Ajus­te de fo­co na po­lí­ti­ca econô­mi­ca

O Estado de S. Paulo - - Economia - CLAUDIO ADILSON GONÇALEZ

Nos úl­ti­mos três me­ses es­cre­vi nes­te es­pa­ço vá­ri­os ar­ti­gos cri­ti­can­do me­di­das que a im­pren­sa no­ti­ci­a­va co­mo pri­o­ri­tá­ri­as pa­ra a equi­pe co­man­da­da por Pau­lo Guedes. Por exem­plo, nun­ca con­se­gui com­pre­en­der por que o mi­nis­tro se pre­o­cu­pa­va tan­to com o va­lor no­mi­nal da con­ta de ju­ros com re­la­ção ao PIB, quan­do o que in­te­res­sa pa­ra a di­nâ­mi­ca da dí­vi­da é o ju­ro re­al, e es­te vem cain­do de for­ma acen­tu­a­da. Con­fun­di-me, tam­bém, com o dis­cur­so de ven­der re­ser­vas cam­bi­ais pa­ra aba­ter dí­vi­da pú­bli­ca. Is­so po­ria em ris­co o re­gi­me de câm­bio flu­tu­an­te, e aba­ter dí­vi­da com ven­da de ati­vos se­ria inú­til se o re­gi­me fis­cal não fos­se al­te­ra­do, por meio da re­cu­pe­ra­ção rá­pi­da dos su­pe­rá­vits pri­má­ri­os. A di­nâ­mi­ca da dí­vi­da é uma ques­tão de flu­xo, não de es­to­que.

Nes­ta li­nha tam­bém pro­pos­tas po­lê­mi­cas, tan­to do pon­to de vis­ta teó­ri­co co­mo de vi­a­bi­li­da­de de apro­va­ção po­lí­ti­ca, pa­re­ci­am ocu­par po­si­ção no ran­king de pri­o­ri­da­des, à fren­te de me­di­das cla­ra­men­te vol­ta­das à re­du­ção do bu­ra­co fis­cal. Por exem­plo, fa­la­va­se mui­to em ze­rar a con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria pa­tro­nal sobre a fo­lha de pa­ga­men­to (que ar­re­ca­dou apro­xi­ma­da­men­te R$ 280 bi­lhões em 2018), subs­ti­tuin­do-a por um im­pos­to sobre mo­vi­men­ta­ção fi­nan­cei­ra. Mu­dan­ças pro­fun­das na le­gis­la­ção do Im­pos­to de Ren­da – na li­nha do cha­ma­do flat tax, ou se­ja, uma alí­quo­ta úni­ca de 20% pa­ra to­dos os ti­pos de ren­di­men­tos, me­di­da com bom su­por­te na li­te­ra­tu­ra econô­mi­ca, mas que po­de­ria pro­vo­car que­da de ar­re­ca­da­ção – tam­bém eram ci­ta­das co­mo pri­o­ri­tá­ri­as. En­quan­to is­so, as de­cla­ra­ções do go­ver­no, in­clu­si­ve da equi­pe econô­mi­ca, sobre a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia eram con­fu­sas e de­so­ri­en­ta­do­ras. Fa­lou-se em re­sol­ver o rom­bo da Pre­vi­dên­cia com a mu­dan­ça pa­ra o re­gi­me por ca­pi­ta­li­za­ção, ob­vi­a­men­te in­viá­vel com o cres­cen­te rom­bo do sis­te­ma atu­al, e em su­a­vi­za­ção da já su­a­ve re­for­ma pro­pos­ta pe­lo go­ver­no Te­mer e de­si­dra­ta­da no Con­gres­so.

Ago­ra, com o go­ver­no em­pos­sa­do e a equi­pe tra­ba­lhan­do a to­do va­por, o fo­co pri­o­ri­tá­rio da po­lí­ti­ca econô­mi­ca pa­re­ce mais bem ori­en­ta­do.

Con­tri­buiu mui­to pa­ra is­so o ex­ce­len­te e co­la­bo­ra­ti­vo tra­ba­lho re­a­li­za­do pe­la equi­pe econô­mi­ca do go­ver­no Te­mer du­ran­te a fa­se de tran­si­ção. Com is­so, no­vos mem­bros en­tran­tes, téc­ni­cos de só­li­da for­ma­ção aca­dê­mi­ca, mas com pou­ca ou ne­nhu­ma ex­pe­ri­ên­cia go­ver­na­men­tal, ti­ve­ram um cho­que de re­a­li­da­de e me pa­re­cem mais bem la­pi­da­dos pa­ra exer­ce­rem bem sua fun­ção. O apro­vei­ta­men­to de com­pe­ten­tes téc­ni­cos da equi­pe do go­ver­no an­te­ri­or, tais co­mo Man­su­e­to Fa­cun­do de Almeida Jr. e Wal­dery Ro­dri­gues Jú­ni­or, tam­bém foi uma de­ci­são acer­ta­da de Pau­lo Guedes. O mi­nis­tro tam­bém acer­tou – e mui­to – nas in­di­ca­ções pa­ra a pre­si­dên­cia do Ban­co Cen­tral (Ro­ber­to Cam­pos Ne­to), do BNDES (Jo­a­quim Levy), da Pe­tro­brás (Ro­ber­to Cas­tel­lo Bran­co) e da Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral (Pe­dro Guimarães).

Vol­te­mos à agen­da econô­mi­ca. Fi­cou mais cla­ro que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é pri­o­ri­da­de ab­so­lu­ta pa­ra a equi­pe co­man­da­da por Guedes. A es­co­lha de Ro­gé­rio Ma­ri­nho, po­lí­ti­co ex­pe­ri­en­te e co­nhe­ce­dor do te­ma, pa­ra

Ago­ra es­tá mais cla­ro que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia é pri­o­ri­da­de ab­so­lu­ta pa­ra a equi­pe li­de­ra­da por Guedes

a che­fia da Se­cre­ta­ria de Pre­vi­dên­cia e a cons­ti­tui­ção de um con­se­lho con­sul­ti­vo pa­ra co­la­bo­rar na for­ma­ta­ção da pro­pos­ta go­ver­na­men­tal, com­pos­to por no­mes co­mo Pau­lo Taf­ner, Ar­mí­nio Fra­ga, Fá­bio Gi­am­bi­a­gi, Jo­sé Már­cio Ca­mar­go, Aloi­sio Arau­jo e So­lan­ge Pai­va, são no­tí­ci­as ani­ma­do­ras.

Além dis­so, bons pro­je­tos em tra­mi­ta­ção na Câ­ma­ra, co­mo a in­de­pen­dên­cia do Ban­co Cen­tral e ou­tros de na­tu­re­za mi­cro­e­conô­mi­ca tais co­mo Ca­das­tro Po­si­ti­vo de Cré­di­to, no­va lei de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al e fa­lên­ci­as e re­for­ma da Lei de Li­ci­ta­ções, além de vá­ri­as ou­tras me­di­das pa­ra me­lho­rar, no cur­to e mé­dio pra­zos, as con­tas pú­bli­cas, pa­re­cem tam­bém fa­zer par­te das pri­o­ri­da­des do no­vo go­ver­no.

Ago­ra, sim, o fo­co es­tá ajus­ta­do. Rein­ven­tar a ro­da fi­ca pa­ra de­pois.

ECO­NO­MIS­TA, DI­RE­TOR-PRE­SI­DEN­TE DA MCM CONSULTORES, FOI CON­SUL­TOR DO BAN­CO MUN­DI­AL, SUBSECRETÁRIO DO TE­SOU­RO NA­CI­O­NAL E CHE­FE DA AS­SES­SO­RIA ECONÔ­MI­CA DO MI­NIS­TÉ­RIO DA FA­ZEN­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.