A fa­mí­lia John­son

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - EMAIL: [email protected]

Di­a­ri­a­men­te, uma no­va ideia é lan­ça­da pe­lo pri­mei­ro-mi­nis­tro bri­tâ­ni­co, Bo­ris John­son. Ago­ra, ele afas­ta qual­quer pos­si­bi­li­da­de de um no­vo adi­a­men­to da da­ta de saí­da do Rei­no Uni­do da União Eu­ro­peia. Ame­a­ça o Par­la­men­to, que gos­ta­ria de si­len­ci­ar. E, se o Par­la­men­to se re­cu­sar a res­pei­tar a da­ta de 31 de ou­tu­bro pa­ra um Bre­xit “du­ro”, se­gun­do o ca­len­dá­rio do pre­miê, ele não ex­clui uma dis­so­lu­ção. E ele tem di­rei­to?

Em vez de nos en­vol­ver­mos nas ma­no­bras obs­cu­ras do pre­miê, gos­ta­ría­mos de co­lo­car o fo­co na fa­mí­lia John­son, em seus ir­mãos e ir­mãs. To­dos os mem­bros são pes­so­as re­so­lu­tas, bri­lhan­tes, es­pi­ri­tu­a­li­za­das, de­vo­ra­das pe­la am­bi­ção, não con­for­mis­tas, e um pou­co pro­vo­ca­do­ras. E não po­de­mos for­mar uma ima­gem de Bo­ris sem evo­car es­sa fa­mí­lia des­con­cer­tan­te e en­can­ta­do­ra.

Es­sa fa­mí­lia cos­tu­ma ser com­pa­ra­da ao clã Ken­nedy, acres­ci­da do hu­mor

e do ci­nis­mo. Uma di­nas­tia im­pla­cá­vel. Seis fi­lhos, qua­tro do ca­sa­men­to do pa­tri­ar­ca, Stan­ley John­son, com uma pin­to­ra, Char­lot­te, se­pa­ra­da do pri­mei­ro ma­ri­do em 1979.

Stan­ley, o pai, é um aman­te de pi­lhé­ri­as e em­bus­tes, de­sen­vol­to, mas que, sob as ma­nei­ras fan­ta­sis­tas e ico­no­clas­tas é, na re­a­li­da­de, um ho­mem de­vo­ra­do pe­la am­bi­ção. A fa­mí­lia, mes­mo sen­do mui­to ri­ca, não faz par­te da gran­de aris­to­cra­cia bri­tâ­ni­ca.

Stan­ley co­lo­cou to­dos os fi­lhos nas es­co­las mais chi­ques do rei­no, co­mo Eton e Ox­ford. Eles apren­de­ram as bo­as ma­nei­ras e a in­so­lên­cia. Cons­ti­tuí­ram uma agen­da de en­de­re­ços que va­lem ou­ro. Tu­do is­so não pe­lo amor da sa­be­do­ria, mas pa­ra po­der su­bir co­mo ma­ca­cos no al­to da pi­râ­mi­de so­ci­al.

Quan­do seus fi­lhos e fi­lhas op­ta­ram pe­lo jor­na­lis­mo, eco­no­mia, ar­tes ou pe­la vi­da mun­da­na, is­so não foi im­por­tan­te pa­ra ele. O es­sen­ci­al era que apren­des­sem nas bo­as es­co­las, além do la­tim e da ge­o­me­tria, as li­mi­ta­ções e as de­lí­ci­as

da am­bi­ção e a re­cei­ta pa­ra fa­zer sua pro­pa­gan­da pes­so­al. Des­te pon­to de vis­ta, a edu­ca­ção de­se­ja­da por Stan­ley foi um su­ces­so: to­dos os fi­lhos ocu­pam po­si­ções de al­to es­ca­lão na es­fe­ra mun­da­na, po­lí­ti­ca, ar­tís­ti­ca ou econô­mi­ca do país. To­dos com­par­ti­lham a mes­ma vir­tu­de (ou vul­ga­ri­da­de): uma am­bi­ção de­sen­fre­a­da.

O ta­len­to de Stan­ley é fa­zer rei­nar en­tre os fi­lhos um de­sa­fio per­pé­tuo, mas sem que es­sa com­pe­ti­ção te­naz pa­ra ser o me­lhor não de­ge­ne­re em que­re­las, in­ve­jas, ran­co­res, mal­da­des e ou­tros in­con­ve­ni­en­tes. Mes­mo gen­ros e no­ras se adap­ta­ram a es­sa sa­cra­li­za­ção da am­bi­ção. “Ser ca­sa­do com uma John­son”, dis­se um dos gen­ros, “é co­mo ado­tar uma fa­mí­lia de cãe­zi­nhos ba­ru­lhen­tos, que sal­tam pa­ra to­do la­do e têm a ten­dên­cia a der­ru­bar os ob­je­tos de­li­ca­dos da me­sa”.

Len­do o re­tra­to da fa­mí­lia, fei­to pe­lo jor­na­lis­ta Eric Gil­bert, do Le Mon­de, o que es­pan­ta é que es­sa am­bi­ção im­pla­cá­vel, por ve­zes cru­el e vul­gar, e qua­se sem­pre triun­fan­te, é con­si­de­ra­da uma vir­tu­de pe­los John­sons. Em vez de ca­mu­flar ou de dar uma for­ma de al­truís­mo a es­sa am­bi­ção, eles fa­lam cru­a­men­te de­la e sem ne­nhu­ma ver­go­nha. Eles a exi­bem co­mo um bra­são fa­mi­li­ar, uma de­co­ra­ção. Um tro­féu. Co­mo uma ra­zão de vi­ver e de mor­rer.

Se­gun­do um ami­go da fa­mí­lia, “os John­sons for­mam um clã que é ao mes­mo

tem­po es­trei­to e ul­tra­com­pe­ti­ti­vo. Stan­ley in­cul­cou ne­les es­se sen­ti­do de con­cor­rên­cia: que­rer sem­pre ser o me­lhor, o pri­mei­ro. Mas não há va­lo­res. O es­sen­ci­al é ga­nhar”. Uma das ir­mãs de Bo­ris, tão am­bi­ci­o­sa quan­to in­te­li­gen­te, Ra­chel, con­se­guiu um be­lo lu­gar na li­te­ra­tu­ra e no jor­na­lis­mo. “Em re­su­mo, em Lon­dres, vo­cê não po­de ja­mais es­tar a mais de al­guns me­tros de um John­son”, dis­se ela. Es­sa mes­ma Ra­chel se re­fe­riu a um fo­tó­gra­fo que fa­zia uma re­por­ta­gem so­bre ela di­zen­do: “As­se­gu­re que su­as fo­tos me fa­vo­re­çam. O res­to não in­te­res­sa.”

Ou­tro dia, em en­tre­vis­ta, ela dei­xou en­tre­ver uma va­ga quei­xa, mas sem acrimô­nia. “De­vo me ren­der às evi­dên­ci­as. Ho­je sou co­nhe­ci­da so­bre­tu­do por ser a ir­mã de Bo­ris. É di­fí­cil ter uma exis­tên­cia pró­pria, por­que Bo­ris é es­sa fi­gu­ra po­lí­ti­ca im­por­tan­te. Não é fá­cil. Mas eu o amo. É a fa­mí­lia.”

Ou­tra in­dis­cri­ção de um pró­xi­mo da fa­mí­lia: “O que con­ta pa­ra eles é es­tar no cen­tro das aten­ções, no cen­tro do po­der. A ra­zão pe­la qual ocu­pam es­se lu­gar é se­cun­dá­ria.” Há três anos, Bo­ris es­tá no cen­tro da ba­ta­lha po­lí­ti­ca em Lon­dres, por­que é um dos mais ve­e­men­tes

par­ti­dá­ri­os do Bre­xit sem acor­do.

Is­so sig­ni­fi­ca que to­da a fa­mí­lia de­fen­de tam­bém um Bre­xit du­ro? Não. A uni­da­de do clã po­de os­ci­lar. Ela ja­mais fra­tu­rou. Ra­chel lem­brou do dia em que fo­ram co­nhe­ci­dos os re­sul­ta­dos do re­fe­ren­do de 2016, com a vi­tó­ria dos de­fen­so­res do Bre­xit. Ela ha­via ter­mi­na­do uma con­fe­rên­cia em Ni­ce.

“Atra­ves­sei o ae­ro­por­to, re­ple­to de per­so­na­li­da­des da pu­bli­ci­da­de, do ci­ne­ma, da im­pren­sa. As pes­so­as se afas­ta­vam de mim. Al­guns cho­ra­vam. Nin­guém me di­ri­gia a pa­la­vra de­pois da­qui­lo que o meu ir­mão Bo­ris ha­via fei­to pa­ra o ‘con­ti­nen­te’. Fi­quei mui­to tris­te.”

A iro­nia é que em sua qua­se to­ta­li­da­de a fa­mí­lia John­son é pró-Eu­ro­pa. O pai, Stan­ley, pas­sou mais de 30 anos a ser­vi­ço da UE, em Bru­xe­las ou em ou­tros lu­ga­res. A um jor­na­lis­ta que lhe per­gun­tou co­mo são os sa­cros­san­tos jan­ta­res da fa­mí­lia, Ra­chel res­pon­deu: “Bem, não fa­la­mos so­bre Bre­xit, por­que o am­bi­en­te fi­ca­ria ten­so. Além dis­so, não se­ria jus­to, pois to­dos nós es­ta­ría­mos con­tra Bo­ris. Se­ria um as­sé­dio mo­ral.” Uma fa­mí­lia de dân­dis!

A iro­nia é que a fa­mí­lia do pre­miê bri­tâ­ni­co qua­se to­da é pró-Eu­ro­pa e con­tra o Bre­xit

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.