1/3 dos cap­tu­ra­dos por sus­pei­ta dos ata­ques no CE é ado­les­cen­te

De­nún­ci­as apon­tam que fac­ções es­ta­ri­am co­op­tan­do jo­vens e adul­tos com pa­ga­men­to de R$ 1 mil a R$ 5 mil

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Juliana Dió­ge­nes EN­VI­A­DA ES­PE­CI­AL / FORTALEZA

Pe­lo me­nos um ter­ço dos cap­tu­ra­dos por sus­pei­ta de en­vol­vi­men­to nos ata­ques cri­mi­no­sos no Ce­a­rá é ado­les­cen­te. O le­van­ta­men­to, da De­fen­so­ria Pú­bli­ca Es­ta­du­al, foi con­fir­ma­do pe­lo go­ver­no do Es­ta­do, que in­for­ma que 353 pes­so­as já fo­ram pre­sas. On­tem, no 12.º dia de ata­ques, uma pon­te na BR-116, em

Cho­ro­zi­nho, e a se­de de um Jui­za­do Es­pe­ci­al, na ca­pi­tal, fo­ram atin­gi­das por ex­plo­si­vos.

Há de­nún­ci­as de que fac­ções cri­mi­no­sas es­tão ame­a­çan­do de mor­te ado­les­cen­tes e fa­mi­li­a­res, além de co­op­tar os jo­vens e adul­tos com pa­ga­men­to de R$ 1 mil pe­la quei­ma de veí­cu­los e até R$ 5 mil pe­la ex­plo­são de vi­a­du­tos.

Su­per­vi­so­ra das De­fen­so­ri­as Cri­mi­nais, a de­fen­so­ra Pa­trí­cia de Sá diz que, até sex­ta-fei­ra, dos 300 cap­tu­ra­dos pe­la po­lí­cia, 100 eram me­no­res de 18 anos – há até um de 12. Ela con­ta que exis­tem ba­si­ca­men­te três per­fis de jo­vens. “Há aque­les que já ti­nham en­vol­vi­men­to an­te­ri­or com a fac­ção e par­ti­ci­pa­ram, há os que não têm en­vol­vi­men­to, mas even­tu­al­men­te fo­ram pa­gos pa­ra fa­zer al­guns atos cri­mi­no­sos, e ou­tros agem por me­do e ame­a­ça das fac­ções.”

Pa­trí­cia des­ta­ca que a “co­op­ta­ção e a ame­a­ça são re­ais”. “Há ado­les­cen­tes que es­tão fa­zen­do por co­a­ção ou ame­a­ça de se­rem mor­tos ou te­rem su­as fa­mí­li­as vi­ti­ma­das. Al­guns de­les tam­bém fa­zem par­te de fa­mí­li­as ex­pul­sas das su­as ca­sas por fac­ções.”

En­tre os adul­tos, ha­ve­ria ca­sos de usuá­ri­os de dro­gas que es­ta­ri­am ten­do as dí­vi­das qui­ta­das com tra­fi­can­tes de dro­gas por acei­ta­rem atu­ar nos ata­ques. O Es­ta­do apu­rou ain­da que fo­ram pre­sos la­drões “co­muns” de com­bus­tí­vel que es­tão sen­do de­ti­dos por su­pos­to en­vol­vi­men­to na fa­ci­li­ta­ção do ma­te­ri­al pa­ra os ata­ques, po­rém eles não te­ri­am re­la­ção com gru­pos do cri­me or­ga­ni­za­do. Uma mu­lher te­ria si­do pre­sa no lu­gar do ma­ri­do, que es­ta­ria re­la­ci­o­na­do aos aten­ta­dos, mas não es­ta­va em ca­sa no mo­men­to da abor­da­gem po­li­ci­al.

Trans­pa­rên­cia. Pa­ra Be­a­triz Xa­vi­er, pre­si­den­te do Con­se­lho Es­ta­du­al de Di­rei­tos Hu­ma­nos, fal­ta trans­pa­rên­cia do go­ver­no no de­ta­lha­men­to dos pre­sos. “Me­ni­nos de 13 anos es­tão sen­do apre­en­di­dos. E, nes­sas cap­tu­ras, ve­mos se re­pe­tir uma prá­ti­ca rei­te­ra­da das po­lí­ci­as de pren­der gen­te ne­gra e po­bre que es­tá na pe­ri­fe­ria pas­san­do na rua. Ou­vi­mos is­so de di­ver­sas fon­tes.”

Be­a­triz afir­ma que há mui­tos ca­sos de adul­tos que es­tão sen­do de­ti­dos sem fla­gran­te. “Pren­de por­que es­tá com tor­no­ze­lei­ra ou por­que res­pon­de a um pro­ces­so pas­sa­do. Pren­de pri­mei­ro pa­ra saber de­pois”, afir­ma.

Pro­cu­ra­do, o go­ver­no do Ce­a­rá afir­mou que pau­ta su­as ações pe­lo ab­so­lu­to cum­pri­men­to da lei e que não po­de di­vul­gar de­ta­lhes das in­ves­ti­ga­ções en­quan­to elas trans­cor­rem.

JOÃO DIJORGE/PHOTOPRESS

Mais um. Jui­za­do Es­pe­ci­al Cri­mi­nal de Fortaleza foi al­vo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.