CA­RA NO­VA

Ace­le­ra­do­ras mu­dam de per­fil e se unem a cor­po­ra­ções

O Estado de S. Paulo - - Economia - Bru­no Ca­pe­las

Re­ce­ber mi­lha­res de idei­as pa­ra cri­ar uma star­tup. Es­co­lher as me­lho­res. Co­lo­car os do­nos des­sas idei­as em imer­são. Aju­dá-los a tes­tar a vi­a­bi­li­da­de do ne­gó­cio. In­ves­tir, em mé­dia, cer­ca de R$ 100 mil em tro­ca de uma fa­tia da no­va em­pre­sa, tor­cen­do pa­ra que o ne­gó­cio cres­ça e pro­por­ci­o­ne o re­tor­no es­pe­ra­do. Na úl­ti­ma dé­ca­da, o ecos­sis­te­ma de star­tups do Bra­sil se acos­tu­mou a ver ace­le­ra­do­ras usan­do a fór­mu­la ci­ma, cri­a­da no Va­le do Si­lí­cio por no­mes co­mo Y Com­bi­na­tor e Plug and Play. Mas is­so es­tá mu­dan­do: ca­da vez mais, sur­gem pro­gra­mas de ace­le­ra­ção cor­po­ra­ti­va – on­de uma gran­de em­pre­sa “pa­tro­ci­na” a men­to­ria das no­va­tas, em tro­ca de es­tar per­to de ino­va­ção – e ace­le­ra­do­ras tra­di­ci­o­nais mu­dam de per­fil pa­ra se ade­quar aos no­vos tem­pos.

Pi­o­nei­ra no mer­ca­do na­ci­o­nal, a pau­lis­ta­na Ace é tal­vez quem me­lhor exem­pli­fi­que es­sa trans­for­ma­ção. Fun­da­do em 2012, ain­da co­mo Ace­le­ra­te­ch, o gru­po ace­le­rou mais de 300 em­pre­sas até ju­nho des­te ano, quan­do re­no­vou sua ca­ra. Além de ex­tin­guir seu tra­di­ci­o­nal pro­gra­ma de ace­le­ra­ção, a Ace pas­sou

a se apre­sen­tar co­mo uma em­pre­sa de ino­va­ção, dividida em du­as áre­as.

A Ace Star­tups ago­ra é uma em­pre­sa de in­ves­ti­men­tos, que faz apor­tes em em­pre­sas ini­ci­an­tes e aju­da-as a cres­cer de for­ma per­so­na­li­za­da, en­quan­to o Ace Cor­tex faz pro­je­tos de ino­va­ção com gran­des em­pre­sas – in­cluin­do pro­gra­mas de ace­le­ra­ção no qual a Ace es­co­lhe star­tups atra­vés das me­tas es­ta­be­le­ci­das pe­la cor­po­ra­ção.

“O ce­ná­rio mu­dou mui­to: se an­tes a ace­le­ra­do­ra da­va um apor­te im­por­tan­te, quem tem uma ideia ago­ra já tem mais apoio de ca­pi­tal de ou­tras fon­tes, co­mo in­ves­ti­do­res an­jo ou fun­dos de ca­pi­tal se­men­te”, ex­pli­ca Arthur Gar­rut­ti, exe­cu­ti­vo da Ace Star­tups. “Tam­bém per­ce­be­mos que fa­zia mais sen­ti­do aju­dar as star­tups de for­ma cus­to­mi­za­da, com so­lu­ções es­pe­cí­fi­cas.” Ago­ra, pa­ra es­co­lher seus in­ves­ti­men­tos, que vão de R$ 200 mil a R$ 2 mi­lhões, a Ace usa um al­go­rit­mo pró­prio, que le­va em con­ta cer­ca de 44 va­riá­veis pa­ra to­mar uma de­ci­são.

Con­tra­tos.

Quem mu­dou de per­fil foi a Way­ra, que per­ten­ce à ope­ra­do­ra Vi­vo. Cri­a­da em 2011, a di­vi­são foi um exem­plo de ace­le­ra­ção cor­po­ra­ti­va pa­ra o ecos­sis­te­ma lo­cal, mas vi­rou a cha­ve no ano pas­sa­do pa­ra vi­rar um mis­to de hub de ino­va­ção e fun­do de in­ves­ti­men­tos se­men­te, em tor­no de R$ 500 mil. Se­gun­do Re­na­to Va­len­te, di­re­tor da Way­ra, a mu­dan­ça ace­le­rou pro­ces­sos na Vi­vo. “As em­pre­sas que in­ves­ti­mos ago­ra já têm 40, 50 fun­ci­o­ná­ri­os, e são ca­pa­zes de pres­tar ser­vi­ços pa­ra nós, bri­gan­do de fren­te com as gi­gan­tes do mer­ca­do”, diz. “An­tes, era pre­ci­so es­pe­rar dois ou três anos pa­ra a star­tup ma­tu­rar e con­se­guir ser útil pa­ra nós ou pa­ra ou­tras com­pa­nhi­as.”

O fo­co, po­rém, não mu­dou: a Way­ra não in­ves­te só em em­pre­sas que têm re­la­ção di­re­ta com o ne­gó­cio da Vi­vo, mas tam­bém em áre­as co­mo fi­nan­ças, saú­de e in­ter­net das coi­sas. Em 2019, fo­ram três in­ves­ti­men­tos até aqui. “An­tes meu de­sa­fio era fa­zer as star­tups cres­ce­rem. Ago­ra, é aju­dá-las a fe­char con­tra­tos mi­li­o­ná­ri­os”, diz. Pa­ra Va­len­te, a mu­dan­ça de per­fil das ace­le­ra­do­ras se de­ve, so­bre­tu­do, ao ris­co das ope­ra­ções. “É di­fí­cil fa­zer a con­ta fe­char em um pro­gra­ma de ace­le­ra­ção tra­di­ci­o­nal, por­que mui­tas em­pre­sas mor­rem pe­lo ca­mi­nho.”

Das 72 star­tups ace­le­ra­das pe­la Way­ra en­tre 2011 e 2018, 36 se­guem no port­fó­lio da em­pre­sa, 30 fa­li­ram e 6 fo­ram “de­sin­ves­ti­das” – is­to é, de­ram re­tor­no pa­ra o in­ves­ti­men­to. É um nú­me­ro al­to: se­gun­do es­tu­do re­cen­te da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de En­ti­da­des Pro­mo­to­ras de Em­pre­en­di­men­tos Ino­va­do­res (An­pro­tec), ape­nas 3% das star­tups ace­le­ra­das no País ge­ra­ram “de­sin­ves­ti­men­to”.

Va­le res­sal­tar, po­rém, que o ci­clo de de­sin­ves­ti­men­to de star­tups é lon­go – cos­tu­ma le­var en­tre se­te e dez anos, pra­zo que ain­da não se en­cer­rou pa­ra a mai­o­ria das ace­le­ra­do­ras no País. Mas o pró­prio re­la­tó­rio in­di­ca que pro­gra­mas de ace­le­ra­ção cor­po­ra­ti­va tal­vez se­jam mais sus­ten­tá­veis pa­ra o se­tor. Se­gun­do o re­la­tó­rio, há ho­je 57 ace­le­ra­do­ras no Bra­sil.

Sem ações.

Cri­a­da em 2015, a Li­ga Ven­tu­res já nas­ceu com o fo­co na ace­le­ra­ção cor­po­ra­ti­va. Ho­je, tem mais de 30 pro­gra­mas di­fe­ren­tes, de em­pre­sas de vá­ri­os se­to­res – in­cluin­do quem, à pri­mei­ra vis­ta, pa­re­ce dis­tan­te das star­tups, co­mo a Bau­duc­co, que tem ins­cri­ções aber­tas pa­ra o pro­gra­ma B.Lab. “Ho­je, to­do mun­do tem al­go a ino­var, não im­por­ta o se­tor. Qu­e­re­mos ex­pe­ri­men­tar no ne­gó­cio, mas tam­bém nos ali­men­tos e nas em­ba­la­gens”, diz Luís Fer­nan­do Go­mes, ge­ren­te de no­vos ne­gó­ci­os da Bau­duc­co.

A no­vi­da­de é que o pro­gra­ma da Bau­duc­co não tem apor­tes di­re­tos nas star­tups – al­go que vem sen­do cha­ma­do pe­lo mer­ca­do de “sem equity” (“sem ações”, em tra­du­ção li­te­ral). “Per­ce­be­mos que dis­cu­tir um in­ves­ti­men­to, pa­ra as gran­des em­pre­sas, po­de tra­zer um ní­vel de com­ple­xi­da­de gran­de en­quan­to ela pre­ci­sa ino­var rá­pi­do. É me­lhor usar o ca­pi­tal pa­ra ou­tros re­cur­sos e, se ao fim do pro­gra­ma, a star­tup ti­ver al­go in­te­res­san­te, aí sim fa­zer o in­ves­ti­men­to”, diz Gui­lher­me Mas­sa, co­fun­da­dor da Li­ga Ven­tu­res.

É no que tam­bém acre­di­ta a Ky­vo, que sur­giu co­mo con­sul­to­ria de de­sign pas­sou a fa­zer pro­gra­mas de ace­le­ra­ção cor­po­ra­ti­vos – en­tre os cli­en­tes, tem a cer­ve­ja­ria Es­trel­la Ga­lí­cia e a Vi­sa. “Acha­mos que era in­jus­to com as star­tups to­mar equity lo­go de iní­cio. So­mos re­mu­ne­ra­dos pe­las gran­des em­pre­sas”, diz Cla­ra Bi­do­ri­ni, che­fe de Cor­po­ra­te Ven­tu­re na Ky­vo.

Há quem se ques­ti­o­ne, po­rém, se o no­vo mo­de­lo de de­sen­vol­vi­men­to de star­tups po­de tor­ná-las mais “de­pen­den­tes” das gran­des cor­po­ra­ções – é di­fí­cil pen­sar co­mo se­ri­am ca­sos de su­ces­so co­mo Uber, Airbnb ou Nu­bank, se eles ti­ves­sem fei­to al­go si­mi­lar. Pa­ra Gar­rut­ti, da Ace, o em­pre­en­de­dor de­ve pen­sar du­as ve­zes an­tes de en­trar num pro­gra­ma cor­po­ra­ti­vo.

“Se a cor­po­ra­ção pro­põe con­tra­tos de ex­clu­si­vi­da­de ou tra­vas pa­ra o ne­gó­cio, a star­tup po­de vi­rar só um de­par­ta­men­to da gran­de em­pre­sa. É jo­gar água no cho­pe da má­gi­ca”, diz o exe­cu­ti­vo. Pa­ra Va­len­te, da Way­ra, es­sa dis­cus­são é vá­li­da pa­ra pou­cas no­va­tas. “En­trar na ace­le­ra­ção cor­po­ra­ti­va ain­da é a me­lhor en­tra­da pa­ra quem quer ven­der pa­ra uma gran­de em­pre­sa.”

TABA BENEDICTO/ES­TA­DÃO

Trans­for­ma­ção. Pi­o­nei­ra no mer­ca­do do País, Ace, de Gar­rut­ti, abo­liu pro­gra­ma de ace­le­ra­ção e pas­sou a fa­zer in­ves­ti­men­tos ‘cus­to­mi­za­dos’ em star­tups

JF DIORIO/ES­TA­DÃO-29/8/2019

Pron­tas. Way­ra, de Va­len­te, ago­ra in­ves­te em star­tups mais ma­du­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.