‘De­ve­ría­mos ter cri­ti­ca­do mais coi­sas do Bol­so­na­ro’

Kim Kataguiri diz que MBL de­ve ‘com­pen­sar’ ati­tu­de an­te­ri­or se po­si­ci­o­nan­do so­bre ‘to­dos os er­ros do go­ver­no Bol­so­na­ro’

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Jo­sé Fucs

Lí­der do MBL diz que de­ve “com­pen­sar” ati­tu­de na cam­pa­nha ma­ni­fes­tan­do-se so­bre “to­dos os er­ros do go­ver­no”.

O de­pu­ta­do fe­de­ral Kim Kataguiri (DEM-SP), um dos lí­de­res do MBL (Mo­vi­men­to Bra­sil Li­vre), es­tá ali­nha­do com a au­to­crí­ti­ca fei­ta pe­lo gru­po em re­la­ção à atu­a­ção que te­ve no pas­sa­do. Se­gun­do ele “o prin­ci­pal er­ro do MBL foi ter mis­tu­ra­do pes­so­as de es­quer­da que ha­vi­am co­me­ti­do cri­me e es­ta­vam mal-in­ten­ci­o­na­das com quem sim­ples­men­te era de es­quer­da e dis­cor­da­va da gen­te”. So­bre o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, diz que o MBL não vai “pas­sar pa­no” quan­do ele er­rar, mas elo­gi­a­rá quan­do for o ca­so. Con­fi­ra os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta de Kataguiri ao Es­ta­do.

Re­cen­te­men­te, o MBL fez uma au­to­crí­ti­ca, re­a­va­li­an­do a sua pos­tu­ra até ago­ra e a re­la­ção com o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. Qual a sua po­si­ção nes­ta ques­tão?

Pa­ra mim, na épo­ca do im­pe­a­ch­ment e do go­ver­no Te­mer, o prin­ci­pal er­ro do MBL foi ter mis­tu­ra­do as pes­so­as de es­quer­da que ti­nham con­ta­to com o po­der, ha­vi­am co­me­ti­do cri­me e es­ta­vam mal-in­ten­ci­o­na­das com quem sim­ples­men­te era de es­quer­da e dis­cor­da­va da gen­te. Is­so ape­que­nou o de­ba­te pú­bli­co, mui­to ca­ta­li­sa­do por es­sa ló­gi­ca de vi­si­bi­li­da­de, do es­pe­tá­cu­lo. Ain­da ho­je, mas mais ain­da na épo­ca do im­pe­a­ch­ment, a bri­ga cha­ma mais a aten­ção do que a cons­tru­ção. Nes­te sen­ti­do, pa­ra mim, a con­vi­vên­cia no Par­la­men­to es­tá sen­do bem po­si­ti­va.

O se­nhor quer di­zer que tem es­quer­da do bem? Exa­ta­men­te. Tem gen­te de es­quer­da que dis­cor­da di­a­me­tral­men­te do que eu pen­so, mas é bem-in­ten­ci­o­na­da, acre­di­ta re­al­men­te na­qui­lo. Não es­tá rou­ban­do nem sen­do fi­nan­ci­a­da com di­nhei­ro de cor­rup­ção. Is­so aju­da a fa­zer a cons­tru­ção po­lí­ti­ca. Se vo­cê ti­ver um bom re­la­ci­o­na­men­to e pen­sar em pau­tas que não vão ge­rar tan­ta con­tro­vér­sia, é mais fá­cil apro­var os pro­je­tos. É um tra­ba­lho vir­tu­o­so, mas os par­la­men­ta­res não têm in­cen­ti­vo pa­ra fa­zer is­so, por­que o elei­to­ra­do quer ver bri­ga.

Co­mo es­sa au­to­crí­ti­ca afe­ta a pos­tu­ra do MBL em re­la­ção ao go­ver­no Bol­so­na­ro?

A gen­te sem­pre te­ve uma pos­tu­ra crí­ti­ca em re­la­ção ao Bol­so­na­ro. Mes­mo na elei­ção a gen­te pre­gou o “vo­to útil”. An­tes, a gen­te es­ta­va apoi­an­do o

(em­pre­sá­rio) Flavio Ro­cha

(pré-can­di­da­to pe­lo PRB). Mas acre­di­to que, no go­ver­no Te­mer, quan­do a gen­te evi­ta­va cri­ti­car o Bol­so­na­ro por ele tam­bém ser de di­rei­ta e pa­ra evi­tar ruí­do in­ter­no, aca­bou dei­xan­do es­ca­par coi­sas que não de­ve­ri­am ter es­ca­pa­do.

Que ti­po de coi­sa o MBL dei­xou es­ca­par do Bol­so­na­ro? No vo­to do im­pe­a­ch­ment, o Bol­so­na­ro elo­gi­ou o (co­ro­nel Car­los Al­ber­to Bri­lhan­te) Us­tra (ex-che­fe do DOI-CODI do II Exér­ci­to). Aí, o (Fer­nan­do) Ho­li­day (ve­re­a­dor em São Pau­lo, tam­bém li­ga­do ao MBL) fez um ví­deo, no qual cri­ti­ca­va tan­to o Bol­so­na­ro quan­to o de­pu­ta­do que ha­via ci­ta­do o (Car­los) Ma­righel­la (guer­ri­lhei­ro da Ação Li­ber­ta­do­ra Na­ci­o­nal). Lem­bro que, en­tre nós mes­mos, hou­ve dú­vi­da se a gen­te ha­via fei­to a coi­sa cer­ta, por­que pro­vo­cou uma on­da de ata­ques mui­to for­te. Ho­je, ven­do em re­tros­pec­ti­va, acho que ago­ra é con­sen­so que de­ve­ría­mos ter cri­ti­ca­do mes­mo e até ter cri­ti­ca­do mais coi­sas. Ago­ra, a gen­te po­de com­pen­sar is­so, se po­si­ci­o­nan­do de for­ma cla­ra em to­das as pau­tas, em to­dos os er­ros do go­ver­no Bol­so­na­ro, sem dei­xar de elo­gi­ar os acer­tos.

Na se­ma­na pas­sa­da, o se­nhor foi ata­ca­do nas re­des so­ci­ais por cau­sa da der­ru­ba­da do ve­to do pre­si­den­te no pro­je­to que cri­mi­na­li­za a di­vul­ga­ção de de­nún­ci­as fal­sas nas elei­ções. Co­mo o se­nhor vê es­se ti­po de ação?

O que es­tão di­vul­gan­do é fal­so e ex­põe a ca­na­lhi­ce de quem es­pa­lha es­se bo­a­to. Pri­mei­ro, é men­ti­ra que sou o au­tor do pro­je­to, co­mo es­tão di­zen­do. O pro­je­to é de 2011, do de­pu­ta­do Fé­lix Men­don­ça Jú­ni­or (PDTBA). Já ti­nha pas­sa­do pe­la Câ­ma­ra em 2014 e foi apro­va­do pe­lo Se­na­do em abril. O que eu fiz foi um des­ta­que pa­ra vo­tar em se­pa­ra­do o ve­to do pre­si­den­te. Foi um ve­to par­ci­al, re­la­ci­o­na­do ao pa­rá­gra­fo que tra­ta de quem sa­bia que a de­nún­cia era fal­sa e a di­vul­gou mes­mo as­sim com fins elei­to­rais – e ele aca­bou der­ru­ba­do. Em se­gun­do lu­gar, es­se dis­po­si­ti­vo não é o apo­ca­lip­se que pin­ta­ram. Tan­to que o pró­prio Jair (Bol­so­na­ro ), quan­do era de­pu­ta­do, vo­tou du­as ve­zes a fa­vor de­le em 2014, con­cor­dan­do com 100% do mé­ri­to do pro­je­to.

“Tem gen­te de es­quer­da que dis­cor­da di­a­me­tral­men­te do que eu pen­so, mas é bem-in­ten­ci­o­na­da, acre­di­ta re­al­men­te na­qui­lo. Não es­tá rou­ban­do nem sen­do fi­nan­ci­a­da com di­nhei­ro de cor­rup­ção. Is­so aju­da a fa­zer a cons­tru­ção po­lí­ti­ca.”

KIM KATAGUIRI DE­PU­TA­DO (DEM-SP)

TABA BENEDICTO / ES­TA­DÃO

Equí­vo­co. Pa­ra Kim, MBL não de­ve­ria ter cri­ti­ca­do gen­te da es­quer­da por idei­as di­fe­ren­tes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.