PAR­QUE DA ÁGUA BRAN­CA

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto -

A lei? Ora, a lei...

Na edi­ção de ter­ça-fei­ra (3/9), ao tra­zer mais uma ma­té­ria so­bre em­pre­en­di­men­to imo­bi­liá­rio ob­je­to de inqué­ri­to de au­to­ri­da­des, o Es­ta­dão no­va­men­te re­tra­ta co­mo a opi­nião de al­guns e a in­ter­pre­ta­ção de ou­tros re­me­tem à má­xi­ma “a lei? Ora, a lei...”. Di­rei­to à opi­nião é sa­gra­do. Mas quan­do uma opi­nião, sem ba­se le­gal, ins­pi­ra me­di­da que põe em ris­co a le­gí­ti­ma re­a­li

za­ção de pro­je­tos re­gu­lar­men­te apro­va­dos em to­das as ins­tân­ci­as ne­ces­sá­ri­as, sen­do de­vi­da­men­te fis­ca­li­za­dos e pe­na­li­za­dos even­tu­ais atos em de­sa­cor­do com as nor­mas, aí a coi­sa mu­da de fi­gu­ra. Não é de ago­ra que ini­ci­a­ti­vas vol­ta­das pa­ra a pro­du­ção de ha­bi­ta­ções e de es­pa­ços pa­ra ati­vi­da­des co­mer­ci­ais ou em­pre­sa­ri­ais so­frem com inqué­ri­tos e mes­mo em­bar­gos. Um dos ca­sos mais em­ble­má­ti­cos na his­tó­ria re­cen­te é o bair­ro pla­ne­ja­do Par­que Glo­bal, me­ga­em­pre­en­di­men­to na ca­pi­tal pau­lis­ta que, após cin­co anos pa­ra­li­sa­do, pô­de ser re­to­ma­do em mar­ço. Is­so por­que se des­co­briu que não ha­via na­da de er­ra­do. Tu­do (ter­mo de ajus­ta­men­to de con­du­ta, re­a­bi­li­ta­ção am­bi­en­tal do ter­re­no, es­tu­dos de im­pac­to de vi­zi­nhan­ça e uma sé­rie de ou­tras me­di­das) es­ta­va em or­dem, ra­zão pe­la qual as três ações ci­vis pú­bli­cas fo­ram en­cer­ra­das. Não ti­nham fun­da­men­to. Po­rém os da­nos cau­sa­dos são ir­re­cu­pe­rá­veis. E não ape­nas no to­can­te ao in­ves­ti­men­to fi­nan­cei­ro. Vá­ri­os pos­tos de tra­ba­lho fo­ram de­sa­ti­va­dos e di­ver­sos ad­qui­ren­tes, frus­tra­dos (so­nhos adi­a­dos), gru­pos de in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros que nun­ca mais qu­e­rem ou­vir fa­lar de Bra­sil. Im­pres­si­o­nan­te co­mo o mer­ca­do imo­bi­liá­rio for­mal é al­vo fá­cil. Em­pre­sas que tra­ba­lham no ri­gor da lei são sis­te­ma­ti­ca­men­te ques­ti­o­na­das em sua se­ri­e­da­de. Di­fí­cil é cui­dar das áre­as de ma­nan­ci­ais in­va­di­das. De re­pre­sas con­ta­mi­na­das por ocu­pa­ções clan­des­ti­nas. De áre­as des­ma­ta­das pe­lo cri­me or­ga­ni­za­do. Até quan­do o se­tor te­rá de con­vi­ver com ta­ma­nha in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca? Até quan­do o aten­di­men­to às ne­ces­si­da­des das pes­so­as, das ci­da­des e do cres­ci­men­to se­rá tra­va­do por ques­tão de opi­nião?

BA­SI­LIO JA­FET, pre­si­den­te do Se­co­vi-SP (pre­si­den­[email protected]­co­vi. com.br), e LUIZ FRAN­ÇA, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de In­cor­po­ra­do­ras Imo­bi­liá­ri­as ([email protected])

São Pau­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.