Em­pre­sas já mi­ram com­pra de ca­na­bi­di­ol

Es­tra­té­gia de fa­ci­li­tar im­por­ta­ção ocor­re di­an­te de si­nal con­trá­rio pa­ra li­be­rar plan­tio

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Lí­gia For­men­ti

Di­an­te da si­na­li­za­ção con­trá­ria do go­ver­no pa­ra a li­be­ra­ção do plan­tio de ma­co­nha no País, em­pre­sá­ri­os co­me­çam a in­ves­tir na im­por­ta­ção mais fá­cil de ca­na­bi­di­ol, um dos com­po­nen­tes da plan­ta já usa­do por pa­ci­en­tes no Bra­sil. A Agência Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria (An­vi­sa) pro­gra­ma pa­ra ou­tu­bro a vo­ta­ção de re­so­lu­ções que tra­tam so­bre o tema. Mas os em­pre­sá­ri­os já es­tu­dam op­ções.

A Gre­enCa­re, que ven­de pro­du­tos im­por­ta­dos in­di­vi­du­al­men­te por pa­ci­en­tes, des­car­ta nes­te mo­men­to o ce­ná­rio de plan­tio no País. Mar­tim Mat­tos, pre­si­den­te da em­pre­sa, con­cen­tra ago­ra os pre­pa­ra­ti­vos em uma even­tu­al mu­dan­ça nas re­gras pa­ra im­por­ta­ção. Ele diz que a Gre­enCa­re não de­fi­niu ofi­ci­al­men­te se fa­bri­ca­rá me­di­ca­men­tos no País ou se man­te­rá a es­tra­té­gia de ape­nas tra­zer o pro­du­to já pron­to pa­ra uso em pa­ci­en­tes bra­si­lei­ros.

A mo­vi­men­ta­ção do go­ver­no tam­bém é acom­pa­nha­da pe­la Flu­ent, em­pre­sa que ini­ci­ou a ati­vi­da­de nos Es­ta­dos Uni­dos e ago­ra es­tá em pro­ces­so de ex­pan­são em Pe­ru, Colôm­bia e Aus­trá­lia. A com­pa­nhia já ha­via ini­ci­a­do os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra o plan­tio da ma­co­nha no País pa­ra a ex­tra­ção de prin­cí­pi­os ati­vos e fa­bri­ca­ção de me­di­ca­men­tos. A área do cul­ti­vo já ha­via si­do de­ter­mi­na­da e as par­ce­ri­as es­ta­vam em es­tá­gio adi­an­ta­do.

Di­an­te da si­na­li­za­ção do go­ver­no, a re­co­men­da­ção ago­ra é aguar­dar. “Mas não há dú­vi­da de que o ide­al se­ria plan­tar aqui. Is­so re­du­zi­ria os cus­tos da pro­du­ção e, con­se­quen­te­men­te, o pre­ço”, diz Ma­rio Gri­e­co, pre­si­den­te pa­ra Amé­ri­ca La­ti­na da Flu­ent. Pe­los cál­cu­los da em­pre­sa, o pre­ço po­de­ria cair 80% em re­la­ção ao que é pro­du­zi­do ho­je. “Is­so tra­ria eco­no­mia tam­bém pa­ra o Sis­te­ma Úni­co de Saú­de, uma vez que al­guns pa­ci­en­tes têm o tra­ta­men­to for­ne­ci­do pe­lo go­ver­no.”

Gri­e­co ava­lia que o mer­ca­do pa­ra ex­plo­ra­ção de pro­du­tos me­di­ci­nais de­ri­va­dos do ca­na­bi­di­ol e ou­tros com­po­nen­tes da ma­co­nha é ex­tre­ma­men­te pro­mis­sor. “A proi­bi­ção do cul­ti­vo fa­rá com que o Bra­sil per­ca opor­tu­ni­da­de im­por­tan­te, não ape­nas pa­ra tra­zer re­mé­di­os mais ba­ra­tos, mas tam­bém de fa­zer pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas.”

O pre­si­den­te da Entourage, Caio San­tos Abreu, faz a mes­ma ava­li­a­ção. A em­pre­sa tra­ba­lha nes­te mo­men­to no de­sen­vol­vi­men­to de me­di­ca­men­tos com ma­te­ri­al im­por­ta­do. “A de­ci­são da An­vi­sa não nos afe­ta­ria. Mas, ain­da as­sim, acre­di­to que o fa­to de o Bra­sil não po­der cul­ti­var a plan­ta pa­ra fa­zer pes­qui­sas, se­ja da ge­né­ti­ca da plan­ta, se­ja so­bre o uso, se­ria um de­sas­tre.”

A Entourage foi cri­a­da em 2015 e so­men­te de­pois de dois anos con­se­guiu tra­zer as plan­tas pa­ra a ex­tra­ção das subs­tân­ci­as que se­rão usa­das em fór­mu­las pes­qui­sa­das pe­la em­pre­sa.

A de­mo­ra, diz, tam­bém se­ria en­fren­ta­da pe­los cen­tros de pes­qui­sa. Ele apon­ta ou­tra per­da em po­ten­ci­al. “Te­mos tra­di­ção de pes­qui­sa agrí­co­la. De­sen­vol­ve­mos a me­lhor ca­na, os me­lho­res eu­ca­lip­tos. Não va­mos apro­vei­tar o po­ten­ci­al aca­dê­mi­co. Is­so se­rá mui­to ruim”, diz Abreu, ci­tan­do as mais de 900 va­ri­e­da­des da plan­ta, o es­tu­do das mo­lé­cu­las e even­tu­al po­ten­ci­al te­ra­pêu­ti­co, se­quen­ci­a­men­to e me­lho­ra­men­to ge­né­ti­co.

Mi­nis­tro da Saú­de. O mi­nis­tro da Saú­de, Luiz Hen­ri­que Man­det­ta, tem afir­ma­do não ha­ver ne­ces­si­da­de de se per­mi­tir a plan­ta­ção nem mes­mo pa­ra pes­qui­sa. Se­gun­do ele, es­tu­dos com ba­se em im­por­ta­ção de pro­du­tos já sa­tis­fa­zem as ne­ces­si­da­des do País. Man­det­ta tam­bém tem de­fen­di­do a per­mis­são ape­nas do re­gis­tro de me­di­ca­men­tos à ba­se do ca­na­bi­di­ol.

Uma das pro­pos­tas em aná­li­se pe­la An­vi­sa per­mi­te o cul­ti­vo da plan­ta no País so­men­te pa­ra fins me­di­ci­nais e pa­ra pes­qui­sa. Ou­tra pre­vê um pro­ces­so de re­gis­tro fa­ci­li­ta­do de me­di­ca­men­tos fei­tos com ba­se nos com­po­nen­tes da plan­ta.

Os tex­tos são de­ba­ti­dos há cer­ca de cin­co anos. Em uma pri­mei­ra aná­li­se, che­ga­ram a ser apro­va­dos pe­la di­re­ção da agência. Mas des­de ju­lho pas­sa­ram a ser bom­bar­de­a­dos pe­lo Exe­cu­ti­vo. Os mi­nis­tros da Ca­sa Ci­vil, da Ci­da­da­nia e da Saú­de cri­ti­ca­ram a pro­pos­ta da agência. Co­mo no pró­xi­mo ano três car­gos da di­re­to­ria se­rão re­no­va­dos, há a ava­li­a­ção de que um no­vo co­le­gi­a­do re­vi­se qual­quer li­be­ra­ção.

Se a proi­bi­ção per­ma­ne­cer, não há dú­vi­da de que o País mais tar­de irá se ar­re­pen­der. Além do ca­na­bi­di­ol, há ou­tras subs­tân­ci­as pre­sen­tes na plan­ta que são pro­mis­so­ras.” Caio San­tos Abreu PRE­SI­DEN­TE DA ENTOURAGE

DAVE CHAN/THE NEW YORK TIMES-21/9/2018

En­tra­ve. Se­gun­do mi­nis­tro, não há ne­ces­si­da­de de per­mi­tir plan­ta­ção nem pa­ra pes­qui­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.