O ABIS­MO DA ERA DI­GI­TAL

O Estado de S. Paulo - - Aliás, Cultura - André Cá­ce­res

Pa­ra os na­ti­vos do mun­do ana­ló­gi­co, a cul­tu­ra di­gi­tal pa­re­ce ter si­do uma mu­dan­ça tão dis­rup­ti­va e re­pen­ti­na que sua pre­do­mi­nân­cia atu­al os faz sen­tir co­mo imi­gran­tes em sua pró­pria ter­ra. É essa a de­fi­ni­ção do pro­fes­sor e en­saís­ta Jo­sé Tei­xei­ra Co­e­lho Net­to em en­tre­vis­ta ao Aliás: “A ge­ra­ção que nas­ceu na era da in­ter­net é o fa­lan­te na­ti­vo des­sa lin­gua­gem. Os que nas­ce­ram an­tes do ad­ven­to da in­ter­net são os imi­gran­tes, e eles so­frem to­da a de­fa­sa­gem, pas­sam por to­do o es­tra­nha­men­to pe­lo qual pas­sam imi­gran­tes”.

Es­cri­tor, crí­ti­co de ar­te e es­tu­di­o­so de po­lí­ti­cas cul­tu­rais, Tei­xei­ra Co­e­lho é um ver­da­dei­ro in­te­lec­tu­al re­nas­cen­tis­ta, que reú­ne di­ver­sas pers­pec­ti­vas, uma ra­ri­da­de nos tem­pos con­tem­po­râ­ne­os, com áre­as do co­nhe­ci­men­to tão frag­men­ta­das. Nos úl­ti­mos anos, por meio de vá­ri­os li­vros pu­bli­ca­dos em par­ce­ria do Ob­ser­va­tó­rio Itaú Cul­tu­ral com a edi­to­ra Ilu­mi­nu­ras, Co­e­lho vem de­di­can­do seus es­for­ços a com­pre­en­der as mu­dan­ças pelas quais pas­sa o mun­do com su­ces­si­vas re­vo­lu­ções tec­no­ló­gi­cas.

As mais re­cen­tes obras des­sa co­le­ção são du­as. A pri­mei­ra é eCul­tu­ra: A Uto­pia Fi­nal, em que Tei­xei­ra Co­e­lho iden­ti­fi­ca e con­tex­tu­a­li­za os as­pec­tos des­se no­vo uni­ver­so – ba­ti­za­do por ele de eCul­tu­ra – em con­tras­te com as an­ti­gas es­tru­tu­ras ana­ló­gi­cas, ain­da co­e­xis­ten­tes. O se­gun­do lan­ça­men­to é A Má­qui­na Pa­rou, obra fu­tu­ris­ta do au­tor bri­tâ­ni­co E. M. Fors­ter (18791970), em que ele, num exer­cí­cio pre­mo­ni­tó­rio, an­te­ci­pa tec­no­lo­gi­as co­mo as li­ga­ções por ví­deo, a avi­a­ção co­mer­ci­al e a co­mu­ni­ca­ção via in­ter­net – is­so tu­do na In­gla­ter­ra vi­to­ri­a­na, em 1909.

Fors­ter não é um au­tor cos­tu­mei­ra­men­te as­so­ci­a­do à fic­ção ci­en­tí­fi­ca. Em obras adap­ta­das pa­ra o ci­ne­ma, co­mo Pas­sa­gem pa­ra a Ín­dia, Uma Ja­ne­la pa­ra o Amor e Re­tor­no a Howard's End, ele pin­ta um pa­no­ra­ma da pas­sa­gem da so­ci­e­da­de vi­to­ri­a­na pa­ra o mun­do mo­der­no, ex­plo­ran­do os em­ba­tes en­tre clas­ses, a se­xu­a­li­da­de e ou­tros te­mas ca­ros à épo­ca. En­tre­tan­to, em A Má­qui­na Pa­rou, Fors­ter sai de sua zo­na de con­for­to re­a­lis­ta pa­ra ima­gi­nar um mun­do fu­tu­ro em que as pes­so­as não sa­em mais de ca­sa, con­fi­na­das em meio a ape­tre­chos tec­no­ló­gi­cos. To­dos con­ver­sam ape­nas à dis­tân­cia, por meio de ho­lo­gra­mas e cha­ma­das de ví­deo. O mun­do é re­gi­do pe­la “Má­qui­na”, qua­se uma en­ti­da­de di­vi­na – tan­to que seu ma­nu­al de ins­tru­ções se tor­nou uma es­pé­cie de li­vro sa­gra­do após a abo­li­ção das re­li­giões –, um mis­to de in­ter­net das coi­sas, inteligênc­ia ar­ti­fi­ci­al e re­de so­ci­al oni­pre­sen­te que in­ter­me­deia to­das as ex­pe­ri­ên­ci­as hu­ma­nas.

E es­se pla­ne­ta ab­so­lu­ta­men­te ra­ci­o­na­li­za­do tor­na-se ho­mo­gê­neo: “Pou­ca gen­te vi­a­ja­va na­que­les di­as já que, gra­ças à ci­ên­cia, a Ter­ra era exa­ta­men­te igual por to­da par­te. Os re­la­ci­o­na­men­tos ines­pe­ra­dos, nos quais a ci­vi­li­za­ção ha­via de­po­si­ta­do tan­tas es­pe­ran­ças no passado, tinham de­sa­pa­re­ci­do. De que adi­an­ta­va ir a Pe­quim qu­an­do tu­do era igual a Sh­rews­bury? Por que re­gres­sar a Sh­rews­bury se tu­do era exa­ta­men­te igual a Pe­quim?”

Fors­ter nar­ra a his­tó­ria de Vash­ti, uma mu­lher que vive fe­liz e con­for­ma­da em seu quar­to he­xa­go­nal co­nec­ta­da a milhares de ou­tras pes­so­as, até que seu fi­lho, Ku­no, re­bel­de na­to que vive do ou­tro la­do do mun­do, pe­de um en­con­tro com ela. “Qu­e­ro con­ver­sar com vo­cê, mas não atra­vés des­ta Má­qui­na ir­ri­tan­te.” A ati­tu­de he­ré­ti­ca de­le a deixa cho­ca­da: “Vo­cê não de­ve di­zer na­da con­tra a Má­qui­na”.

Ku­no cons­ta­ta que a Má­qui­na es­tá apre­sen­tan­do de­fei­tos, mas nin­guém quer ou­vi-lo. Tão acos­tu­ma­das a serem mi­ma­das pe­la tec­no­lo­gia, as pes­so­as sim­ples­men­te se con­for­mam aos pro­ble­mas que ela lhes im­põe. “O tem­po pas­sou e as pes­so­as não mais per­ce­bi­am o de­fei­to. As fa­lhas não ha­vi­am si­do sa­na­das mas os te­ci­dos hu­ma­nos, na­que­les di­as, tor­na­ram-se tão sub­ser­vi­en­tes que se adap­ta­vam com ra­pi­dez aos ca­pri­chos da Má­qui­na.”

Em­bo­ra a fun­ção da fic­ção ci­en­tí­fi­ca não se­ja pre­ver o fu­tu­ro, é ine­gá­vel que, por sua na­tu­re­za, o gê­ne­ro co­mu­men­te an­te­vê ques­tões com anos de van­ta­gem. “O ci­ne­ma e a li­te­ra­tu­ra, há mui­to tem­po, es­tão an­te­ci­pan­do uma sé­rie de coi­sas que po­dem acon­te­cer, ge­ral­men­te as ruins”, afir­ma Co­e­lho. “O problema é que nin­guém le­va is­so a sério. Qu­an­do Fors­ter es­cre­veu, crí­ti­cos pu­se­ram essa obra de la­do co­mo ir­re­le­van­te. Mi­nha es­pe­ran­ça é que os li­vros e fil­mes es­ti­mu­lem a sen­si­bi­li­da­de das pes­so­as.”

Fors­ter pu­bli­cou A Má­qui­na Pa­rou 80 anos an­tes do sur­gi­men­to da in­ter­net, mas já em seu tem­po a co­mu­ni­ca­ção se tor­na­va mais ve­loz e os mei­os de trans­por­te pas­sa­vam por uma re­vo­lu­ção que re­du­zia as dis­tân­ci­as ge­o­grá­fi­cas. A po­pu­la­ri­za­ção do car­ro e a as­cen­são da avi­a­ção fi­ze­ram com que as pes­so­as per­des­sem a referência es­pa­ci­al de ou­tro­ra, al­go que Ku­no cons­ta­ta ao ou­sar se aven­tu­rar pa­ra lon­ge de seu quar­to com as pró­pri­as per­nas, al­go im­pen­sá­vel nes­sa dis­to­pia.

“Vo­cê sa­be que per­de­mos o sen­ti­do do es­pa­ço. É co­mum di­zer ‘o es­pa­ço foi abo­li­do’ mas não abo­li­mos o es­pa­ço, ape­nas seu sig­ni­fi­ca­do”, diz Ku­no à mãe, ex­pli­can­do que su­as ca­mi­nha­das res­ga­ta­ram o sen­ti­do de “per­to” e “lon­ge”. “O ho­mem é a me­di­da. Essa foi mi­nha pri­mei­ra li­ção. Os pés do ho­mem são a me­di­da da dis­tân­cia, su­as mãos são a me­di­da do que po­de ter, seu cor­po é a me­di­da de tu­do que po­de ser de­se­ja­do e que­ri­do e que é bom.”

É jus­ta­men­te essa ex­pe­ri­ên­cia em pri­mei­ra mão, não me­di­a­da por uma má­qui­na ou fer­ra­men­ta, que Fors­ter, já em sua épo­ca, te­mia es­tar se di­luin­do com to­das as ma­ra­vi­lhas tec­no­ló­gi­cas da mo­der­ni­da­de. “A ideia de que as pes­so­as não es­tão mais vi­ven­ci­an­do a re­a­li­da­de vem de lon­ge, des­de Wal­ter Ben­ja­min, que se re­fe­re aos so­bre­vi­ven­tes da 1.ª Gu­er­ra Mun­di­al co­mo in­ca­pa­zes de ex­pe­ri­men­tar aqui­lo que es­ta­vam vi­ven­do”, pon­de­ra Co­e­lho. “Marx di­zia que o pro­le­tá­rio é um ali­e­na­do do seu tra­ba­lho, is­so sig­ni­fi­ca que ele não ex­pe­ri­men­ta o pró­prio tra­ba­lho que lhe foi ti­ra­do. Is­so pas­sa por vá­ri­as cul­tu­ras, mas es­se pro­ces­so es­tá sen­do le­va­do a um ní­vel exa­cer­ba­do.”

Pois essa in­ca­pa­ci­da­de de ex­pe­ri­men­tar em pri­mei­ra mão a re­a­li­da­de, e não por in­ter­mé­dio de um dis­po­si­ti­vo, é um dos pon­tos cen­trais da eCul­tu­ra, con­for­me Co­e­lho – que assina tam­bém o pos­fá­cio da no­ve­la de Fors­ter – nos mos­tra em seu li­vro. “Gran­de par­te, se não tu­do, do que se co­lo­ca­va co­mo pon­te (co­mo tal, pos­si­vel­men­te ne­ces­sá­rio) en­tre o su­jei­to e seu ob­je­to, en­tre o bus­ca­do e o ob­ti­do, de­sa­pa­re­ce ou, pe­lo me­nos, mi­ni­ma­li­za-se”, es­cre­ve ele.

En­tre os in­ter­me­diá­ri­os aba­la­dos pe­la eCul­tu­ra es­tão: o pro­fes­sor, en­tre o alu­no e o co­nhe­ci­men­to; as sa­las de ci­ne­ma, en­tre o di­re­tor e o es­pec­ta­dor; a li­vra­ria, en­tre o li­vro e o lei­tor; a agên­cia de vi­a­gem, en­tre o ho­tel e o hós­pe­de… Os exem­plos são in­fin­dá­veis. Cur­sos on­li­ne, Amazon, Uber, Airbnb, Net­flix e di­ver­sos ou­tros ser­vi­ços subs­ti­tu­em an­ti­gos in­ter­me­diá­ri­os.

To­da­via, Co­e­lho no­ta que essa ho­ri­zon­ta­li­za­ção é ape­nas apa­ren­te. As­sim co­mo, na fic­ção de Fors­ter, a Má­qui­na se tor­nou o nó cen­tral da re­de hu­ma­na, em nos­so mun­do tam­bém “a de­sin­ter­me­di­a­ção

pro­mo­ve uma ime­di­a­ta rein­ter­me­di­a­ção, ou re­ar­ran­jo das in­ter­me­di­a­ções de mo­do a con­cen­trá-la em al­guns pou­cos me­di­a­do­res, com ten­dên­cia pa­ra a con­cen­tra­ção num úni­co.” É re­cor­ren­te o fenô­me­no de um seg­men­to in­tei­ro nau­fra­gan­do gra­ças a uma star­tup ou apli­ca­ti­vo, fre­quen­te­men­te com­pra­do de­pois por uma gi­gan­te do Va­le do Si­lí­cio, con­cen­tran­do ain­da mais o po­der en­tre pou­cas em­pre­sas.

Não ape­nas a no­ve­la de Fors­ter, mas to­da a his­tó­ria hu­ma­na traz in­dí­ci­os de que a eCul­tu­ra não é uma par­ti­cu­la­ri­da­de do sé­cu­lo 21, e Co­e­lho procura dei­xar cla­ros os tra­ços de­la no passado dis­tan­te, des­de os autô­ma­tos hu­ma­noi­des cons­truí­dos por He­faís­tos na Ilía­da, de Ho­me­ro, até o robô gi­gan­te de bron­ze Ta­los, que pro­te­ge a mãe do rei Mi­nos de Cre­ta no po­e­ma épi­co Ar­go­nau­ti­ca, de Apol­lo­nius Rho­dius. “O so­nho de cri­ar ex­ten­sões do ser hu­ma­no na for­ma de má­qui­nas primeiro me­câ­ni­cas e, de­pois, des­sa má­qui­na das má­qui­nas que é o com­pu­ta­dor, ca­paz de as­su­mir um con­tro­le cres­cen­te das ati­vi­da­des de tra­ba­lho, bra­çal ou não, é tão an­ti­go no Oci­den­te quan­to as pri­mei­ras ma­ni­fes­ta­ções de sua cul­tu­ra fun­da­ci­o­nal”, es­cre­ve Co­e­lho. O in­te­lec­tu­al ad­mi­te que lutar con­tra as ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas é inó­cuo, “se­ria co­mo di­zer que se quer aca­bar com a ex­pe­ri­ên­cia do li­vro em pa­pel com ti­pos mó­veis em fa­vor de per­ga­mi­nhos ma­nus­cri­tos”, mas se pre­o­cu­pa com as de­ci­sões que a inteligênc­ia ar­ti­fi­ci­al po­de to­mar por con­ta pró­pria se não for bem im­ple­men­ta­da. Car­ros autô­no­mos são ape­nas um dos ce­ná­ri­os abor­da­dos pe­lo li­vro. Pa­ra is­so, de­ve­mos, de acor­do com ele, con­ce­der va­lo­res à tec­no­lo­gia – al­go que ain­da es­ta­mos dis­tan­tes de con­se­guir, ele ad­mi­te, uma vez que nem os pró­pri­os se­res hu­ma­nos con­se­guem en­trar em acor­do so­bre os va­lo­res que que­rem se­guir, quan­to mais impô-los às su­as má­qui­nas.

Uma das so­lu­ções apon­ta­das por Co­e­lho é su­pe­rar o abis­mo en­tre as “du­as cul­tu­ras” apon­ta­das por C.P. Snow, as ci­ên­ci­as exa­tas e as hu­ma­ni­da­des. Pa­ra ele, as ci­ên­ci­as na­tu­rais têm a ofe­re­cer “o mé­to­do, a in­ves­ti­ga­ção, a cren­ça na com­pro­va­ção fac­tu­al da­qui­lo que é di­to”, en­quan­to as hu­ma­nas co­la­bo­ram com “o pen­sa­men­to di­ver­gen­te e o pen­sa­men­to la­te­ral, que são coi­sas que os ci­en­tis­tas nem sem­pre têm; o pen­sa­men­to dos ci­en­tis­tas é cada vez mais con­ver­gen­te, ele de­li­mi­ta um fo­co e faz con­ver­gir pa­ra um ob­je­to tu­do o que ele tem”.

É des­sa for­ma, cri­an­do pon­tes en­tre opostos – exa­tas e hu­ma­nas, ana­ló­gi­cos e di­gi­tais – que Tei­xei­ra Co­e­lho vem ten­tan­do pen­sar no­vos ca­mi­nhos pa­ra a hu­ma­ni­da­de. Co­mo um imi­gran­te nes­se mun­do da eCul­tu­ra, ele se apro­vei­ta de sua van­ta­gem: “Es­tan­do de fo­ra, é pos­sí­vel ver o que os na­ti­vos não con­se­guem per­ce­ber”.

Um sé­cu­lo an­tes do ad­ven­to da in­ter­net, o es­cri­tor in­glês E.M. Fors­ter pre­viu a re­de e seus pro­ble­mas; li­vro do crí­ti­co Tei­xei­ra Co­e­lho exa­mi­na os dois

PARAMOUNT PIC­TU­RES

Tran­su­ma­no. Num fu­tu­ro em que se­res hu­ma­nos têm im­plan­tes ci­ber­né­ti­cos, a ci­bor­gue Ma­jor, co­man­dan­te que com­ba­te o ci­ber­ter­ro­ris­mo, ca­ça hac­kers no fil­me ‘Ghost in the Shell’

WERTHER SAN­TA­NA/ESTADÃO

Au­tor. Co­e­lho se vê co­mo ‘imi­gran­te’ di­gi­tal

A MÁ­QUI­NA PA­ROU AU­TOR: E.M. FORS­TER TRA­DU­ÇÃO: ANA GOLDBERGER EDI­TO­RA: ILU­MI­NU­RAS 104 PÁ­GI­NAS R$ 35

ECUL­TU­RA: A UTO­PIA FI­NAL AU­TOR: JO­SÉ TEI­XEI­RA CO­E­LHO NET­TO EDI­TO­RA: ILU­MI­NU­RAS 246 PÁ­GI­NAS R$ 59

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.