Não é ho­ra de me­xer no te­to

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Cui­dar da des­pe­sa é mui­to mais im­por­tan­te, mais pro­du­ti­vo e me­nos pe­ri­go­so pa­ra o País, nes­te mo­men­to, do que re­la­xar o con­tro­le das fi­nan­ças pú­bli­cas.

Se­ria um er­ro mu­dar a re­gra do te­to de gas­tos, dis­se o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia, e ele es­tá cer­to. Cui­dar da des­pe­sa é mui­to mais im­por­tan­te, mais pro­du­ti­vo e me­nos pe­ri­go­so, nes­te mo­men­to, do que re­la­xar o con­tro­le das fi­nan­ças pú­bli­cas. Afrou­xar o li­mi­te se­ria es­con­der o pro­ble­ma, em vez de ten­tar re­sol­vê­lo, pon­de­rou o de­pu­ta­do. Es­se co­men­tá­rio va­le co­mo de­fe­sa da se­ri­e­da­de. O go­ver­no mal co­me­çou a ar­ru­ma­ção de su­as con­tas e se­rá pre­ci­so al­can­çar re­sul­ta­dos só­li­dos, nos pró­xi­mos anos, an­tes de re­la­xar. Se­rá fun­da­men­tal me­xer na com­po­si­ção da des­pe­sa e, co­mo par­te do es­for­ço, na qua­li­da­de da ad­mi­nis­tra­ção.

Já mui­to aper­ta­do, o Or­ça­men­toGe­ral da União fi­ca­rá mais es­trei­to no pró­xi­mo ano, co­mo se viu pe­la pro­pos­ta re­cém-apre­sen­ta­da ao Con­gres­so pe­lo Exe­cu­ti­vo. To­dos os mi­nis­tros te­rão pou­co di­nhei­ro pa­ra su­as ta­re­fas e al­guns de­les têm ba­ta­lha­do por mu­dan­ça no li­mi­te do gas­to.

As pres­sões têm par­ti­do prin­ci­pal­men­te da Ca­sa Ci­vil e de gru­pos mi­li­ta­res pró­xi­mos do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, se­gun­do in­for­mou o Es­ta­do na edi­ção de quar­ta-fei­ra. A equi­pe econô­mi­ca tem re­sis­ti­do.

Não se tem fa­la­do ofi­ci­al­men­te so­bre as pres­sões e so­bre o de­ba­te, mas o pró­prio che­fe de go­ver­no já se quei­xou do aper­to fi­nan­cei­ro. “Eu vou ter de cor­tar a luz de to­dos os quar­téis do Bra­sil, por exem­plo, se na­da for fei­to”, dis­se o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, na quar­ta-fei­ra de ma­nhã, ao co­men­tar a ques­tão do te­to. Ele já ha­via men­ci­o­na­do em mais de uma oca­sião as di­fi­cul­da­des pa­ra con­ti­nu­ar cus­te­an­do as ati­vi­da­des mi­li­ta­res. Sem de­fen­der ex­pli­ci­ta­men­te a mu­dan­ça do li­mi­te cons­ti­tu­ci­o­nal pa­ra os gas­tos pú­bli­cos, ele tem, no en­tan­to, ali­men­ta­do as quei­xas.

Cri­a­do por emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal no go­ver­no do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, o te­to de gas­to tem si­do um im­por­tan­te fa­tor de dis­ci­pli­na fis­cal. Pe­la re­gra, o au­men­to da des­pe­sa de um exer­cí­cio pa­ra ou­tro po­de cor­res­pon­der no má­xi­mo à in­fla­ção do ano-ba­se. Não há, por­tan­to, cres­ci­men­to re­al.

Es­sa limitação de­ve con­tri­buir, em prin­cí­pio, pa­ra o re­e­qui­lí­brio das con­tas e pa­ra a ob­ten­ção, den­tro de al­guns anos, de su­pe­rá­vits pri­má­ri­os. Com es­se di­nhei­ro o go­ver­no po­de­rá li­qui­dar pe­lo me­nos os ju­ros e con­ter a ex­pan­são da dí­vi­da pú­bli­ca, mui­to gran­de pe­los pa­drões in­ter­na­ci­o­nais.

Ne­nhum avan­ço no con­ser­to das con­tas pú­bli­cas se­rá su­fi­ci­en­te sem uma re­vi­são dos gas­tos e de seus cri­té­ri­os. Pa­ra tor­nar o Or­ça­men­to mais fle­xí­vel se­rá ne­ces­sá­rio eli­mi­nar as vin­cu­la­ções en­tre re­cei­tas e apli­ca­ções e tor­nar a ad­mi­nis­tra­ção mais efi­ci­en­te. Is­so per­mi­ti­rá, por exem­plo, mu­dar a des­ti­na­ção de re­cur­sos de acor­do com a evo­lu­ção das pri­o­ri­da­des. Tam­bém se­rá con­ve­ni­en­te me­xer nas nor­mas de ad­mi­nis­tra­ção de pes­so­al, tor­nan­do­as me­nos en­ges­sa­das, mas sem fa­ci­li­tar a po­li­ti­za­ção de ad­mis­sões e de­mis­sões.

Re­for­mas co­mo es­sas de­ve­rão en­vol­ver mui­to de­ba­te e mui­tas pres­sões, prin­ci­pal­men­te cor­po­ra­ti­vas, mas nun­ca se avan­ça­rá o su­fi­ci­en­te sem cui­dar des­ses as­sun­tos.

A cur­to pra­zo, o go­ver­no te­rá de con­ti­nu­ar en­fren­tan­do as di­fi­cul­da­des as­so­ci­a­das ao te­to. Se for in­dis­pen­sá­vel, se­rá pos­sí­vel, de acor­do com a re­gra em vi­gor, re­cor­rer aos cha­ma­dos ga­ti­lhos pa­ra con­ter os gas­tos com ser­vi­do­res. A re­gra do te­to já con­tém um re­mé­dio pa­ra ali­vi­ar as di­fi­cul­da­des em ca­sos mui­to es­pe­ci­ais.

A si­tu­a­ção se­ria me­nos com­pli­ca­da se o go­ver­no ti­ves­se cui­da­do mais ce­do de pro­vi­den­ci­ar al­gum es­tí­mu­lo ao con­su­mo e ao cres­ci­men­to. De­mo­rou mui­to pa­ra pen­sar em al­go co­mo a li­be­ra­ção de re­cur­sos do Fun­do de Ga­ran­tia do Tem­po de Ser­vi­ço e do PIS-Pa­sep. Um pou­co mais de animação nos ne­gó­ci­os te­ria re­for­ça­do a ar­re­ca­da­ção e pe­lo me­nos ate­nu­a­do os pro­ble­mas or­ça­men­tá­ri­os.

A equi­pe econô­mi­ca de­ve ter cons­ci­ên­cia de um ris­co es­pe­ci­al­men­te im­por­tan­te: qual­quer en­saio de me­xi­da no te­to po­de­rá de­sen­ca­de­ar pres­sões mui­to for­tes pa­ra au­men­to de des­pe­sas. Se­rá mui­to fá­cil apre­sen­tar lis­tas enor­mes de gas­tos im­por­tan­tes e ur­gen­tes. Se os de­fen­so­res do ajus­te ce­de­rem, o de­sas­tre po­de­rá ser enor­me. O go­ver­no adi­ci­o­na­rá a um pri­mei­ro ano eco­no­mi­ca­men­te mui­to ruim a re­caí­da no des­con­tro­le das con­tas pú­bli­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.