‘Bra­sil so­fre do­en­ça in­dus­tri­al gra­ve’

Pa­ra eco­no­mis­ta, País tem cri­se de de­man­da, as­so­ci­a­da a cus­tos al­tos e com­pe­ti­ti­vi­da­de mui­to bai­xa da in­dús­tria

O Estado de S. Paulo - - Economia - Eco­no­mis­ta, pro­fes­sor do Ins­ti­tu­to de Eco­no­mia da UFRJ Vi­ni­cius Ne­der / RIO

Iso­la­da­men­te, a que­da de 0,3% da pro­du­ção da in­dús­tria em ju­lho an­te ju­nho faz par­te de uma vo­la­ti­li­da­de men­sal as­so­ci­a­da às per­das du­ran­te a re­ces­são, mas o fa­to de o ní­vel atu­al da ati­vi­da­de es­tar no mes­mo ní­vel de 2009 mos­tra que a eco­no­mia tem uma “do­en­ça in­dus­tri­al mui­to gra­ve”. A ava­li­a­ção é do eco­no­mis­ta Da­vid Kup­fer, pro­fes­sor do Ins­ti­tu­to de Eco­no­mia (IE) da UFRJ, es­pe­ci­a­li­za­do em eco­no­mia in­dus­tri­al. A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta.

A que­da da pro­du­ção in­dus­tri­al in­ter­rom­pe o si­nal um pou­co mais po­si­ti­vo do PIB do 2º tri­mes­tre, que te­ve avan­ço da in­dús­tria?

O da­do men­sal tem os­ci­la­ções que são usu­ais. Não acho que um da­do de um mês vir al­to ou bai­xo pos­sa tra­zer in­di­ca­ções pa­ra me­ses se­guin­tes. O que os da­dos mos­tram é que exis­te uma do­en­ça in­dus­tri­al no Bra­sil mui­to gra­ve, que não foi des­co­ber­ta por cau­sa des­ses úl­ti­mos da­dos, mas que se ob­ser­va pe­la re­gu­la­ri­da­de no de­sem­pe­nho mui­to fra­co ao lon­go de tan­to tem­po. Re­to­ma­mos o ní­vel de pro­du­ção de um ano de pro­fun­da cri­se, que foi o iní­cio de 2009.

O que ex­pli­ca es­sa ‘do­en­ça’? Sa­be­mos que é uma cri­se que con­ju­ga os dois la­dos do pro­ble­ma. É uma cri­se de de­man­da, pri­ma­ri­a­men­te, as­so­ci­a­da a uma cri­se de cus­tos (ele­va­dos) e (de) com­pe­ti­ti­vi­da­de mui­to bai­xa da in­dús­tria.

Em qual la­do do pro­ble­ma es­tá o prin­ci­pal en­tra­ve?

A cri­se de de­man­da tem uma ca­rac­te­rís­ti­ca mais con­jun­tu­ral, por­que ela de­cor­re da eco­no­mia em ge­ral e da po­lí­ti­ca econô­mi­ca. No meu mo­do de ver, a po­lí­ti­ca econô­mi­ca é o prin­ci­pal ge­ra­dor des­sa cri­se de de­man­da. E a cri­se de ofer­ta, que é a ques­tão da per­da cres­cen­te e con­tí­nua da ca­pa­ci­da­de de com­pe­tir da in­dús­tria, re­fle­te pro­ble­mas es­tru­tu­rais.

Quais os prin­ci­pais mo­ti­vos pa­ra es­sa per­da de com­pe­ti­ti­vi­da­de?

Des­ta­co, em pri­mei­ro lu­gar, o ní­vel in­su­fi­ci­en­te do in­ves­ti­men­to. O in­ves­ti­men­to sen­do mui­to con­traí­do li­mi­ta o pro­ces­so de mo­der­ni­za­ção. É um pro­ble­ma de acú­mu­lo de atra­so tec­no­ló­gi­co. Es­se pro­ble­ma do in­ves­ti­men­to ain­da se re­fle­te na in­fra­es­tru­tu­ra, que é um ge­ra­dor de cus­tos mui­to im­por­tan­te pa­ra a in­dús­tria. De­pois, te­mos pro­ble­mas an­ti­gos, per­ma­nen­tes, li­ga­dos ao cha­ma­do cus­to Bra­sil, co­mo a ques­tão tri­bu­tá­ria e das re­gu­la­men­ta­ções, que sem­pre exis­ti­ram. É cla­ro que é um pro­ble­ma, mas não é a no­vi­da­de.

Qual o prin­ci­pal ris­co pa­ra a in­dús­tria da­qui pa­ra a fren­te?

O que po­de agra­var o qua­dro é a ma­nu­ten­ção des­se pa­drão de es­tag­na­ção da ati­vi­da­de in­dus­tri­al por mais tem­po ain­da. Os efei­tos cu­mu­la­ti­vos des­sa ane­mia in­dus­tri­al vão ma­tar o do­en­te. A in­dús­tria vai mor­rer. E de­pois vai ser mui­to di­fí­cil re­cons­ti­tuir o te­ci­do in­dus­tri­al, que ain­da é re­la­ti­va­men­te gran­de no Bra­sil.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.