Di­le­mas do mi­nis­tro da Jus­ti­ça

O Estado de S. Paulo - - Política - João Domingos

Mes­mo que Jair Bol­so­na­ro e Sér­gio Mo­ro te­nham se acer­ta­do, e até fei­to um ges­to sim­bó­li­co de re­a­pro­xi­ma­ção na se­ma­na pas­sa­da, não dá pa­ra di­zer que a si­tu­a­ção do ti­tu­lar da Jus­ti­ça é se­gu­ra. Quan­do Bol­so­na­ro diz, e re­pe­te, que quem man­da é ele, o des­ti­na­tá­rio da men­sa­gem é Mo­ro. Por­que a au­to­a­fir­ma­ção de au­to­ri­da­de de Bol­so­na­ro, nes­ses ca­sos, qua­se sem­pre é fei­ta quan­do se tra­ta de al­gum ór­gão ou al­gu­ma pes­soa li­ga­da a Mo­ro.

Sa­be-se que os dois ti­ve­ram dis­cus­são rís­pi­da na se­ma­na pas­sa­da, por cau­sa da PF. Bol­so­na­ro que­ria mu­dar o su­pe­rin­ten­den­te no Rio, en­con­trou re­sis­tên­ci­as e ame­a­çou de­mi­tir o di­re­tor-ge­ral, Mau­rí­cio Va­lei­xo. Não con­ten­te, deu de­cla­ra­ções di­zen­do que é ele o res­pon­sá­vel pe­la di­re­ção­ge­ral da ins­ti­tui­ção, não Mo­ro. Ora, se é ele quem cui­da da di­re­ção da PF, po­de­ria ter de­mi­ti­do Va­lei­xo, ou exi­gi­do de­le a tro­ca do su­pe­rin­ten­den­te, sem pre­ci­sar di­zer que a res­pon­sa­bi­li­da­de é de­le, não de Mo­ro. Ou Bol­so­na­ro te­rá de pe­dir au­to­ri­za­ção de al­gum mi­nis­tro quan­do qui­ser de­mi­tir ou­tro? É ló­gi­co que não. Acon­te­ce que, ao dei­xar cla­ra a

in­ten­ção de fa­zer uma in­ter­fe­rên­cia na PF, le­va­rá à con­clu­são de que ele es­tá se imis­cuin­do nu­ma área que não lhe per­ten­ce. Daí, a ci­ta­ção a Mo­ro, pa­ra di­zer que não é ele o res­pon­sá­vel pe­la di­re­ção da PF, mas o pró­prio pre­si­den­te.

Sa­be-se que Bol­so­na­ro pre­ten­de tro­car a di­re­ção da Abin e da Re­cei­ta. A pri­mei­ra é su­bor­di­na­da ao ge­ne­ral Au­gus­to He­le­no; a se­gun­da, a Pau­lo Gu­e­des. No mo­men­to em que se de­ci­dir pe­la tro­ca, Bol­so­na­ro cer­ta­men­te cha­ma­rá um e ou­tro e man­da­rá mu­dar o co­man­do. Por­tan­to, se quem man­da na PF é Bol­so­na­ro, por que ele pre­ci­sa di­zer aos qua­tro ven­tos que o man­do é de­le, não de Mo­ro? Por­que o mi­nis­tro é po­pu­lar e faz som­bra ao pre­si­den­te.

Fei­ta a re­con­ci­li­a­ção, Bol­so­na­ro já vol­tou ao ata­que. À Fo­lha de S. Pau­lo, dis­se que é pre­ci­so dar uma “are­ja­da” na PF. O que es­tá por trás da de­cla­ra­ção é a cer­te­za que ele tem de que a PF é cor­po­ra­ção mui­to uni­da, com ca­pa­ci­da­de de re­a­ção e re­bel­dia, co­mo a en­tre­ga dos car­gos. Daí, a in­sis­tên­cia em dar es­sa “are­ja­da”, o que não con­se­gui­rá so­zi­nho. Pre­ci­sa­rá de Mo­ro. Mas não tem a cer­te­za de que o mi­nis­tro se­gui­rá su­as or­dens ao pé da le­tra. Até por­que, se se­gui-las, Mo­ro per­de­rá a au­to­no­mia e se­rá ape­nas mais um a obe­de­cer ce­ga­men­te a tu­do o que o pre­si­den­te de­ter­mi­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.