja re­cu­pe­ra­ção tem si­do mais len­ta. Em ge­ral, as eco­no­mi­as des­ses Es­ta­dos de­pen­dem mais pe­sa­da­men­te de pro­gra­mas de trans­fe­rên­cia de ren­da, co­mo o Bol­sa Fa­mí­lia, que so­fre­ram os efei­tos da pro­fun­da cri­se fi­nan­cei­ra en­fren­ta­da pe­lo go­ver­no fe­de­ral. Se­gun­do a Ten­dên­ci­as, 26% da ren­da fa­mi­li­ar do Nor­des­te vem do Bol­sa Fa­mí­lia e das apo­sen­ta­do­ri­as pe­lo re­gi­me do INSS. “Com a cri­se do se­tor pú­bli­co, o que era im­pul­so po­si­ti­vo vi­rou ne­ga­ti­vo”, ob­ser­vou o eco­no­mis­ta da Ten­dên­ci­as Adri­a­no Pi­to­li.

Es­ta­dos mais in­dus­tri­a­li­za­dos, com os da Re­gião Su­des­te, fo­ram mais afe­ta­dos pe­la re­ces­são e es­tão se re­cu­pe­ran­do em rit­mo mais len­to. O le­van­ta­men­to da Ten­dên­ci­as in­di­ca que a eco­no­mia pau­lis­ta, que res­pon­de por cer­ca de um ter­ço do PIB na­ci­o­nal, só vol­ta­rá ao ní­vel de an­tes da cri­se em 2020 ou 2021. Os gas­tos do go­ver­no pau­lis­ta com o fun­ci­o­na­lis­mo es­tão abai­xo do te­to de 60% da re­cei­ta lí­qui­da, mas já su­pe­ra­ram o li­mi­te de aler­ta de 54%.

O que se es­pe­ra é que a pe­que­na me­lho­ra da ar­re­ca­da­ção al­can­ça­da pe­los go­ver­nos es­ta­du­ais não es­ti­mu­le no­va on­da de gas­tan­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.