Hong Kong re­ti­ra pro­je­to que cau­sou pro­tes­tos

Lí­der de ma­ni­fes­ta­ções, po­rém, diz que atos con­ti­nu­a­rão e pro­me­te lu­tar pe­la aber­tu­ra de­mo­crá­ti­ca

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - HONG KONG

A go­ver­na­do­ra de Hong Kong, Car­rie Lam, con­fir­mou on­tem a re­ti­ra­da do pro­je­to de lei de ex­tra­di­ção que de­sen­ca­de­ou me­ses de pro­tes­tos e mer­gu­lhou o ter­ri­tó­rio con­tro­la­do pe­la Chi­na em sua pi­or cri­se des­de a de­vo­lu­ção bri­tâ­ni­ca, em 1997. O anún­cio foi fei­to du­ran­te reu­nião com par­la­men­ta­res pró-Pe­quim e de­le­ga­dos de Hong Kong no Con­gres­so Na­ci­o­nal do Po­vo da Chi­na.

“O go­ver­no re­ti­ra­rá ofi­ci­al­men­te o pro­je­to de lei pa­ra apa­zi­guar por com­ple­to as pre­o­cu­pa­ções da po­pu­la­ção”, de­cla­rou Lam, em pro­nun­ci­a­men­to pe­la TV.

O pro­je­to de lei foi anun­ci­a­do no iní­cio de ju­nho, com o pre­tex­to ime­di­a­to de re­sol­ver a si­tu­a­ção le­gal de um ci­da­dão de Hong Kong que ha­via ma­ta­do a na­mo­ra­da em Taiwan e fu­gi­do de vol­ta pa­ra o ter­ri­tó­rio. A pro­pos­ta, no en­tan­to, foi vis­ta pe­los ati­vis­tas pró-de­mo­cra­cia co­mo uma des­cul­pa pa­ra que dis­si­den­tes fos­sem ex­tra­di­ta­dos pa­ra a Chi­na.

Na se­ma­na pas­sa­da, Lam dis­se a lí­de­res em­pre­sa­ri­ais que cau­sou um “da­no im­per­doá­vel” ao apre­sen­tar o pro­je­to de lei e, se ti­ves­se es­co­lha, pe­di­ria des­cul­pas e re­nun­ci­a­ria, se­gun­do gra­va­ção de áu­dio di­vul­ga­da pe­la im­pren­sa.

A go­ver­na­do­ra la­men­tou ter ho­je um es­pa­ço de ma­no­bra “mui­to li­mi­ta­do” pa­ra re­sol­ver a cri­se, pois os tu­mul­tos se tor­na­ram uma ques­tão de se­gu­ran­ça na­ci­o­nal e so­be­ra­nia pa­ra a Chi­na em meio às ten­sões com os EUA.

Re­a­ção. Com o tem­po e em re­a­ção à vi­o­lên­cia da re­pres­são po­li­ci­al, os pro­tes­tos con­tra o pro­je­to de lei cres­ce­ram e se tor­na­ram um cla­mor por mais de­mo­cra­cia em Hong Kong. On­tem, a re­a­ção ime­di­a­ta ao anún­cio de Lam foi de ce­ti­cis­mo.

Em en­tre­vis­ta à CNN, um dos lí­de­res dos pro­tes­tos, Joshua Wong, fa­lou que a re­ti­ra­da do pro­je­to não é su­fi­ci­en­te e ape­nas a aber­tu­ra de­mo­crá­ti­ca e a con­vo­ca­ção de no­vas elei­ções le­va­rão ao fim das ma­ni­fes­ta­ções de rua.

Há du­as se­ma­nas, vá­ri­as fi­gu­ras im­por­tan­tes do mo­vi­men­to pró-de­mo­cra­cia de Hong Kong fo­ram de­ti­das. A ope­ra­ção foi de­nun­ci­a­da por as­so­ci­a­ções co­mo uma ten­ta­ti­va da Chi­na de amor­da­çar a opo­si­ção após a proi­bi­ção de no­vas ma­ni­fes­ta­ções.

Um dos de­ti­dos era Joshua Wong, que li­de­rou as ma­ni­fes­ta­ções por de­mo­cra­cia em 2015, nu­ma on­da de pro­tes­tos ba­ti­za­da de “Re­vol­ta dos Guar­da-Chu­vas”. Ele foi sol­to no mes­mo dia, após pa­gar fi­an­ça.

Ma­ni­fes­tan­tes es­tão fu­ri­o­sos em ra­zão da bru­ta­li­da­de po­li­ci­al e do nú­me­ro de pri­sões de ma­ni­fes­tan­tes (1.183 na úl­ti­ma con­ta­gem ofi­ci­al). Por is­so, eles exi­gem um inqué­ri­to in­de­pen­den­te.

“Is­so não acal­ma­rá os ma­ni­fes­tan­tes”, afir­mou on­tem Bo­ris Chen, de 37 anos, que tra­ba­lha com ser­vi­ços fi­nan­cei­ros. “Em qual­quer épo­ca, as pes­so­as en­con­tra­rão al­go com que pos­sam se re­vol­tar.”

Des­de que Hong Kong foi de­vol­vi­da pe­lo Rei­no Uni­do pa­ra a Chi­na, o con­tro­le do ter­ri­tó­rio tem si­do al­ter­na­do en­tre dois par­ti­dos: um mais li­ga­do à bu­ro­cra­cia bri­tâ­ni­ca e ou­tro, à Chi­na con­ti­nen­tal. Car­rie Lam per­ten­ce ao pri­mei­ro.

O go­ver­no chi­nês tem ban­ca­do a go­ver­na­do­ra e ex­pres­sa­do pu­bli­ca­men­te seu apoio. O fa­vo­ri­to pa­ra ser o pró­xi­mo go­ver­na­dor, no en­tan­to, de­ve ser Paul Chan, o res­pon­sá­vel pe­las fi­nan­ças do ter­ri­tó­rio.

ANTHONY WAL­LA­CE / AFP

Pe­la TV. Mo­ra­do­res acom­pa­nham anún­cio de Car­rie Lam

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.