Bar­ro­so au­to­ri­za se­mi­a­ber­to pa­ra pivô do men­sa­lão

Mar­cos Va­lé­rio es­tá pre­so des­de 2013, após con­de­na­ção a 37 anos; mi­nis­tro vê re­qui­si­tos pa­ra a pro­gres­são

O Estado de S. Paulo - - Política - RA­FA­EL MO­RA­ES MOU­RA /

O mi­nis­tro Luís Roberto Bar­ro­so, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, au­to­ri­zou que o pivô do ca­so do men­sa­lão, o em­pre­sá­rio Mar­cos Va­lé­rio Fer­nan­des de Sou­za, dei­xe o re­gi­me fe­cha­do e vá pa­ra o se­mi­a­ber­to. Con­de­na­do a mais 37 anos de re­clu­são, Va­lé­rio es­tá pre­so des­de 2013.

A de­ci­são de Bar­ro­so con­tra­ria pa­re­cer da pro­cu­ra­do­ra-ge­ral, Ra­quel Dod­ge, que apon­tou su­pos­tos pri­vi­lé­gi­os e sus­pei­ta de cor­rup­ção den­tro do cár­ce­re na As­so­ci­a­ção de Pro­te­ção e As­sis­tên­cia ao Con­de­na­do de Se­te La­go­as (Apac). Em se­tem­bro de 2018, Va­lé­rio foi trans­fe­ri­do pa­ra o Com­ple­xo Pe­ni­ten­ciá­rio Nel­son Hun­gria, na re­gião me­tro­po­li­ta­na de Be­lo Ho­ri­zon­te.

Um pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo che­gou a ser aber­to após de­nún­ci­as de que Va­lé­rio dei­xa­va a Apac sem al­ge­mas, usa­va ce­lu­la­res e ain­da pa­ga­va pro­pi­nas ao pre­si­den­te da uni­da­de. De acor­do com de­poi­men­tos, ou­tro de­ten­to te­ria for­ne­ci­do uma con­ta ban­cá­ria pa­ra vi­a­bi­li­zar os pa­ga­men­tos. O pro­ces­so, no en­tan­to, foi ar­qui­va­do. A pro­cu­ra­do­ra-ge­ral pe­diu ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Es­ta­du­al de Mi­nas Ge­rais en­ca­mi­nhe do­cu­men­tos re­la­ci­o­na­dos à in­ves­ti­ga­ção na área cri­mi­nal. Na de­ci­são, cons­ta que os do­cu­men­tos já che­ga­ram às mãos dos Su­pre­mo.

Bar­ro­so afir­ma não ver “co­mo in­de­fe­rir o pe­di­do de pro­gres­são de re­gi­me, ao ar­gu­men­to de que ain­da não es­ta­ria su­fi­ci­en­te­men­te es­cla­re­ci­da a si­tu­a­ção re­la­ti­va à ocor­rên­cia de fal­tas gra­ves”. “Is­so por­que, do quan­to se sa­be até o mo­men­to, o ape­na­do foi ab­sol­vi­do no pro­ces­so ad­mi­nis­tra­ti­vo dis­ci­pli­nar e o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Es­ta­du­al ain­da não che­gou a uma con­clu­são se­gu­ra no pro­ce­di­men­to in­ves­ti­ga­tó­rio cri­mi­nal ain­da em cur­so. O qua­dro fá­ti­co, por­tan­to, não per­mi­te con­cluir pe­la ocor­rên­cia de fal­ta gra­ve”, es­cre­veu Bar­ro­so.

Re­qui­si­to. O mi­nis­tro ar­gu­men­ta in­da que o re­qui­si­to ob­je­ti­vo pa­ra a pro­gres­são de re­gi­me já foi al­can­ça­do em ja­nei­ro de 2019. “Na­da obs­tan­te, é for­ço­so con­cluir que, se de um la­do não é ab­so­lu­ta­men­te inequí­vo­ca a ine­xis­tên­cia de fal­tas gra­ves, por ou­tro la­do, o pro­ce­di­men­to dis­ci­pli­nar ins­tau­ra­do pa­ra sua apu­ra­ção re­sul­tou na ab­sol­vi­ção do ape­na­do e, no pro­ce­di­men­to cri­mi­nal, ine­xis­te ain­da uma con­clu­são que te­nha le­va­do se­quer ao ofe­re­ci­men­to de de­nún­cia pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Es­ta­do”, con­clui.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.