‘Não po­de­mos nos calar quan­do a es­quer­da vi­o­la os di­rei­tos hu­ma­nos’

Siqueira afir­ma que PSB so­freu co­bran­ças in­ter­nas e da so­ci­e­da­de pa­ra se ma­ni­fes­tar so­bre o go­ver­no do país vi­zi­nho

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Pau­la Re­ver­bel

Di­ri­gen­te re­co­nhe­ce que o PSB er­rou ao não fa­zer crí­ti­cas ao “re­gi­me au­to­ri­tá­rio” da Ve­ne­zu­e­la.

A de­ci­são do PSB de con­de­nar pu­bli­ca­men­te vi­o­la­ções a di­rei­tos hu­ma­nos do go­ver­no de Ni­co­lás Ma­du­ro na Ve­ne­zu­e­la foi uma res­pos­ta a co­bran­ças in­ter­nas e da so­ci­e­da­de, afir­mou ao Es­ta­do o pre­si­den­te da si­gla, Car­los Siqueira. Se­gun­do ele, o país vi­zi­nho tem ca­rac­te­rís­ti­cas de re­gi­me au­to­ri­tá­rio. Já o des­li­ga­men­to do Fo­ro de São Pau­lo, diz, foi uma me­ra for­ma­li­za­ção, já que o par­ti­do não par­ti­ci­pou das úl­ti­mas três edi­ções. Nes­ta en­tre­vis­ta, Siqueira tam­bém cri­ti­ca o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro e o com­pa­ra a Ma­du­ro – pa­ra ele, o pre­si­den­te bra­si­lei­ro tam­bém não res­pei­ta a de­mo­cra­cia. A se­guir os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta:

O que le­vou o par­ti­do a re­pu­di­ar as vi­o­la­ções de di­rei­tos hu­ma­nos na Ve­ne­zu­e­la?

O PSB tem na sua ba­se a ideia do so­ci­a­lis­mo de­mo­crá­ti­co, ou se­ja, plu­ral. Di­fe­ren­te­men­te do sta­li­nis­mo, a nos­sa ideia, na fun­da­ção do par­ti­do, foi crí­ti­ca ao so­ci­a­lis­mo au­to­ri­tá­rio. Nun­ca ti­ve­mos re­la­ção com o go­ver­no Hu­go Chá­vez ou com Ni­co­lás Ma­du­ro, nun­ca ti­ve­mos uma reu­nião com o par­ti­do so­ci­a­lis­ta da Ve­ne­zu­e­la. Ao mes­mo tem­po, es­tá­va­mos sen­do co­bra­dos so­bre por que a gen­te não di­zia na­da so­bre is­so. Achei que as pes­so­as ti­nham ra­zão. (O go­ver­no Ma­du­ro) não tem na­da a ver com o so­ci­a­lis­mo.

Acha que a Ve­ne­zu­e­la vi­ve uma di­ta­du­ra?

Em­bo­ra te­nha um pre­si­den­te elei­to, a elei­ção em si, ape­sar de in­dis­pen­sá­vel, não ga­ran­te que a Ve­ne­zu­e­la se­ja um re­gi­me de­mo­crá­ti­co. O país ho­je tem as ca­rac­te­rís­ti­cas pró­pri­as de um re­gi­me au­to­ri­tá­rio: a exis­tên­cia de pre­sos po­lí­ti­cos e a au­sên­cia de li­ber­da­de de ex­pres­são. Es­se é um pou­co o ris­co que nós, bra­si­lei­ros, cor­re­mos, já que ele­ge­mos um pre­si­den­te que não res­pei­ta a de­mo­cra­cia, elo­gia tor­tu­ra­do­res e des­res­pei­ta a im­pren­sa.

O que le­vou à saí­da do Fo­ro de São Pau­lo?

Há três edi­ções, o PSB não par­ti­ci­pa. Os par­ti­dos so­ci­a­lis­tas da Amé­ri­ca La­ti­na têm uma vi­são crí­ti­ca do Fo­ro. Quan­do par­ti­ci­pa­mos, não tí­nha­mos uma iden­ti­da­de. En­tão, de­ci­di­mos que, já que es­ta­mos fo­ra na prá­ti­ca, se­ria me­lhor ofi­ci­a­li­zar.

Quais são as crí­ti­cas que fa­zem ao Fo­ro?

A sua con­du­ção sem­pre foi bas­tan­te cen­tra­li­za­da, não per­mi­tia uma dis­cus­são mais aber­ta so­bre a con­jun­tu­ra la­ti­no-ame­ri­ca­na. Fo­mos nos de­sa­ni­man­do com is­so e aban­do­nan­do ao lon­go do tem­po. Te­mos cons­truí­do uma re­la­ção fo­ra des­se âm­bi­to. En­tra­mos na Ali­an­ça Pro­gres­sis­ta, uma ar­ti­cu­la­ção de par­ti­dos so­ci­a­lis­tas e so­ci­al­de­mo­cra­tas que tem co­or­de­na­ção no Par­ti­do So­ci­al-De­mo­cra­ta ale­mão. Fo­mos o pri­mei­ro par­ti­do do Bra­sil a ade­rir. Pas­sa­mos a par­ti­ci­par da Co­or­de­na­ção So­ci­a­lis­ta La­ti­no-Ame­ri­ca­na (CSL), que o PSB co­or­de­na há al­gum tem­po e é com­pos­ta de par­ti­dos so­ci­a­lis­tas da Amé­ri­ca La­ti­na.

Ha­via co­bran­ça pa­ra se po­si­ci­o­nar so­bre a Ve­ne­zu­e­la?

Ha­via uma co­bran­ça in­ter­na e no pla­no ex­ter­no, da so­ci­e­da­de, pa­ra que nós mos­trás­se­mos que não te­mos vín­cu­lo com es­se go­ver­no. Não po­de­mos fi­car ca­la­dos por­que os di­rei­tos hu­ma­nos es­tão sen­do des­res­pei­ta­dos por al­guém que se diz de es­quer­da. Te­mos de de­fen­der os di­rei­tos hu­ma­nos quan­do eles fo­rem des­res­pei­ta­dos por quem quer que se­ja. Da mes­ma ma­nei­ra que nós re­sol­ve­mos di­zer que não re­co­nhe­ce­mos o Ju­an Gu­ai­dó co­mo pre­si­den­te au­toin­ti­tu­la­do. E tam­bém não po­de­mos con­cor­dar que a cri­se na Ve­ne­zu­e­la se­ja re­sol­vi­da por ou­tros paí­ses, co­mo Bra­sil – con­for­me o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro su­ge­riu – ou EUA. A so­ci­e­da­de ve­ne­zu­e­la­na é quem tem de de­ci­dir so­bre es­sas coi­sas.

O PT fez o opos­to, e a pre­si­den­te do par­ti­do, Glei­si Hoff­mann, vem rei­te­ran­do o apoio ao re­gi­me Ma­du­ro. O que acha is­so? Nós so­mos um par­ti­do de es­quer­da, mas de ou­tra na­tu­re­za. Não vou dar opi­nião so­bre o PT, is­so é com eles.

Bol­so­na­ro já deu de­cla­ra­ções so­bre sua can­di­da­tu­ra à re­e­lei­ção. O que acha dis­so?

Acho que é mui­to ce­do pa­ra fa­lar de 2022 por­que te­mos uma ou­tra elei­ção pe­la fren­te. Bol­so­na­ro re­sol­veu fa­zer es­sa an­te­ci­pa­ção sem ter re­sol­vi­do um úni­co pro­ble­ma que en­con­trou co­mo pre­si­den­te. Acho ne­ga­ti­vo, pois os par­ti­dos de­ve­ri­am es­tar de­di­ca­dos a en­con­trar uma so­lu­ção pa­ra os pro­ble­mas do País.

“Não po­de­mos fi­car ca­la­dos por­que os di­rei­tos hu­ma­nos es­tão sen­do des­res­pei­ta­dos por al­guém que se diz de es­quer­da. Te­mos de de­fen­der os di­rei­tos hu­ma­nos quan­do eles fo­rem des­res­pei­ta­dos por quem quer que se­ja.”

CAR­LOS SIQUEIRA PRE­SI­DEN­TE DO PSB

DIDA SAMPAIO/ES­TA­DÃO - 3 /8/2018

PSB. Siqueira diz que des­li­ga­men­to do par­ti­do do Fo­ro de São Pau­lo foi me­ra­men­te for­mal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.