In­te­res­ses nor­tei­am po­si­ção dos EUA sobre Ma­du­ro

O Estado de S. Paulo - - Internacional -

Na quin­ta-fei­ra, o pre­si­den­te ve­ne­zu­e­la­no, Ni­co­lás Ma­du­ro, as­su­miu um no­vo man­da­to. Washing­ton re­a­giu à pos­se di­zen­do que o man­da­to era ile­gí­ti­mo e Ma­du­ro um di­ta­dor.

No dia se­guin­te, Ju­an Gu­a­dó, pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, con­tro­la­da pe­la opo­si­ção, anun­ci­ou que es­ta­va pron­to pa­ra as­su­mir tem­po­ra­ri­a­men­te a pre­si­dên­cia da Ve­ne­zu­e­la e pe­diu apoio das For­ças Ar­ma­das. O De­par­ta­men­to de Es­ta­do dos EUA ofe­re­ceu apoio ao le­gis­la­ti­vo, mas não res­pal­dou Gu­ai­dó co­mo pre­si­den­te in­te­ri­no.

“É ho­ra de ini­ci­ar uma tran­si­ção or­de­na­da pa­ra um no­vo go­ver­no”, dis­se Ro­bert Pal­la­di­no, por­ta-voz do De­par­ta­men­to de Es­ta­do, pe­din­do a to­dos os ve­ne­zu­e­la­nos que “tra­ba­lhem jun­tos, pa­ci­fi­ca­men­te, pa­ra res­tau­rar o go­ver­no cons­ti­tu­ci­o­nal e cons­truir um fu­tu­ro me­lhor”.

Ge­off Ram­sey, di­re­tor-as­sis­ten­te pa­ra Ve­ne­zu­e­la no Es­cri­tó­rio pa­ra Amé­ri­ca La­ti­na, dis­se que o go­ver­no es­tá de­li­be­ra­da­men­te es­co­lhen­do su­as pa­la­vras e en­ga­ja­do em uma “cui­da­do­sa dan­ça” na Ve­ne­zu­e­la. Se­gun­do ele, os EUA po­dem di­zer que Ma­du­ro não tem le­gi­ti­mi­da­de, mas não vão cor­tar re­la­ções di­plo­má­ti­cas com a Ve­ne­zu­e­la.

Is­so por­que os EUA ain­da re­ce­bem uma quan­ti­da­de sig­ni­fi­ca­ti­va de pe­tró­leo da Ve­ne­zu­e­la, dis­se Ram­sey. “Is­so sig­ni­fi­ca que os EUA ain­da têm in­te­res­ses econô­mi­cos pa­ra man­ter sua pre­sen­ça em Ca­ra­cas”, dis­se. Se­gun­do ele, cor­tar os la­ços di­plo­má­ti­cos com Ca­ra­cas tam­bém pre­ju­di­ca­ria a pos­si­bi­li­da­de de uma so­lu­ção po­lí­ti­ca ne­go­ci­a­da pa­ra a cri­se no país.

Em ou­tu­bro, os EUA im­por­ta­ram 17,6 mi­lhões de bar­ris de pe­tró­leo e de­ri­va­dos de pe­tró­leo da Ve­ne­zu­e­la, se­gun­do a Se­cre­ta­ria de Ener­gia ame­ri­ca­na.

Após Gu­ai­dó anun­ci­ar que es­ta­va dis­pos­to a as­su­mir a pre­si­dên­cia da Ve­ne­zu­e­la, o as­ses­sor de Se­gu­ran­ça Na­ci­o­nal, John Bol­ton, dis­se que os EUA “apoi­a­vam a de­ci­são co­ra­jo­sa”, mas evi­tou em re­co­nhe­cer o opo­si­tor co­mo pre­si­den­te in­te­ri­no.

Ma­du­ro, por sua vez, re­jei­ta ce­der à pres­são in­ter­na e in­ter­na­ci­o­nal. An­tes de sua pos­se, de­nun­ci­ou que Washing­ton es­ta­va pre­pa­ran­do um gol­pe con­tra ele e pe­diu à po­pu­la­ção e aos mi­li­ta­res que es­ti­ves­sem pre­pa­ra­dos. “Nos­so po­vo vai res­pon­der”, afir­mou. Há pou­co otimismo sobre uma mu­dan­ça en­tre os ve­ne­zu­e­la­nos que per­ma­ne­cem em Ca­ra­cas. “To­dos es­tão de­ses­pe­ra­dos e nos­sa si­tu­a­ção é ab­sur­da. Mas Ma­du­ro vai ig­no­rar is­so e per­ma­ne­cer no po­der”, dis­se Mo­re­lia Sa­la­zar, de 23 anos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.