Os Es­ta­dos e o ‘ti­ming’

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - FA­BIO GI­AM­BI­A­GI

OPaís ca­mi­nha, apa­ren­te­men­te, pa­ra que em ou­tu­bro te­nha­mos apro­va­do o que te­rá si­do a re­for­ma mais pro­fun­da da Pre­vi­dên­cia des­de a Cons­ti­tui­ção de 1988. Mes­mo as­sim, não há ra­zões pa­ra co­me­mo­rar es­se fei­to de for­ma mui­to efu­si­va, por dois mo­ti­vos. Pri­mei­ro, por­que a des­pe­sa pre­vi­den­ciá­ria con­ti­nu­a­rá au­men­tan­do em ter­mos re­ais ano após ano, ain­da que, na­tu­ral­men­te, nu­ma ve­lo­ci­da­de bas­tan­te in­fe­ri­or em re­la­ção à que se ve­ri­fi­ca­ria se a re­for­ma não fos­se apro­va­da. E se­gun­do, por­que a re­for­ma apro­va­da na Câ­ma­ra dei­xou de la­do os Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. Con­si­de­ran­do que o flu­xo de de­se­qui­lí­brio des­tes, pe­lo Anuá­rio Es­ta­tís­ti­co da Pre­vi­dên­cia So­ci­al, pas­sou de R$ 27 bi­lhões em 2010 pa­ra R$ 92 bi­lhões em 2017, tem-se uma si­na­li­za­ção da nos­sa len­ti­dão pa­qui­dér­mi­ca em fa­zer mu­dan­ças es­tru­tu­rais, mes­mo quan­do o País avan­ça.

Tal omis­são se ex­pli­ca, po­li­ti­ca­men­te, co­mo re­sul­ta­do do que em te­o­ria dos jo­gos é um tí­pi­co jo­go não co­o­pe­ra­ti­vo. O exem­plo clás­si­co é o fa­mo­so “di­le­ma dos pri­si­o­nei­ros”, em que dois de­ten­tos po­dem agir ra­ci­o­nal­men­te ou, olhan­do pu­ra­men­te pa­ra seus in­te­res­ses in­di­vi­du­ais, cri­ar um re­sul­ta­do ne­ga­ti­vo pa­ra o con­jun­to re­pre­sen­ta­do pe­la so­ma de am­bos. Co­mo po­de­mos en­ten­der que se te­nha che­ga­do a es­ta si­tu­a­ção tão ruim pa­ra o País, de um pro­ble­ma ób­vio e enor­me não ser en­de­re­ça­do? Na ver­da­de, is­so é bas­tan­te fá­cil de en­ten­der quan­do se le­va em con­ta o mo­sai­co po­lí­ti­co dos Es­ta­dos. Os go­ver­na­do­res do Nor­des­te, per­ten­cen­tes ao la­do do es­pec­tro po­lí­ti­co as­so­ci­a­do (la­to sen­su) à es­quer­da, ma­ni­fes­ta­ram­se, em sua mai­o­ria, pro for­ma a fa­vor da re­for­ma, po­rém ao mes­mo tem­po em que os par­la­men­ta­res dos seus par­ti­dos, no Con­gres­so e nas ru­as, fa­zi­am cam­pa­nha aber­ta con­tra a apro­va­ção da PEC.

Co­mo a re­for­ma en­vol­ve me­di­das im­po­pu­la­res e vá­ri­os des­ses par­la­men­ta­res opo­si­ci­o­nis­tas se­rão can­di­da­tos a elei­ções ma­jo­ri­tá­ri­as no fu­tu­ro, o script que re­sul­ta­ria da apro­va­ção da PEC ori­gi­nal – que ti­nha os Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os na re­for­ma

– era mui­to cla­ro: os Es­ta­dos se be­ne­fi­ci­a­ri­am da me­di­da – pe­la con­ten­ção das des­pe­sas que re­sul­ta­ria da re­for­ma –, en­quan­to, nas elei­ções de 2020 ou 2022, os de­pu­ta­dos dos mes­mos par­ti­dos que os go­ver­na­do­res – que não vo­tam no Con­gres­so, em Bra­sí­lia – fa­ri­am cam­pa­nha con­tra os can­di­da­tos do cen­tro e da di­rei­ta, acu­san­do-0s de te­rem vo­ta­do a fa­vor da re­for­ma e “con­tra o po­vo”. Um con­tin­gen­te ex­pres­si­vo, por­tan­to, de par­la­men­ta­res do cen­tro e da di­rei­ta se ali­ou, na prá­ti­ca, à opo­si­ção no Con­gres­so pa­ra blo­que­ar a par­te da re­for­ma que afe­ta­ria os Es­ta­dos, dei­xan­do-os de fo­ra. A ló­gi­ca é fa­zer os go­ver­na­do­res “san­gra­rem” po­li­ti­ca­men­te, as­su­min­do o ônus de apro­var me­di­das du­ras de au­men­to do pe­río­do de ser­vi­ço dos ser­vi­do­res es­ta­du­ais, o que em âm­bi­to lo­cal de­ve pro­vo­car cer­to desgaste pa­ra eles.

Em mais de uma opor­tu­ni­da­de, nos úl­ti­mos me­ses, te­nho uti­li­za­do a mes­ma ex­pres­são: “O no­me do jo­go é ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca” (no mais al­to grau). Foi ela a gran­de au­sen­te nes­se pon­to es­pe­cí­fi­co. Lem­bre­mos que, em 2003, Lu­la apro­vou a ida­de mí­ni­ma e a ta­xa­ção dos ser­vi­do­res – du­as me­di­das po­li­ti­ca­men­te ex­plo­si­vas até en­tão – e, tal­vez por ter uma li­de­ran­ça mai­or so­bre o Con­gres­so, não só con­se­guiu fa­zer a re­for­ma pas­sar, co­mo, além dis­so, o fez va­len­do pa­ra os três ní­veis de go­ver­no – cen­tral, es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal. A li­de­ran­ça e a ar­ti­cu­la­ção do Exe­cu­ti­vo não se fi­ze­ram pre­sen­tes na re­for­ma de 2019 e o re­sul­ta­do é es­sa re­for­ma com ape­nas uma per­na só – a fe­de­ral.

O fa­to de a re­for­ma não ter os Es­ta­dos co­mo par­te ine­ren­te a ela acar­re­ta dois gran­des ônus. O pri­mei­ro é a ques­tão fis­cal em si. Co­mo o pro­ble­ma pre­vi­den­ciá­rio nas al­ça­das sub­na­ci­o­nais é gra­vís­si­mo, man­ter os Es­ta­dos fo­ra da re­for­ma é uma ga­ran­tia de que seus pro­ble­mas fis­cais vão con­ti­nu­ar, ou se­ja, de que não ve­re­mos tão ce­do no­tí­ci­as co­mo X sai da cri­se ou Após vá­ri­os anos, Y vol­ta a in­ves­tir pe­sa­da­men­te, re­fe­rin­do-se aos Es­ta­dos X ou Y.

O se­gun­do pro­ble­ma é o ris­co de re­pe­ti­ção de ima­gens co­mo as que os ha­bi­tan­tes do Rio de Ja­nei­ro vi­mos há qua­tro ou cin­co anos, quan­do o Es­ta­do do Rio, na prá­ti­ca, que­brou e foi obri­ga­do pe­las cir­cuns­tân­ci­as a um ajus­te num con­tex­to de gran­de contestaçã­o so­ci­al. Du­ran­te me­ses a po­pu­la­ção flu­mi­nen­se acos­tu­mou-se a ce­nas de ôni­bus quei­ma­dos, vi­tri­nes que­bra­das, black blocs nas ru­as, etc. E em mui­tos la­res os ser­vi­do­res pú­bli­cos, até mes­mo apo­sen­ta­dos e pen­si­o­nis­tas do Es­ta­do, fi­ca­ram sem re­ce­ber ou re­ce­be­ram com atra­so por me­ses a fio. A pers­pec­ti­va do ris­co de es­sas ce­nas se re­pe­ti­rem em di­ver­sos Es­ta­dos du­ran­te um ou dois anos se­ria um pe­sa­de­lo, quan­do se con­si­de­ra a ne­ces­si­da­de de au­men­tar o in­ves­ti­men­to do País. Ima­gens co­mo es­sas to­da se­ma­na no no­ti­ciá­rio se­ri­am a me­lhor for­ma de dis­su­a­dir in­te­res­sa­dos em fa­zer apos­tas pe­sa­das no fu­tu­ro.

Por tu­do is­so, os Es­ta­dos de­ve­ri­am apro­vei­tar pa­ra avan­çar na ela­bo­ra­ção das pró­pri­as pro­pos­tas a se­rem en­ca­mi­nha­das às res­pec­ti­vas As­sem­blei­as Le­gis­la­ti­vas, de pre­fe­rên­cia lo­go após a apro­va­ção da emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal. Aguar­dar, sem fa­zer na­da, a apro­va­ção de uma “PEC pa­ra­le­la” po­de dei­xá-los na pi­or das si­tu­a­ções, se ela for apro­va­da no Se­na­do, mas es­bar­rar nas mes­mas res­tri­ções que a ori­gi­nal na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos.

Se­rá pra­ti­ca­men­te im­pos­sí­vel apro­var me­di­das du­ras em âm­bi­to lo­cal no se­gun­do se­mes­tre de 2020, quan­do to­da a ati­vi­da­de po­lí­ti­ca de­ve­rá gi­rar em tor­no das elei­ções mu­ni­ci­pais de ou­tu­bro do ano que vem. Ao mes­mo tem­po, 2021 es­tá mui­to lon­ge, quan­do se le­va em con­ta a ur­gên­cia da si­tu­a­ção fis­cal dos Es­ta­dos. O ide­al se­ria os go­ver­na­do­res ama­du­re­ce­rem ra­pi­da­men­te as idei­as a res­pei­to do tema em ou­tu­bro e en­ca­mi­nha­rem as pro­pos­tas em no­vem­bro, pa­ra apro­vá-las na As­sem­bleia até o se­gun­do tri­mes­tre do ano que vem.

O País pre­ci­sa vi­rar es­sa pá­gi­na de uma vez por to­das.

ECO­NO­MIS­TA

A re­pe­ti­ção por um ou dois anos do que se viu quan­do o Rio que­brou se­ria um pe­sa­de­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.