Colôm­bia clas­si­fi­ca exer­cí­cio mi­li­tar co­mo ‘ame­a­ça di­re­ta’.

Chan­ce­ler co­lom­bi­a­no tam­bém acu­sa o go­ver­no Ma­du­ro de fa­vo­re­cer a pre­sen­ça de gru­pos guer­ri­lhei­ros na Ve­ne­zu­e­la

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - BOGOTÁ /

O chan­ce­ler da Colôm­bia, Car­los Hol­mes Tru­jil­lo, con­si­de­rou os exer­cí­ci­os mi­li­ta­res da Ve­ne­zu­e­la na fron­tei­ra co­mo uma “ame­a­ça di­re­ta” à es­ta­bi­li­da­de re­gi­o­nal. A afir­ma­ção fei­ta on­tem é uma res­pos­ta à or­dem do pre­si­den­te ve­ne­zu­e­la­no, Ni­co­lás Ma­du­ro, de re­a­li­zar exer­cí­ci­os mi­li­ta­res pa­ra res­pon­der ao re­ceio de um pos­sí­vel ata­que de for­ças co­lom­bi­a­nas.

“É uma gran­de ame­a­ça que re­fle­te as con­sis­ten­tes ações do go­ver­no (Ma­du­ro), que cri­am si­tu­a­ções de cri­se”, dis­se o chan­ce­ler co­lom­bi­a­no. “É uma ame­a­ça que não tem a ver só com a Colôm­bia, mas com a es­ta­bi­li­da­de e tran­qui­li­da­de da re­gião.”

Tru­jil­lo ain­da es­cla­re­ceu que tal ame­a­ça “é sen­ti­da há mui­to tem­po” na Colôm­bia. “É uma ame­a­ça que pro­vém do re­gi­me cha­vis­ta e tem se pro­lon­ga­do du­ran­te o re­gi­me ma­du­ris­ta”, de­fen­deu, ci­tan­do o ex-pre­si­den­te ve­ne­zu­e­la­no Hu­go Chá­vez, mor­to em 2013.

Pa­ra o chan­ce­ler, “o re­gi­me di­ta­to­ri­al (de Ma­du­ro) fa­vo­re­ce a pre­sen­ça de or­ga­ni­za­ções ter­ro­ris­tas em seu ter­ri­tó­rio, não só co­lom­bi­a­nas, mas de ou­tras par­tes do mun­do”.

Em ju­nho, um dis­si­den­te do go­ver­no Ma­du­ro, o ge­ne­ral Ma­nu­el Cris­topher Fi­gue­ra, de­ta­lhou a atu­a­ção de um bra­ço do mo­vi­men­to li­ba­nês Hez­bol­lah na Ve­ne­zu­e­la. O gru­po te­ria ne­gó­ci­os ilí­ci­tos no país pa­ra fi­nan­ci­ar ope­ra­ções si­mul­ta­ne­a­men­te com o Exér­ci­to de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal (ELN), gru­po guer­ri­lhei­ro co­lom­bi­a­no.

Os co­lom­bi­a­nos es­tão sob aler­ta des­de a se­ma­na pas­sa­da, quan­do dis­si­den­tes das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (Farc) pu­bli­ca­ram um ví­deo em que anun­ci­a­vam seu re­tor­no à lu­ta ar­ma­da.

As au­to­ri­da­des co­lom­bi­a­nas acre­di­tam que a gra­va­ção te­nha si­do fei­ta na Ve­ne­zu­e­la, au­men­tan­do a pre­o­cu­pa­ção com um con­fli­to ar­ma­do na Colôm­bia e a ex­pan­são des­tes gru­pos na Ve­ne­zu­e­la. Na gra­va­ção, o lí­der das Farc, Iván Már­quez, que che­gou a par­ti­ci­par das ne­go­ci­a­ções do acor­do de paz, em 2015, anun­ci­ou, ao la­do de ou­tros ve­te­ra­nos de guer­ra ci­vil, que a an­ti­ga guer­ri­lha ini­cia “uma no­va eta­pa na lu­ta ar­ma­da”.

Além de or­de­nar a re­a­li­za­ção de exer­cí­ci­os mi­li­ta­res nos Es­ta­dos de Zu­lia, Tá­chi­ra, Apu­re e Ama­zo­nas, que com­põem a fron­tei­ra de mais de 2 mil quilô­me­tros de ex­ten­são com­par­ti­lha­da com a Colôm­bia, Ma­du­ro anun­ci­ou que ins­ta­la­rá um sis­te­ma de de­fe­sa an­ti­aé­rea na fron­tei­ra com a Colôm­bia por con­si­de­rar que o go­ver­no do país vi­zi­nho pre­ten­de ini­ci­ar um con­fli­to ar­ma­do na re­gião. Os dois paí­ses têm se en­vol­vi­do em di­ver­sos atri­tos na úl­ti­ma dé­ca­da e não man­têm re­la­ções di­plo­má­ti­cas.

Se­gun­do Ma­du­ro, o go­ver­no da Colôm­bia, li­de­ra­do pe­lo pre­si­den­te Iván Du­que, “ago­ra im­ple­men­ta um fal­so po­si­ti­vo pa­ra agre­dir a Ve­ne­zu­e­la e co­me­çar um con­fli­to mi­li­tar con­tra nos­so país”, dis­se.

Opo­si­ção. A Colôm­bia ne­ga qual­quer pla­no de ata­car a Ve­ne­zu­e­la ou de per­mi­tir que os EUA ini­ci­em uma ofen­si­va do so­lo co­lom­bi­a­no. Tan­to Bogotá co­mo Washing­ton re­co­nhe­cem o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal e au­to­pro­cla­ma­do pre­si­den­te in­te­ri­no da Ve­ne­zu­e­la, Ju­an Gu­ai­dó, co­mo o go­ver­nan­te ofi­ci­al do país.

A As­sem­bleia Na­ci­o­nal e a Colôm­bia têm de­mons­tra­do apoio mú­tuo. O chan­ce­ler co­lom­bi­a­no va­lo­ri­zou on­tem a de­ci­são da opo­si­ção ve­ne­zu­e­la­na de clas­si­fi­car co­mo or­ga­ni­za­ção ter­ro­ris­ta a dis­si­dên­cia das Farc que de­ci­diu pe­gar em ar­mas no­va­men­te. O Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da Ve­ne­zu­e­la atri­buiu o re­ar­ma­men­to dos dis­si­den­tes das Farc às fa­lhas de Du­que em cum­prir o acor­do de paz com o gru­po.

Ma­du­ro che­gou a di­zer, em ju­lho, que os lí­de­res que re­to­ma­ram as ati­vi­da­des ar­ma­das, Már­quez e Je­sús San­tri­ch, “são bem-vin­dos” na Ve­ne­zu­e­la “quan­do qui­se­rem vir”. O pre­si­den­te tam­bém as­si­na­lou que es­pe­ra­va a pre­sen­ça de­les na 25.ª edi­ção do Fo­ro de São Pau­lo, que reu­niu lí­de­res de par­ti­dos de es­quer­da da Amé­ri­ca La­ti­na em Ca­ra­cas.

Na épo­ca, Már­quez, San­tri­ch e Her­nán Ve­lás­quez Sal­dar­ri­a­ga, co­nhe­ci­do co­mo “El Pai­sa”, ou­tro lí­der guer­ri­lhei­ro, eram con­si­de­ra­dos de­sa­pa­re­ci­dos pe­la Colôm­bia, já que não cum­pri­am ha­via me­ses seus com­pro­mis­sos com a Ju­ris­di­ção Es­pe­ci­al pa­ra a Paz (JEP). A apa­ri­ção de­les no Fo­ro de São Pau­lo, o que não acon­te­ceu, se­ria uma pro­va de que o go­ver­no de Ma­du­ro es­ta­ria ce­den­do o ter­ri­tó­rio ve­ne­zu­e­la­no pa­ra o re­ar­ma­men­to das Farc.

“(A Colôm­bia) ago­ra im­ple­men­ta um fal­so po­si­ti­vo pa­ra agre­dir a Ve­ne­zu­e­la e co­me­çar um con­fli­to mi­li­tar con­tra o nos­so país” Ni­co­lás Ma­du­ro

PRE­SI­DEN­TE DA VE­NE­ZU­E­LA

Re­sis­tên­cia. O par­ti­do po­lí­ti­co le­gal das Farc, o For­ça Al­ter­na­ti­va Re­vo­lu­ci­o­ná­ria do Co­mum, cri­a­do com ex-in­te­gran­tes do gru­po que per­ma­ne­cem no acor­do, con­de­nou a de­ci­são de al­guns dos ex-mem­bros.

REUTERS-2/5/2019

Apoio. Ma­du­ro dis­se em ju­lho que ex-lí­de­res das Farc eram bem-vin­dos na Ve­ne­zu­e­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.