‘Pe­ga­mos to­dos os úl­ti­mos pre­si­den­tes pe­ru­a­nos’

Pro­cu­ra­dor con­ta co­mo atin­giu a eli­te po­lí­ti­ca do país e fala sobre a re­cen­te ten­ta­ti­va de des­ti­tui-lo do car­go

O Estado de S. Paulo - - Internacional - Fer­nan­da Si­mas

Uma se­ma­na após ser res­ti­tuí­do co­mo che­fe da equi­pe que in­ves­ti­ga o ca­so Ode­bre­cht no Pe­ru, o pro­cu­ra­dor Ra­fa­el Ve­la afir­ma que o acor­do com a em­prei­tei­ra não im­pli­ca im­pu­ni­da­de, mas em pos­si­bi­li­da­de de apro­vei­tar as in­for­ma­ções for­ne­ci­das. “As em­pre­sas en­tre­gam in­for­ma­ções re­le­van­tes e, em tro­ca, ob­têm be­ne­fí­ci­os”, dis­se. A se­guir tre­chos da en­tre­vis­ta con­ce­di­da ao Es­ta­do.

Qual a mai­or di­fi­cul­da­de pa­ra con­ti­nu­ar seu tra­ba­lho?

Nes­te mo­men­to, te­mos um gru­po re­la­ti­va­men­te pe­que­no de tra­ba­lho. Se­ria im­por­tan­te au­men­tar a equi­pe pa­ra en­fren­tar as in­ves­ti­ga­ções que são al­ta­men­te com­ple­xas. Is­so não era pos­sí­vel an­tes, por­que a re­la­ção com a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral es­ta­va mui­to de­te­ri­o­ra­da. O que a gen­te pro­pu­nha não era apro­va­do e as pes­so­as que eles in­di­ca­vam não achá­va­mos ade­qua­das pa­ra o tra­ba­lho.

Sua des­ti­tui­ção foi sur­pre­sa? Sa­bia que era uma pos­si­bi­li­da­de. Ví­nha­mos con­vi­ven­do com hos­ti­li­da­des, in­ge­rên­ci­as cons­tan­tes, tan­to da Pro­cu­ra­do­ri­aGe­ral quan­to de fun­ci­o­ná­ri­os com la­ços es­trei­tos com o ex­pro­cu­ra­dor-ge­ral. Com in­ves­ti­ga­ções tão com­ple­xas é in­dis­pen­sá­vel o apoio da ins­ti­tui­ção, e nós não tí­nha­mos. O clí­max veio no dia 31 de de­zem­bro, quan­do o pro­cu­ra­dor-ge­ral (Pe­dro Chá­var­ry) de­ci­diu nos re­ti­rar das fun­ções.

É pro­cu­ra­dor do Pe­ru e co­or­de­na­dor da equi­pe es­pe­ci­al res­pon­sá­vel pe­la in­ves­ti­ga­ção dos ex-pre­si­den­tes Ale­jan­dro To­le­do, Ol­lan­ta Hu­ma­la, Alan Gar­cía e Pe­dro Pa­blo Kuczyns­ki

Qual foi o im­pac­to ime­di­a­to pa­ra o ca­so Ode­bre­cht?

A de­ci­são cau­sou in­cer­te­za na Pro­cu­ra­do­ria do Bra­sil e na em­pre­sa (Ode­bre­cht), por­que es­tá­va­mos mui­to per­to de as­si­nar um acor­do de co­o­pe­ra­ção. A em­pre­sa e a Pro­cu­ra­do­ria do Bra­sil acha­ram me­lhor não le­var adi­an­te as di­li­gên­ci­as, por­que fi­cou in­cer­to o des­ti­no fi­nal do acor­do. Os de­poi­men­tos que se­ri­am da­dos tam­bém fo­ram adi­a­dos.

Co­mo as in­ves­ti­ga­ções che­ga­ram aos po­lí­ti­cos do país? A de­cla­ra­ção de Marcelo Ode­bre­cht foi o pon­to de par­ti­da pa­ra uma in­ten­sa co­la­bo­ra­ção en­tre as du­as pro­cu­ra­do­ri­as de ma­nei­ra di­re­ta. Em maio de 2017, ele ci­tou Kei­ko Fu­ji­mo­ri, na épo­ca a prin­ci­pal li­de­ran­ça da opo­si­ção. Pas­sa­mos a in­ves­ti­gar o fi­nan­ci­a­men­to de cam­pa­nha com fun­dos ilí­ci­tos, o cha­ma­do cai­xa 2. Con­se­gui­mos a de­cla­ra­ção de ou­tro al­to exe­cu­ti­vo da Ode­bre­cht, Jor­ge Ba­ra­ta, que, em fe­ve­rei­ro de 2018, fa­lou do en­vol­vi­men­to de Ol­lan­ta Hu­ma­la, de Kei­ko, mas tam­bém de Pe­dro Pa­blo Kuczyns­ki, Ale­jan­dro To­le­do e Alan Gar­cía, ou se­ja, pe­ga­mos to­dos os úl­ti­mos pre­si­den­tes do Pe­ru.

Fe­char acor­do com a Ode­bre­cht não é uma for­ma de im­pu­ni­da­de?

As pes­so­as que cri­ti­cam o acor­do es­tão vin­cu­la­das às que são ob­je­to de in­ves­ti­ga­ção. Ago­ra, exis­te um des­co­nhe­ci­men­to. To­dos os acor­dos são re­gu­la­dos pe­la lei. As em­pre­sas en­tre­gam in­for­ma­ções re­le­van­tes e, em tro­ca, ob­têm be­ne­fí­ci­os.

O sr. sen­tiu que as in­ves­ti­ga­ções po­de­ri­am ser en­cer­ra­das? Sim. No ca­so de Kei­ko, por exem­plo, per­ce­be­mos que en­fren­tá­va­mos a prin­ci­pal lí­der da opo­si­ção, que ha­via cor­rom­pi­do o pro­cu­ra­dor-ge­ral, que era nos­so che­fe. Is­so se ma­te­ri­a­li­zou com nos­sa des­ti­tui­ção.

PAU­LO WHITAKER / REUTERS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.