Quei­ma­das

O Estado de S. Paulo - - Notas e informaçõe­s -

Pu­ra fa­lá­cia a de a flo­res­ta es­tar sen­do con­su­mi­da pe­lo fo­go. O fo­go só se alas­tra em áre­as de cer­ra­do, on­de há gra­mí­ne­as, em áre­as de­gra­da­das, pas­ta­gens ou áre­as de “der­ru­ba­das”. Na ma­ta na­ti­va o fo­go, por mais in­ten­so que se­ja, não avan­ça nem dois me­tros flo­res­ta aden­tro. Sou en­ge­nhei­ro agri­men­sor e ti­ve a opor­tu­ni­da­de de pre­sen­ci­ar is­so no nor­te de Ma­to Gros­so em 1979, quan­do um imen­so sa­pe­zal, com uns 10 mil hec­ta­res, pe­gou fo­go. Era agos­to, ca­lor in­su­por­tá­vel, e o sa­pe­zal se­co co­mo pól­vo­ra. O fo­go che­gou à ma­ta na­ti­va e não aden­trou nem os dois me­tros men­ci­o­na­dos.

AN­TO­NIO MOLINA

mo­li­na­en­ge­nha­ria.san­ta­[email protected] San­ta Fé do Sul

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.